Arquivo da categoria: supertições e costumes

A Mulher Bufálo Branco

Este é um mito central das tribos das planícies, especialmente o Lakota, ou Sioux. Ela conta como os lakotas receberam pela primeira vez o seu cachimbo sagrado e como foi ensinado o cerimonial para usá-lo. A lenda foi relatadas diversas vezes pelos lakotas Black Elk, Lame Deer e Looks for Buffalo.

Nos dias de antigamente os lakotas  tinham cavalos que eram usados para caçar o búfalo,  mas a comida era muitas vezes escassa. Um verão em especial, quando a nação lakota tinha acampado junta e havia muito pouco para comer, dois jovens do ramo Itazipcho – os “Sem Arco’- decidiram que iriam levantar cedo e procurar por caça. Eles deixaram o acampamento enquanto os cachorros ainda bocejavam, e se lançaram através da planície, acompanhados apenas pelo canto da cotovia amarela.

Depois de um tempo o dia começou a esquentar. Os grilos faziam barulho na grama, cães da pradaria disparavam de seus buracos quando os guerreiros se aproximavam, mas ainda não havia sinal de caça. Assim, os jovens foram no sentido de uma pequena colina de onde eles iriam ver melhor através da vasta pradaria. Alcançando-a, eles apertaram os olhos e esquadrinharam a distância, mas o que eles viram saindo da crescente névoa de calor foi algo brilhante, que parecia caminhar em duas pernas, não em quatro. Em pouco tempo eles viram que era uma mulher linda, e que brilhava em seu traje branco.

Búfalo

Búfalo

À medida que a mulher se aproximava, eles notaram que seu manto de peles era maravilhosamente decorada com  ornamentos sagrados feitos de espinhos cor de arco-íris do porco-espinho. Ela carregava um embrulho nas costas, e um odor de sálvia perfumada exalava de sua mão. Seu cabelo negro estava solto, com exceção de um único fio amarrado com pele de búfalo. Seus olhos estavam cheios de luz e poder, e os jovens ficaram paralisados.

De súbito, um dos homens foi tomado por um desejo ardente. “Que mulher!”, disse ele de lado para  seu amigo. “e sozinha nesta  pradaria. Eu vou me aproveitar ao máximo disso! ‘

‘Insensato’, disse o outro. “Esta mulher é santa!”

Mas o tolo tinha tudo planejado, e quando a mulher o chamou, ele não precisou de um segundo convite. Assim que ele estendeu a mão para ela, os dois foram envolvidos em uma grande nuvem. Quando a nuvem se dissipou, a mulher permaneceu ali, enquanto aos seus pés não havia nada além de uma pilha de ossos com cobras terríveis contorcendo-se entre eles.

“Contemple”, disse a mulher ao jovem. “Eu vim para o seu povo com uma mensagem de Tatanka Oyate, a Nação do Búfalo. Retorne ao chefe Standing Hollow Horn  e diga-lhe o que você  viu. Diga a ele para preparar uma grande tenda  suficiente para todo o seu povo, e se preparem  para a minha vinda. ”

O jovem correu de volta pela pradaria e ofegava quando ele alcançou seu acampamento. Com uma pequena multidão de pessoas já o seguindo, ele achou Standing Hollow Horn  e disse-lhe o que tinha acontecido, e que a mulher estava chegando. O chefe ordenou que várias tendas fossem combinadas em uma  grande o suficiente para todos. As pessoas esperavam ansiosas pela chegada da mulher.

Depois de quatro dias, os olheiros que foram mandados para esperá-la, viram alguma coisa de belas formas chegando através da pradaria. Então, de repente, a mulher apareceu na grande tenda, e começou a andar  na direção horária. Ela parou diante de Standing Hollow Horn e colocou o embrulho que ela trazia diante dele.

‘Olhe para isso “, disse ela,” e sempre ame  e respeite isso. Ninguém  impuro deve  tocar neste embrulho, pois contém o cachimbo sagrado. ”

Ela desenrolou a  pele e tirou um cachimbo, e uma pequena pedra redonda que ela colocou no chão.

“Com este cachimbo você vai andar sobre a terra, que é a sua avó e sua mãe. A terra é sagrada, e é sagrado cada passo que você dá em cima dela. A boca do cachimbo é de pedra vermelha; representa a terra. Esculpido dentro dele e no centro está o bezerro de búfalo, em pé nas quatro patas. O cabo é de madeira, que representa tudo o que cresce sobre a terra. Estes doze penas suspensas da águia manchada representam todas as criaturas aladas. Todas as coisas vivas do universo são os filhos da Mãe Terra. Vocês todos são unidos como uma família, e você vai ser lembrado disso quando o fumar. Trate este cachimbo e a Terra com respeito, e seu povo irá crescer e prosperar. ”

A mulher disse-lhes que os sete círculos esculpidos na pedra representavam os sete ritos em que as pessoas iriam aprender a usar o cachimbo sagrado. O primeiro foi para o rito de “manter a alma”, que ela agora ensinava. Os demais ritos eles aprenderiam no devido tempo.

A mulher fez menção de deixar a tenda, mas, em seguida, virou-se e falou com Standing Hollow Horn  novamente. “Este cachimbo vai ficar com você até o fim. Lembre-se que em mim há quatro séculos. Estou indo agora, mas vou olhar por seu povo em todas as épocas, e no final, eu voltarei. ”

Ela agora caminhou lentamente em sentido horário ao redor da tenda. As pessoas ficaram em silêncio e cheias de temor. Mesmo as crianças famintas a observavam, com os olhos cheios de admiração. Em seguida, ela foi embora. Mas depois de caminhar uma curta distância, ela encarou o povo novamente e sentou-se na pradaria. As pessoas que a seguiam ficaram surpresos ao ver que, ao levantar, ela havia se tornado um bezerro de búfalo vermelho e marrom. O bezerro adentrou a pradaria, e depois se deitou e rolou, olhando para as pessoas.

Quando ela se levantou ela era um búfalo branco. O búfalo branco caminhou  até que se tornou  uma mancha brilhante na planície distante, e, em seguida, virou-se de novo, e tornou-se um búfalo preto. Este búfalo foi embora, parou, curvou-se para as quatro direções da terra, e, finalmente, desapareceu sobre o monte.

http://www.livingmyths.com/Native.htm

Links relacionados:

http://www.lightningmedicinecloud.com/legend.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Lame_Deer

http://en.wikipedia.org/wiki/Black_Elk

Notas:

1) Black Elk e Look for Buffalo são médicos ou “pajés” de origem lakota e Lame Deer foi um conhecido vice-líder dessa tribo.

Anúncios

Viracocha e a Chegada dos Incas

Os nativos destas terras afirmam que, no início, e antes que deste mundo ser criado, havia um ser chamado Viracocha . Ele criou um mundo escuro, sem sol, lua ou estrelas . Devido a esta criação foi nomeado Viracocha Pachayachachi, que significa ” Criador de todas as coisas . ” E quando ele criou o mundo , ele formou uma raça de gigantes de grandeza desproporcional pintados e esculpidos, para verificar se ele fiaria bem fazer os homens reais daquele tamanho. Ele, então, criou o homem à sua semelhança como são agora, e viveram na escuridão.

Deus Inca

Viracocha ordenou que estas pessoas que vivessem sem brigas , e que eles deveriam conhecê-lo e servi-lo. Ele deu-lhes certas regras que eles precisavam observar sob pena de serem confundidos se eles as quebrassem. Mantiveram esses preceitos, por algum tempo, mas não foi mencionado o que eram. Mas, como surgiu entre eles os vícios do orgulho e da cobiça, eles transgrediram o preceito de Viracocha Pachayachachi e caíram, através deste pecado, vítimas de sua fúrias, ele confundiu todos e os amaldiçoou . Em seguida, alguns foram transformados em pedras, outros em outras coisas, alguns foram engolidos pela terra, outros pelo mar, e sobre tudo , veio uma inundação geral que eles chamaram unu pachacuti, que significa “água que engole a terra” Dizem que choveu 60 dias e noites  que se afogaram todas as criaturas da criação, e que só permaneceu alguns vestígios daqueles que foram transformadas em pedras, como um memorial do evento, e como exemplo para a posteridade, os edifícios de Pucara , que estão a 60 léguas de Cuzco.

Algumas das nações, além da Cuzcos, também dizem que alguns foram salvos desta inundação para deixar descendentes para uma época futura . Cada nação tem sua fábula especial que é contada por seu povo, de como os seus primeiros antepassados ​​foram salvos das águas do dilúvio. Que as idéias que criaram em sua cegueira podem ser entendidas, vou apresentarr apenas uma, contada pela nação dos Cañaris, uma terra de Quito e Tumibamba, a 400 léguas de Cuzco e muito mais.

Dizem que na época do dilúvio chamado unu pachacuti havia uma montanha chamada Guasano na província de Quito e perto de uma cidade chamada Tumipampa. Os nativos ainda a encontram. Para esta montanha foram dois dos Cañaris chamados Ataorupagui e Cusicayo. A medida que as águas aumentavam, a montanha também continuava subindo e se mantendo acima da inundação, de tal maneira que nunca seria coberta pelas águas do dilúvio. Desta forma, os dois Cañaris escaparam. Estes dois, que eram irmãos, quando as águas diminuíram depois do dilúvio, começaram a semear. Um dia, quando eles estavam no trabalho, no retornar à sua casa, encontraram nele alguns pequenos pedaços de pão e uma jarra de chicha, que é a bebida usada nesse país em lugar de vinho, feito de milho cozido. Eles não sabiam quem havia trazido, mas eles deram graças ao Criador, comeram e beberam dessa provisão. No dia seguinte, a mesma coisa aconteceu. Como eles se maravilhou com esse mistério, eles estavam ansiosos para descobrir quem trouxe as refeições . Então, um dia eles se esconderam para espiar os provedores de seus alimentos. Enquanto eles estavam vigiando eles viram duas mulheres Cañari preparar os alimentos e colocá-los no lugar de costume. Quando estavam prestes a ir embora,os dois homens tentaram pegá-las, mas elas evitaram seus captores e fugiram. Os Cañaris, vendo o erro que cometeram em molestar aquelas que os haviam feito o bem, ficaram tristes e oraram a Viracocha pelo perdão dos seus pecados , pedindo-lhe para deixar as mulheres voltar e dar-lhes as refeições habituais . O Criador concedeu seu desejo. As mulheres voltaram e disseram aos Cañaris :”O Criador pensou que seria bom que retornássemos para vocês, para evitar que você morresem de fome.” Elas trouxeram-lhes comida. Em seguida, se iniciou uma amizade entre as mulheres e os irmãos Cañari, e um dos irmãos Cañari tinha uma conexão com uma das mulheres. Então, como o irmão mais velho, morreu afogado em um lago que estava próximo, o sobrevivente se casou com uma das mulheres, e fez da outra sua concubina. Através delas, ele teve dez filhos, que formaram duas linhagens de cinco cada, e aumentando em números chamaram uma linhagem de Hanansaya que é o mesmo que dizer que é a casta superior , e a outra era Hurinsaya, ou a casta menor. Destas linhagens descendem todos os Cañaris .

Da mesma forma todas as outras nações têm fábulas de como algumas de suas pessoas foram salvas, de quem eles têm sua origem e descendência. Mas os Incas e a maioria daqueles de Cuzco, entre aqueles que se acredita saber mais, dizem que ninguém escapou da inundação, e que Viracocha criou os homens de novo, como será explicado mais à frente. Mas uma crença é comum entre todas as nações desta parte do mundo, todos eles fam de um grande dilúvio, que eles chamam de unu pachacut . A partir daí podemos entender claramente que, se, por estas bandas eles têm uma tradição da grande inundação, que falam de uma grande massa das ilhas flutuantes que mais tarde chamaríamos de Atlândita, quer dizer que nas Índias de Castela, ou América, chegou uma população que veio de longe, logo após o dilúvio, embora, do seu jeito, os detalhes que ele contam são diferentes daqueles que as verdadeiras Escrituras nos ensinam. Isto deve ter sido feito pela Providência divina, através dos primeiros colonos chegadas à terra da ilha do Atlântico (Américas). Então os nativos, embora bárbaros, deram as razões para a origem desse antigos assentamentos, ao relatar do dilúvio, mas não há necessidade de deixar de lado as Escrituras, citando autoridades para estabelecer essa origem. Agora vêm aqueles que  relacionam os eventos da segunda era, após a inundação.

Fonte:

http://www.sacred-texts.com/nam/inca/inca01.htm

Links:

http://www.godchecker.com/pantheon/incan-mythology.php?deity=VIRACOCHA

http://en.wikipedia.org/wiki/Ca%C3%B1aris_District

http://mapcarta.com/19743558

http://en.wikipedia.org/wiki/Cajamarca%E2%80%93Ca%C3%B1aris_Quechua

http://www.firstpeople.us/FP-Html-Legends/TheFestivaloftheSun-Inca.html

http://journalperu.com/myths-and-legends-guarded-by-peru%E2%80%99s-amazon-rainforest/

inca

Ruínas Inca

A Raposa e o Tanuki

Muito, muito tempo atrás, uma raposa encontrou um tanuki.

“Como vai tudo, Tanu-kun? Quando se trata de transformação nós dois somos os melhores do mundo, mas eu imagino quem seria o número um, eu ou vocêf?”

O tanuki não respondeu, mas apenas apontou para o próprio peito.

“O que você quer dizer? Você acha que você é o melhor transformador?”

“Isso é certo”, disse o tanuki. Então, eles decidiram ter um concurso de metamorfose.

Uma vez que foi decidido, a raposa não perdeu tempo. “Se eu não superar esse tanuki metido”, pensou a raposa, “será uma vergonha para a fama das raposas.”

Só então a raposa notou uma pedra memorial em pé ao lado da estrada. Assim, a raposa ficou bem próximo a ela e se transformou em uma estátua de Jizo-sama.

Nenbutsu-ji_jizo_and_Tanuki

Estátua de Jizo no templo de Nenbutsu em Kyoto : http://www.otagiji.com/

Em pouco tempo, o tanuki apareceu. Este tanuki tinha um hábito curioso – sempre que via Jizo-sama, ele ficava com fome e comia o almoço que ele estava carregando. Neste dia não foi diferente.

“Meu Deus, eu estou com tanta fome. Acho que vou almoçar.”

O tanuki pegou o almoço que ele estava carregando em suas costas e tirou alguns bolinhos de arroz. Ele colocou um diante de Jizo-sama como oferenda, e inclinou a cabeça.

Talvez ele tivesse orado “que a raposa será vencida no concurso de transformação.” Mas, quando ele levantou a cabeça e abriu os olhos, foi pego de surpresa. O bolinho de arroz que ele tinha oferecido não estava mais lá. Isso foi estranho. Pensando nisso, ele se perguntou se talvez ele realmente não tivesse feito a oferta. Então ele com muito cuidado colocou outro bolinhol em frente à estátua de Jizo-sama. Ele abaixou a cabeça, orou “Namu Amida Butsu, Namu Amida Butsu” e levantou a cabeça imediatamente. O quê? O bolinho tinha sumido!

“Isso não está certo!”

O tanuki colocou mais um bolo de arrozna frente de Jizo-sama, disse rapidamente: “Namu Amida -” e levantou a cabeça antes que pudesse sequer ter a certeza que ele tinha realmente abaixado. O que ele viu foi Jizo-sama com um bolinho de arroz meio comido em uma das mãos.

“Ei!” o tanuki gritou, e agarrou o braço de Jizo-sama. O que havia sido Jizo-sama voltou à sua forma habitual, a raposa.

“O que é tudo isso, Kitsune-san?” perguntou o tanuki.

“Agora é a sua vez”, respondeu a raposa. O tanuki pensou por um momento, e levou de volta o que restava do bolinho antes de falar.

“Cerca de meio dia de amanhã eu me transformar no senhor do castelo e passar por aqui, e então olhar de perto.”

E assim, a raposa ficou esperando lá no dia seguinte. Finalmente, ele viu a procissão do senhor vindo em sua direção.

Primeiro vieram os varredores gritando “Abaixo! Todo mundo no chão!” Depois disso veio uma longa fila de samurai, e, em seguida, a liteira em que o senhor estava sentado. A raposa estava cheio de admiração, e correu para a liteira do senhor, sem sequer pensar mudar para a forma humana.

“Senhor Tanu, senhor Tanu”, ele chamou, “você me venceu.”

No entanto, a procissão não era uma transformação do tanuki, e sim uma procissão de verdade. E assim, um dos samurais carregando um grupo correu para a raposa. A surra que raposa levou foi severa. E de verdade.

http://wabei4.tripod.com/xlation/quilt/tanufox.htm

http://www.furinkan.com/uy/faq/references/kitsuki.htm

http://hyakumonogatari.com/category/tanuki-stories/

http://www.onmarkproductions.com/html/tanuki.shtml

http://www.obakemono.com/obake/tanuki/

http://www.obakemono.com/obake/kitsune/

http://www.yamasa.org/acjs/network/portugues/newsletter/things_japanese_19.html

http://madeinjapan.uol.com.br/2009/09/20/jizo-o-guardiao-das-criancas/

http://shinjinka-acosmologiadosutradoltus.blogspot.com.br/2013/03/ksitigarbha-bodhisattva-um-simbolo-de.html


Nota:

A  oração Amida Butsu é amplamente ensinada por ser universalmente eficazes, e também tem a vantagem de ser curto. Isso é útil em um caso como este, quando a pessoa precisa rezar não tem nada de especial para pedir.

Como Thor e Loki iludiram Thrym o gigante

Loki começou a contar outra estória sobre Thor – uma a respeito de Thor e Thrym, um gigante estúpido que ainda tinha um pouco de astúcia. Loki e Thor ido na casa desse gigante. Ele tinha feito uma celebração para eles e Thor tinha sido descuidado.

Então, quando eles estavam longe de Jotunheim Thor notou a perda de Mjölnir, ele perdeu o martelo que era a defesa de Asgard e o auxílio dos Deuses. Ele não conseguia se lembrar de como ou onde ele o tinha perdido. Mas Loki logo lembrou de Thrym, o gigante estúpido que ainda tinha alguma astúcia. Thor, que tinha perdido o martelo o qual ele havia jurado que nunca deixaria fora de suas vistas e não sabia o que fazer.

Mas Loki pensou que valeria a pena ver se Thrym não tinha algo a ver com isso. Mas primeiro ele voltou para Asgard.

Ele atravessou a ponte do arco-íris correndo e passou por Heimdall sem falar com ele. Para nenhum dos moradores de Asgard que encontrou pelo caminho ele ousou dizer sobre a perda de Thor. Ele não falou com ninguém até que chegou ao palácio de Frigga.

Para Frigga, ele disse, “Você deve me emprestar a sua roupa de falcão para que eu possa voar para a casa de Thrym e descobrir se ele sabe onde está Mjölnir”.

“Mesmo se cada pena fosse de prata eu o daria para você fosse para sua missão”, disse Frigga.

Então, Loki colocou a roupa de falcão e voou para Jotunheim e chegou perto da morada de Thrym. Ele encontrou o gigante em cima de uma colina colocando colares de ouro e prata nos pescoços dos seus cães. Loki, com a plumagem do falcão,  empoleirou-se na rocha acima dele, observando o o gigante com seus olhos de pássaro.

E enquanto ele estava lá ouviu o Gigante falar palavras arrogantes. “Eu coloquei colares de prata e ouro em vocês, meus caezinhos”, disse ele, “mas logo os gigantes terão o ouro de Asgard para enfeitar nossos cães e os nossos cavalos, sim, mesmo o colar de Freya para colocar em você, o melhor dos meus cães. Porque Mjölnir, a Defesa de Asgard, é agora de Thrym “.

Loki então falou com ele. “Sim, nós sabemos que Miölnir está na tua posse, Ó Thrym”, disse ele, “saiba, porém que os olhos dos deuses estão atentos sobre ti.”

“Ha! Loki, O Transmorfo!”, disse Thrym, “você está aí! Mas toda a sua vigilância não vai ajudá-lo a encontrar Mjölnir.”

Eu enterrei o martelo de Thor a oito milhas de profundidade na terra. Tente encontrá-lo se você puder. Esta abaixo das cavernas dos anões. ”

“É inútil para nós para procurarmos o martelo de Thor”, disse Loki, “É, Thrym?”

“É inútil para você procurar por ele”, disse de mau humor o gigante.

“Mas qual seria sua recompensa se você restaurasse o martelo de Thor aos habitantes de Asgard,” Loki disse.

“Não, astuto Loki, eu nunca vou devolvê-lo, não por qualquer recompensa”, disse Thrym.

”Medite bem, Thrym “, disse Loki.” Não existe nada em Asgard que você gostaria de possuir? Nenhum tesouro, nenhuma posse? O anel de Odin ou navio de Frey, Skidbladnir? ”

“Não, não”, disse Thrym. “Só há uma coisa que os moradores em Asgard podem me oferecer que eu aceitaria em troca de Mjölnir, o Martelo de Thor”.

“E o que seria isso, Thrym?” disse Loki, voando em direção a ele.

“Ela,  a quem os gigantes muitos se esforçaram para possuir – Freya, para minha esposa”, disse Thrym.

Loki observou Thrym por muito tempo com seus olhos de falcão. Ele viu que o gigante não alteraria a sua demanda. “Eu vou dizer aos moradores em Asgard de sua demanda”, disse ele, finalmente, e voou para longe.

Loki sabia que os moradores em Asgard nunca deixariam Freya ser tomada deles para se tornar a esposa de Thrym, o mais estúpido dos gigantes. E pensando nisso, ele voou de volta.

Por esta altura todos em Asgard tinham ouvido falar da perda  de Mjolnir, o Auxílio dos Deuses. Heimdall gritou para ele quando Loki atravessou a Ponte do Arco Íris para perguntar que notícia ele trouxe de volta. Mas Loki não parou para falar com o Guardião da Ponte, e sim foi direto para o salão onde os Deuses reuniam-se em Conselho.

Para aesires e vanires ele informou a condição imposta por Thrym. Nenhum concordou em deixar a belíssima Freya ir viver em Jotunheim como esposa do mais estúpida dos gigantes. Todos no Conselho estavam cabisbaixos. Os deuses nunca mais seriam capaz de ajudar os mortais, pois agora que Miölnir estavanas mãos dos gigantes toda a sua força teria que ser usada na defesa de Asgard.

Então eles se sentaram no Conselho com a aparência abatida. Mas Loki disse com astúcia: “Pensei em um truque que pode ganhar de volta o martelo de Thrym. Vamos fingir que enviaremos Freya para Jotunheim como uma noiva para ele. Mas ao invés vamos enviar um dos deuses usando o véu e o vestido deFreya.”

“Qual dos Deuses vai fazer uma coisa vergonhosa dessa?” disseram todos no Conselho.

“Oh, ele que perdeu o martelo, Thor, deve estar preparado para fazer o máximo para ganhá-lo de volta”, disse Loki.

“Thor, Thor! Deixe Thor pegar o martelo de Thrym com o estrategema de Loki”, disseram aesires e vanires. Eles Loki preparar com Thor deveria ir para Jotunheim como uma noiva para Thrym.

Loki deixou o Conselho dos Deuses e foi para onde ele havia deixado Thor. “Há apenas uma maneira de pegar o martelo, Thor,” ele disse, “e os Deuses do Conselho ter decretado que você deve tomá-lo.”

“Qual é o jeito?” disse Thor. “Mas não importa qual seja, diga-me e eu vou fazer como tu dizer.”

“Então”, disse Loki rindo: “Eu vou levá-lo para Jotunheim como uma noiva para Thrym. Tu deves ir vestido com o véu e vestido de noiva de Freya.”

“O quê! Eu vestido em trajes de mulher?” gritou Thor.

“Sim, Thor, dever um véu sobre a cabeça e uma guirlanda de flores sobre ela.”

“Eu uso uma guirlanda de flores?”

“E os anéis nos teus dedos. E um molho de chaves na tua cintura.”

“Cessa teu escárnio, Loki”, disse Thor rispidamente “, ou vou esmagar-te.”

“Não é gozação. Tu tem que fazer isso para ganhar Mjölnir de volta para a defesa de Asgard. Thrym não aceitará nenhuma outra recompensa a não ser Freya. Gostaria de zombar dele, trazendo-te a ele usando o véu e o vestido de Freya. Quando tu estiveres no salão do gigante e ele te pedir para segurar tuas as mãos, tu deves dizer que não vai segurar até que ele coloque Miölnir em tuas mãos. Então, quando o teu poderoso martelo estiver no teu poder tu podes acabar com ele e com todos em seu salão. E eu, devo estar contigo como a tua dama de honra! Ó doce, doce donzela Thor! ”

“Loki”, disse Thor, “tu inventou tudo isso para zombar de mim. Eu em um vestido de noiva! Eu com véu de uma noivana minha cabeça! Os habitantes de Asgard nunca vão deixar de rir de mim.”

“Sim”, disse Loki “, mas nunca haverá riso novamente em Asgard, a menos que tu seja capaz de trazer de volta o martelo que teu perdeu por descuido.”

“É verdade”, disse Thor, tristemente”,  é isso, pensastes tu, Loki, que essa a única forma de reconquistar Miölnir de Thrym? ”

“É a única maneira, Ó Thor”, disse o astuto Loki.

Então, Thor e Loki partiram para Jotunheim, a morada de Thrym. Um mensageiro tinha ido a frente para dizer a Thrym que Freya estava chegando com sua dama de honra, e que a festa de casamento devia ser preparada e os convidados reunidos, e que Miölnir deveria estar à mão para que ela pudesse ser entregue aos moradores de Asgard . Thrym e sua mãe giganta apressaram-se para ter tudo pronto.

Thor e Loki chegaram à casa do Gigante vestidos como noiva e dama de honra. Um véu sobre a cabeça de  Thor escondia  sua barba e seus olhos ferozes. Ele usava uma túnica vermelha bordada, onde do lado pendia um molho de chaves. Loki estava disfarçado também. O grande salão da casa de  Thrym fora decorado com grandes mesas com o banquete da festa. E mãe de Thrym estava indo de um convidado para o outro, alardeando que seu filho tinha ficado com uma das mais belas moradoras de Asgard como noiva, Freya, a quem muitos dos gigantes tinha tentado ganhar.

Quando Thor e Loki cruzaram o portão, Thrym foi recebê-los. Ele queria levantar o véu de sua noiva e dar-lhe um beijo. Loki rapidamente colocou a mão no ombro do Gigante.

“Pára”, ele sussurrou. “Não levante o véu. Nós habitantes de Asgard somos reservados e tímidos. Freya seria muito ofendida sendo beijada na frente de seus companheiros.”

“Sim, sim”, disse a velha mãe de Thrym. “Não levante o véu a tua noiva, meu filho. Estas pessoas de Asgard são mais refinadas em suas maneiras do que nós, os Gigantes. “Então, a velha levou Thor pela mão e oconduziu para a mesa.

O tamanho e a grossura da noiva não surpreenderam os gigantes enormes que estavam na festa de casamento. Olharam para Thor e Loki, mas não conseguiam ver nada de seus rostos e pouco de suas formas por causa de seus véus.

Thor se sentou à mesa com Thrym de um lado dele e Loki, de outro. Em seguida, a festa começou. Thor, não percebendo que o seu comportamento era impróprio para uma refinada donzela, comeu oito salmão de uma vez. Loki cutucou e chutou o pé dele, mas ele nem ligou para ele. Depois do salmão comeu um boi inteiro.

“Essas donzelas de Asgard”, disseram os gigantes uns aos outros, “elas podem ser refinadas, como a mãe de Thrym diz, mas o seu apetite são exagerados.”

“Não é à toa que ela come, coitadinha”, disse Loki para Thrym. “São oito dias desde que saímos de Asgard. E Freya não comeu no caminho, ela estava tão ansiosa para ver Thrym e chegar a sua casa.”

“Pobre querida, pobre querida”, disse o gigante. “O que ela está comendo é muito pouco, afinal.”

Thor acenou com a cabeça em direção à cuba de hidromel. Thrym ordenou a seus servos para trazer um pouco para sua noiva. Os servos ficavam ocupados trazendo comida para Thor. Enquanto o gigante observava, e, enquanto Loki cutucava ele e balançou a cabeça, ele bebia três barris de hidromel.

“Oh”, disseram os gigantes para a mãe de Thrym, “agora não estamos tão triste assim por não conseguimos ganhar uma noiva de Asgard.”

E de repente um pouco do véu caiu de lado e os olhos de Thor foram vistos por um instante. “Oh, como é que Freya tem olhos tão ferozes?” Thrym disse.

“Coitadinho, coitadinho”, disse Loki, “não é de admirar seus olhos estejam brilhando e penetrantes. Ela não dormiu durante oito noites, tão ansiosa que ela estava para vir para você e para sua casa, Thrym. Mas agora chegou a hora para você unir as mãos com sua noiva. Primeiro, coloque em suas mãos o amrtelo Miölnir para que ela possa ver a grande recompensa que os gigantes deram por ela. ”

Então Thrym, o mais estúpido dos gigantes, levantou-se e trouxe Miölnir, a defesa de Asgard, para o salão de festa. Thor mal podia se conter de se revelar e pegar o martelo do gigante. Mas Loki foi capaz de mantê-lo quieto. Thrym trouxe o martelo e colocar a alça dele nas mãos daquela a quem ele pensava ser sua noiva. As mãos de Thor estavam fechados em seu martelo. Imediatamente ele se levantou. O véu caiu. Seu rosto e seus olhos em chamas foram vistas por todos. Ele atingiu um golpe na parede da casa. Ele caiu. Thor, então foi caminhando para fora da ruína com Loki ao lado dele, enquanto de dentro da casa os gigantes berravam enquanto o telhado e as paredes caíam sobre eles. E assim foique  Miölnir, a Defesa de Asgard, foi perdida e ganha de volta.

Fonte: Sacred Texts

Outros links:

Thir Great Fishing

Thor Myths

A estória da criação: mitos dos maias

A história da criação

O início deste livro interessante é retomada com a história Kiche da criação, e o que ocorreu diretamente depois da criação do mundo. Dizem-nos que o deus Hurakan, O Poderoso Vento, uma divindade em quem podemos dizer um equivalente Kiche para Tezcatlipoca, flutuou sobre o Universo, ainda envolto em trevas. Ele gritou “Terra!”, e a terra sólida apareceu.

Em seguida, os principais deuses fizeram um conselho entre si quanto ao próximo passo. Estes foram Hurakan, Gucumatz ou Quetzalcoatl, e Xpiyacoc e Xmucane, a mãe e o pai deuses. Eles concordaram que os animais deveriam ser criados. Isto foi feito, e depois se voltou a atenção para a como deveria ser a forma do homem. Eles fizeram uma série de homúnculos esculpidos em madeira. Mas estes eram irreverentes e provocaram a ira dos deuses, que resolveu eliminá-los.

Então Hurakan (O Coração dos Céus) fez as águas correrem, e uma inundação poderosa veio sobre os homúnculos. Também uma chuva grossa resinosa desceu sobre eles.

A ave Xecotcovach arrancaram seus olhos, o pássaro Camulatz  cortou suas cabeças, o pássaro Cotzbalarn pássaro devorou ​​suas carnes, a ave Tecumbalam quebrou seus ossos e tendões e os reduziu a pó. Então todos os tipos de seres, grandes e pequenos, abusaram dos homúnculos. Os utensílios domésticos e animais domésticos zombavam deles, e fizeram deles sua caça. Os cães e galinhas, disseram: “Vocês fizeram muita mal a todos nos e nos moderam, agora nós vamos morder vocês…”

A pedra falou disse: “Muito fomos atormentados por você, diariamente, noite, dia e dia, vocês nos usavam e era guincho, guincho, guincho, holi, holi, huqi, huqi, por sua causa.  Agora você deve sentir a nossa força, e  vamos moer sua carne e fazer comida de seus corpos. “E os cães rosnaram para as imagens infelizes porque não tinham sido alimentados, e as rasgaam com os dentes. Os copos e pratos, disseram: “A dor e a miséria que você nos deram, nos usando nosso corpos, cozinhando-nos sobre o fogo, queimando e ferindo-nos como se não tivéssemos nenhum sentimento Agora é sua vez, e você queimarão”. Os homúnculos infelizes correram lá e cá em seu desespero.

Eles montaram em cima dos telhados das casas, mas as casas desmoronaram sob seus pés, eles tentaram escalar até o topo das árvores, mas as árvores atiravam eles para baixo, eles foram repudiados até pelas cavernas, que fecharam diante deles. Assim, esta raça malfadada foi finalmente destruída e derrubada, e os únicos vestígios que permanecem são alguns dos seus descendentes, os macaquinhos que habitam na floresta.

fonte: http://www.sacred-texts.com/nam/mmp/index.htm

http://www.sacred-texts.com/nam/mmp/mmp08.htm

Como o Tigre se Tornou Parte do Horóscopo Chinês

Nos tempos antigos, o leão era parte do horóscopo chinês, não havia tigre nesse zodíaco. No entanto, o leão era muito cruel, de modo que o deus supremo queria tirar o leão do horóscopo. Mas o deus supremo não podia fazê-lo porque o leão é o rei de todos os animais. Se o deus supremo se livrsse dele, ele precisaria de um novo animal para comandar todos os animais. Logo, o deus supremo lembrou do tigre.

O tigre era apenas uma criatura insignificante vivendo no mundo humano, mas quando aprendeu técnicas de luta com o gato, o tigre se tornou um guerreiro feroz. Todos os animais que o desafiaram ou estavam mortos ou mortalmente feridos. Após o tigre sair vitorioso de todas as batalhas, o ele se tornou muito famooso mundo afora por suas habilidades. Na verdade o tigre se tornou tão conhecido que o deus supremo o chamou para o céu. Quando o tigre lá chegou, derrotou todos os guerreiros divinos. Após essa batalha, o tigre se tornou um dos guerreiros do deus supremo.

Mas, depois de tigre se tornar um guerreiro deus supremo, os animais começaram a atacar os seres humanos porque ninguém os controlava. Isso chamou a atenção do deus supremo, ele então envia o tigre para baixo para proteger os humanos. Após cada batalha ganha, o tigre pede uma recompensa. O deus supremo aceita cada pedido seu.

Quando o tigre voltou ao mundo humano, descobriu que os animais mais poderosos eram o leão, o urso e o cavalos. Então, o tigre desafiou todos eles e os venceu. Mal os outros perversos animais ouviram isso, foram se esconder em uma floresta de onde ninguém saía ou era visto. Os homens agradeceram o tigre por derrotar todos eles.

O tigre foi então chamado de volta ao céu e  porque o tigre ganhara três vezes, o deus supremo colocou três linhas horizontais em sua testa. Algum tempo depois, o mundo humano foi novamente perturbado por uma tartaruga maligna com poderes mágicos. O mundo humano foi inundada pela água convocada pela tartaruga. O tigre novamente desceu à terra e matou a tartaruga. Em seguida, o deus supremo acrescentou uma linha vertical no centro das três linhas horizontais, criando a palavra chinesa “rei”. A palavra pode ainda ser visto hoje na testa de todos os tigres.

Quando a infâmia do leão foi ouvida pelo deus supremo, ele decidiu tirar o status do leão do Zodíaco chinês e o tigre foi escolhido para substituir o leão no horóscopo chinês, como o rei de todos os animais.

O Tigre por William Blake

22 mai

Tigre Tigre Olhos Incandescentes

Tigre, tigre, brilho incandescente

dentro das florestas à noite

Que imortais mãos ou olhos

Poderiam moldar tão temível simetria?

2

Em que distante profundezas ou céus

Queimam o fogo dos teus olhos?

Em que asas veio essa chama?

Que mãos ousam tocar nesse fogo?

3

E qual ombro e qual arte?

Poderia mudar as fibras do teu coração?

E quando teu coração começou a bater

Qual horrível mão teria forjado seus pavorosos pés?

4

Qual martelo? Qual corrente?

Em que fornalha estava teu cérebro?

Que bigorna? Que terrível abraço

Ousou conter teu horrível terror?

5

E quando as estrelas desferiram seus raios,

e inundaram os céus com as lágrimas delas,

Ele sorriu por Seu trabalho ver?

Aquele que criou o cordeiro também Te fez?

6

Tigre, tigre, brilho incandescente

dentro das florestas à noite

Que imortais mãos ou olhos

Ousaram moldar tão temível simetria?

 

fonte: http://socyberty.com/folklore/the-legend-of-how-tiger-become-a-chinese-zodiac/

Links:

http://www.oldandsold.com/books/hindu/hindu-5.shtml

Quando os leões podiam voar

O leão, segundo se conta, tinha a capacidade de voar, e naquele tempo nada escapava dele.  Como ele não queria que os ossos de suas presas fossem quebrados em pedaços, ele fez com que um par de corvos brancos os vigiasse, deixando-os para trás no seu covil, enquanto ele caçava Um dia, porém, Sapo Grande foi até lá e quebrou todos os ossos em pedaços e disse: “Por que os homens e animais não tem o direito de viver?” E acrescentou estas palavras: “Quando ele vier diga a ele que eu vivo naquele lago, se ele quiser me ver, ele deve vir aí.”

O Leão, que estava caçando na floresta, tentou voltar para casa e  descobriu que não podia mais voar. Ele se encheu de raiva e pensou que alguma coisa no covil  estava errado. Quando ele chegou em casa, perguntou: “O que vocês fizeram para que eu não voasse?” Então, os corvos responderam: “Alguém veio aqui, quebrou os ossos em pedaços e disse: “Se ele me quiser me ver,  pode procurar por mim naquele lago lá longe!”

O Leão foi até lá e quando chegou o sapo estava sentado na margem. Ele tentou saltar furtivamente em cima dele, mas quando ele estava prestes a pegá-lo, o Grande Sapo disse: “Ah!” e mergulhou. O sapo nadou até o outro lado da piscina e ficou la´sentado. O leão ainda tentou persegui-lo, mas como não conseguiu apanha-lo, retornou para o covil.

A partir desse dia, se diz, o Leão caminhou somente sobre seus pés, e também começou a se arrastar (quando espreitava e caçava. Quantos aos Corvos Brancos tornaram-se totalmente mudos desde o dia em que disseram: “Nada pode ser dito sobre esse assunto.”

Fonte: http://www.sacred-texts.com/afr/saft/sft37.htm

Mais contos sobre leões: Sacred-Texts

 

O São Jorge de Hertfordshire

O dragão de Hatfield Park, Hertfordshire. Por coincidência, essa rocha se encontra na mesma cidade da lenda. Talvez seja o dragão petreficado...

A seguir, é a tradução completa do livro “A Hertfordshire St. Jorge” de W. B Gerish de 1905. 

Variantes de São Jorge e o Dragão, o verme de Lambton, Laidley e Dragão de Linton ou lendas sobre vermes são, penso eu, mais raras na parte leste e sul da Inglaterra do que no norte. No “Folk-Lore Record”, vol. i. 1878, p. 247-249, casos isolados de lendas de dragões e serpentes são apontadas em de Essex, Herefordshire, Oxfordshire e Sussex, e provavelmente há outros. As matas e pântanos que existiam nos tempos ancestrais, na porção norte do país, onde essas bestas parcialmente mitológicas, poderiam refugiar-se, parecem ter produzido tais relatos em grande abundância e detalhe.

Brent Pelham (1) ou Pelham Arsa, que um incêndio destruiu durante o reinado do rei Henrique I, ou Pelham Sarners (a) é uma pequena aldeia situada a cerca de cinco quilômetros de distância da estação ferroviária de Buntingford, e 10 milhas de Bishop’s Stortford.  O herói da história, O Piers Shonks, viveu na mansão, e era o senhor da casa, que ainda leva seu nome, e diz-se que floresceu  ” Anno a Conquiestu 21. ” (b) O único registro de qualquer descendente de mesmo nome, nos arredores é Gilbert Sank, o qual no décimo sexto ano do rei Eduardo I,  foi penhorada por Simon de Furneaux, lorde de Pelhams, por sua “Lealdade e Serviço e quarenta xelins e seis pences alugar ao ano, jurado e acordado no Tribunal de Pelham Arsa de três semanas a três semanas.(c)

A Tumba de O Piers Shonkes em Brent Pelham

Entre as doações da igreja é uma parcela das florestas chamadas de Beches e Shonks (d), e, de acordo com Weever(e), “a velha casa decadente, com fosso, chamada de O. Piers Shonkes,” existia em seu tempo. Nos tempos de Salmon(f)  (1728) havia um celeiro neste lugar protegido chamado celeiro Shonks, e que o escritor afirma que a mansão paga proteção ao bispo de Stortford,  uma relíquia do sistema feudal, que é, creio eu, paga ao lorde da propriedade de Stortford atualmente.  Pode ser que Shonks fosse o titular de uma mansão nos tempos saxões, e que ele foi substituído por Godfrey de Beche, um normando, de modo que a propriedade foi posteriormente conhecida como Beches e Shonkes. É provável que o nome Piers Shonks era o mais adotado pelo povo e, possivelmente, o nome do fundador da igreja, cujo edifício saxão original foi queimado com o resto da vila, como anteriormente mencionado. O lugar onde o túmulo de Shonks está agora está se dizia ser uma antiga entrada(g), provavelmente da estrutura original, mas isto é, penso eu, equivocado. Há, porém, uma antiga entrada bloqueada mais ao oeste, exatamente sob a janela central norte. O arco do túmulo não é diferente de uma porta de arco, e era de uma altura suficiente para ser, provavelmente, uma entrada.  Salmono engenhosamente sugere que Gilbert Sank poderia ser o pai de Peters ou Piers (devemos desconsiderar a uma diferença de dois séculos para isso), que “sendo oprimidos pelo poder tirânico de De Furneaux, seu filho pode tomar a causa para si e mostrar as que exigências do seu adversário eram injustificáveis, e combatê-lo através da lei. Pelo qual ele poderia estar a serviço da comunidade, e salvá-los dessas mesmas imposições exorbitantes. E isso foi suficiente para canonizá-lo.” Se bem me lembro, algo semelhante aconteceu ao gigante Hickathrift de Norfolk(h).

Salmon conclui seu relato afirmando que ele precisa sair terminar o seu “O argumento Nisi Prius (2)  com a relação ao caso me foi dada por um velho agricultor na freguesia, que se vangloriava a si mesmo por ter nascido no mesmo ar que respirava Shonk. Ele disse, ‘Shonk era um gigante que habitava neste comarca, que lutou com um gigante de Barkway chamado Cadmus(i) e derrotou ele, e por causa disso Barkway pagou uma quantia (3)a Pelham desde então(j).  Então essa regra de Horácio (4) ainda é observada em Pelham.

“Aut scqucre famam, aut sibi convcnicntia fingc “.

(ou uso o boato, ou supunho por minha própria conveniência)

Sir Henry Chauncy (1700), além da alusão antes mencionada, não tem nada a dizer a respeito da lenda, mas apenas cita as inscrições em latim e inglês no túmulo. Cussans (1872), nosso historiador mais atual dá o o relato a seguir.

“O mais intrigante registro monumental na igreja de Pelham Brent é o sepulcro num altar dentro do recesso de arcos da parede norte, que dizem ter sido erguido por um tal de Piers Shonks, que morreu no ano de 1086. A tumba é de grande antiguidade (apesar de pouco mais antiga que 1300 e, provavelmente, mais posterior), mas foi, evidentemente, construído muitos anos depois do período que se atribui a morte do Shonks. É constituída por uma grossa laje de mármore de Petworth, na qual está esculpida em relevo uma representação emblemática da ressurreição. À frente estão São Marcos e São João, com São Mateus e São Lucas, em ambos os lados, simbolizadas na forma usual. (l)  No centro está uma cruz floral, cuja haste está entrando na boca de uma figura grotesca, ao pé da laje, o que significa o triunfo do cristianismo sobre o pecado(m). Simples e belos como estes símbolos são, eles deram órigem às tradições mais absurdas. A mais popular é que Piers Shonks (em cuja memória é dito ter sido erguido o monumento) era um poderoso caçador, e sempre era acompanhado, em suas expedições por um servo e três cães favoritos,

tão rápida de pés que eram dito serem alados, e é assim são representados no túmulo(n). Esperando a chance de um dia matar um dragão, que parecia estar sob a proteção direta de Satanás, este último declarou que iria se vingar de Shonks, e pegaria sua alma na morte, se esse fosse enterrado dentro ou fora da igreja.  Shonks, para evitar o seu destino, determinou que ele não deveria ser enterrado nem dentro nem fora do edifício sagrado, mas na parede, e sentindo-se perfeitamente seguro nessa posição, ordenou que uma representação de seu feito deveria ser gravadas em seu túmulo. Na parede do fundo da tumba é pintada esta inscrição, que dizem ter sido escrita pelo reverendo Raphael Keen, que morreu em 161 4.  Ele foi Vigário pora setenta e cinco anos e meio.”

Tantum Fama manet  Cadmi Sanctique Georgii,

Posthuma Tempus edax Ossa sepulchra vorat.

Hoc tamen, in Mura tutus qui perdidit Anguem

Invito positus, Demone, Shonkus crat.

O Piers Shonkes

Quem morreu no ano de 1086.

Nada de Cadmus, nem São Jorge, os nomes

de grande renome, não sobrevivems, mas suas famas,

O tempo foi tão cruel que não deixou nem os ossos dele,

Nem mesmo seus monumentos de pedra,

Mas Shonks uma serpente mata, para os outros desafiar,

E nesta parede, como numa fortaleza, ele jaz

É possível que o último verso possa ter dado origem ao tradição, ou o autor, o reverendo, possa ter incorporado a crença à ele.

As estórias locais variam em detalhes, como acontece normalmente.  A variante principal é que, quando Piers estava em seu leito de morte, ele pediu pelo seu arco e uma flecha, e atirou a esmo pela janela, ordenando que ele deveria ser enterrado onde a flecha caisse(5).  A flecha atravessou uma das janelas da igreja e se fixou na parede aonde está o túmulo agora.

Cerca de trinta ou quarenta anos atrás, um velho patriarca da vila dosse  a Mr. W.H.N., de Watford, que ele se lembrava ou ouviu dizer que em uma escavação que foi feita sob a parede perto do monumento, que ossos, que provavelmente eram de Shonks, foram encontradas, e por suas proporções teriam pertencido a um homem de 2,80 a 3 metros de altura.  Se estes tinha sido colocados ou não no túmulo ou não, ele não sabia.

O relato a seguir, escrito há alguns anos pelo então vigário de Brent Pelham (o Rev. W. Wigram, MA), vale a pena citar aqui. Ele diz:

“O local da casa do herói é marcada pelo fosso que antes o cercava, em uma pastagem ainda chamada de Jardim de Shonkcs acima de  Beeches  Farm. O túmulo está na parede norte da igreja e do estilo do século treze.  A cruz está direcionada como uma lança através da boca do dragão. Na folhagem da cruz há uma figura pequena, aparentemente bem ferida, o que pode representar a alma humana.  A capela-mor da igreja foi reconstruída cerca de quarenta anos atrás, e agora está em uma linha reta com a nave. A ntigamente era tão inclinada para o norte que havia uma pequena sacristia, cosntruída no espaço entre a parede norte original (que foi deixado como estava) e a linha da parede norte hoje existente, daí que a janela sul da capela-mor olhava diretamente através do arco da capela, e uma seta entrando na janela sul poderia apontar para a parede norte da nave.

Um dragão terrível habitava sob um teixo que se situava entre o que foi depois de dois campos chamados Great e Little Pepsells, e o entrada para o no caminho que atravessava eles foi feita na haste do desta árvore, quando ela foi dividida ao meio, tais árvores de extrema antiguidade. Este dragão foi morto por Shonkes e enquanto a fera morria, Satanás em pessoa  levantou-se e reinvidicou o corpo e a alma de Shonkes por matar seu dragão. O cavaleiro cristão desafiou ele, respondendo de imediato que sua alma estava sob a guarda do Céu, e que seu corpo deveria descansar onde a flecha, atirade de seu arco, deveria cair.  Ele atirou conforme disse, e a flexha entrou na janela sul da capela mor, atravessou o arco do cruzeiro e atingiu a parede norte, no lugar em que ainda repousa Shonkes(6).

“Invito Daemone.”

Desafio o Mal

Em épocas posteriores o teixo foi cortado por um camponês conhecido de meu informante. O homem começou a trabalhar na parte da manhã, mas parou na hora do almoço, e ao retornar, descobriu que a velha árvore que tinha caído, desmoronando em uma grande cavidade debaixo de suas raízes.

Que tais buracos foram encontrados em velhos teixos em outras ocasiões me foi dito. Se este foi simplesmente ampliado pelo dragão para sua própria conveniência, ou se foi cavada pelas garras da criatura não há nenhuma evidência que mostre. Eu conto a estória como foi contada para mim e aponta para a parede da capela-mor de idade e para o túmulo como provas.”

É esta  lenda de Shonks e o Dragão meramente uma história alegórica do triunfo do cristianismo sobre o paganismo, ou é uma metáfora da estória da aldeia de Hampden que suportava o pequeno tirano da vila, tal como sugerido pelo historiador Salmon? Ou era o dragão uma realidade concreta, atacando, como o tigre indiano faz, aterrorizando a  aldeia, até que um, mai valentes e inteligente que o resto, por uma estratégia supera a besta repugnante e depois é para sempre idolatrado como um herói pelos aldeões. Restos fósseis de animais extintos foram frequentemente encontrados nos poços de barro de Hertfordshire oriental, nenhum dos quais é de uma data tão recente como os séculos X ou XI. Mas a estória pode ser, como eu acho que possivelmente, muito mais antiga, que remontam, talvez, a tempos pré-históricos, mas, mais provavelmente ao período celta. A história, portanto, transmitida de pai para filho acabou se tornando ligada de forma habitual à a monumental laje, auxiliada durante os últimos dois séculos, como diz Cussans, pelo epitáfio(p).

Vale a pena notar que grandes cruzes de Malta são cortadas na aduelas de pedra do norte dos dois contrafortes no exterior do igreja, entre os quais a tumba de Shonks está situado. Eles são muito recentes e foram, eu penso, remodelados na restauração.

Para Canon Wigram e Ed. Exton Barclay sou erternamente grato pela valiosa assistência na elaboração deste trabalho.

Fonte: GERISH, W.B. A Hertfordshire St. Jorge. 1905. 

Notas do livro:

(a) Sarners era o intermediário do bispo de Londres no reinado de William I.

(b) Isso não é corroborado pelo Domesday Book.

(c) Veja o livro Chauncy´s “History of Herts,” ‘Chauncy 1700, vol. i. p. 278.

(d) Canon Wigram é um condado que pagava o dízimo a Beeches (outro condado), nada mais. Havia talvez quarenta acres de terra perto daquela fazenda

(e) ver livro   Weever. “Funeral Monuments”, p. 549

(f) ver livro Salmon. ” History of Herts”, p. 289.

(g) Veja a ilustração.

(h) “Gentleman’s Magazine” de janeiro de 1896.

(i) O Cadmus que é citado nesse4 livro, não era o gigante que vivia na cidade, mas o lendário matador de dragões fenício.

(j) Tipo de pagamento a senho feudal.

(l) Os símbolos são o leão, o anjo, o touro e a águia

(m) Veja ilustração

(n) Os quatro símbolos evangélicos, como citados acima (leão, anjo, touro, águia).

(o) essa passagem é idêntica à estória da morte de Robin Hood;

(p) Salmon diz certamente “E a fama de Shonk … poderia influenciar as pessoas a idolatrá-lo, e a lenda de que ele matou o draqgão, tornaria a coisa mais “visível”(7), e através dessa estória a fama dele seria transmitida para a posteridade.”

Notas do post:

(1) Brent Pelham é uma vila ou freguesia em Hertfordshire, Inglaterra. A aldeia é uma das cidades apelidadas de Pelhams, juntamente com Stocking Pelham e Furneaux Pelham. Perto da igreja St Mary’s há antigos casebres que poderiam acomodar até três pessoas de uma vez.[1] Um moinho de vento abandonado ainda sobrevive na aldeia.

(2) É uma expressão usada para designar os tribunais inferiores (assim chamado de “tribunais de jurisdição original”), onde o caso era ouvido pelo juiz e do júri, independentemente do local onde está sendo julgado agora. Um significado comum é “a menos que antes”.

(3) A renda paga por um homem livre por serviços, feitos a um senhor feudal.

(4) Utilizada com freqüência durante o século XIX: “as noções transmitidas através da visão seriam sedimentadas de maneira mais rápida e eficaz na memória, enquanto aquelas adquiridas por meio da audição seriam facilmente esquecidas”

(5) Essa parte do livreto me lembra o filme “Robin e Marian” com Sean Connery, de 1976. Na cena final, quando Robin está em seu leito de morte, com a também moribunda Marian, ele pede por seu arco e flecha, atira a esmo e pede a Little John para que enterre o corpo dele e de Marian aonde a flecha cair. A câmera segue a flecha, mas não mostra aonde ela cairá… Assim, segundo a lenda, foi que Robin Hood morreu, “a ele foi permitido sangrar até a morte nos braços da prioresa de Kirkless, onde, usando de suas últimas forças, ele desferiu uma flecha para determinar aonde ele deveria ser sepultado(…)

(6) A tumba de Shonkes está na igreja de St. Mary The Virgin em Brent Pelham, a tumba está lá para quem quiser ver. Não há fotos atuais sem copyright, mas se você quiser dar uma olhada clique aqui.

(7) Quer dizer, que o túmulo seria visível e que seria prova da veracidade da lenda, fazendo como que cresse e o saudasse como santo.

Links:

Animação da estória do dragão de Hertfordshire

https://casadecha.wordpress.com/2008/09/18/o-verme-de-linton/

http://en.wikipedia.org/wiki/Hertfordshire

O Coiote e a Tartaruga

Uma noite, o Bebê Tartaruga estava com muita fome então ele decidiu deixar a segurança do rio em busca de alimento.

Logo ele encontrou um cacto com frutas muito doces.

O bebê tartaruga andou sozinho, comendo e rindo.

O sol forte se levantou e começou a bater no deserto.

Quando o Bebê Tartaruga procurava por mais comida,  percebeu que estava perdido.

A tartaruguinha começou a chorar.

O coiote ouviu o choro e foi investigar.  O Bebê Coiote estava escondido debaixo de um arbusto e  rapidamente o coiote fez planos para o jantar.

“Era uma canção bonita que você estava cantando. Por favor, continue enquanto eu faço uma grande fogueira para cozinhar você”

“Eu não estava cantando. Enfim, meu casco é muito duro. Mesmo o fogo mais quente não pode penetrá-la.”

“Bem, então, eu vou levá-lo ao topo da mais alta montanha e deixá-lo cair sobre as rochas abaixo.”

“Pff! Eu já lhe disse. Meu casco é tão espesso que eu vou simplesmente quicar nas rochas e fugir.”

Coiote pensou muito sobre como botar o Bebê Tartaruga em sua barriga.

“Eu vou te levar para o rio, afogá-lo, e então eu vou te comer.”

“Oh não, por favor, me afogar no rio. Tudo menos isso!”

“Ha! Eu sabia disso.”

“Por favor, continue cantando, é muito agradável”.

“Eu não estou cantando.”

Logo ele que chegou ao rio, o Bebê Coiote jogou a tartaruga na água.

“Coiote bobo. Obrigado por me trazer para casa.”

O coiote tinha sido enganado pelo Bebê Tartaruga. Ele ficou tão irritado que ele pulou no rio, mas a corrente era tão forte que levou o coiote rio abaixo.

O Bebê Tartaruga estava seguro agora e nunca se afastou demais das das margens do rio.

fonte:

Coyote and Turtle Story

Notas:

A Estória do Coiote e da Tartaruga foi um vídeo feito por Tim F. Salinas da tribo Navajo e colocado no YouTube.com em 10 de dezembro de 2006.  Não se sabe exatamente o local onde foi gravado, mas aparentemente uma equipe do Pasadena City College fez a gravação em 2003.

Como outras histórias nativos americanos, a história do Coiote e da Tartaruga tem uma lição para o público. As crianças também podem aprender que não é sábio se desviar para longe do local onde você está seguro, e esta lição é voltada principalmente para crianças, onde se compara elas com a tartaruguinha, que também era inexperiente e acaba por afastar-se do rio. Todas as tradições orais servem a um propósito na sua cultura, e além de entretenimento, essa estórias ensinam muitas lições.

A Borboleta nas Estórias Tradicionais dos Navajos

O Garoto Chuva atingiu o Garoto Borboleta com seu machado de raio, e da cabeça aberta do Garoto Borboleta saíram todas as borboletas do mundo

Borboleta nas estórias tradicionais dos navajos

Borboleta: Devido à beleza natural de suas asas, a borboleta é muitas vezes considerada inútil. No entanto, na mitologia navajo, a borboleta é que traz a pedra sagrada para os cascos do cavalo. Na lenda da divindade, o Garoto Borboleta foi curado de sua vaidade ao ser atingida por um raio que saiu do machado do Garoto Chuva. Depois disso, sua cabeça se abriu e dela vieram todas as borboletas do mundo. O efêmero pó das asas da borboleta é visto como prova de que tal beleza não é eterna durável. Pg. 191

Lagarta: na crença Navajo, a lagarta é sagrada por causa de sua habilidade de se transformar em borboleta, o coletor do sílex sagrado. No entanto, apesar da borboleta não ser sempre confiável por causa de sua vaidade, a lagarta é simples, o caminhante de muitas pernas através da vida. Como verme, ele pode dar conselhos a seus “superiores.” Pg. 191
“The Giftt of Gila Monster, Navajo Cerimonial Tales, 1993, Gerald Hausman.

Garoto Chuva e Garoto Borboleta

Há um grande arco de pedra colorida na terras dos navajos, o qual é chamdo de Rainbow Bridge (Ponte do Arco-Íris). A fim de alcançá-lo você deve andar a cavalo durante dias através do deserto e a terras de rocha nuas e através de grandes cânions de rochas vermelhas.  Muitas pessoas não vão lá.  Em tempos antigos era a casa do Garoto Chuva, um deus muito poderoso, cuja arma era o relâmpago e que viajava tão rápido como o vento em seu arco-íris.

Um dia, há muito tempo ele teve que sair em viagem. Ele deixou a esposa e a filha em casa na Ponte do Arco Íris e disse-lhes que não importasse o que aconteceu elas não estavam a sair à luz do sol.

“Vamos obedecer-lhe, Garoto Chuva”, disseram as duas mulheres, e quando ele saiu, elas se sentaram ao lado da porta aberta e pegaram sua tecelagem.  Ambas eram habilidosas tecelãs.  Quando eles precisavam de um novo desenho elas iam olhar do lado de fora da porta até que viam uma coisa linda.  Um dia, o desenho eram de uma folha, outro dia, de um pássaro de penas adequadas às suas necessidades. Mas hoje elas não podiam ver nada que lhes agradassem.

Enquanto isso acontecia, O Garoto Borboleta Branca tinha voado de sua parte do país vindo de sua casa, em Chaco Canyon, onde jaziam as ruínas dos mortos.  O Garoto Borboleta se parecia um com um navajo, exceto que ele tinha asas. Ele possuía um outro grande poder.  Ele podia se transformar quando quisesse em uma borboleta branca.  Então, quando ele chegou a Rainbow Bridge, ele viu a bela esposa e filha do Garoto Chuva olhando para fora da porta de sua casa.

“Elas são lindas. Gostaria de falar com eles”, disse para si mesmo, mas ele tinha ouvido falar que o Garoto Chuva não permitia que elas falassem com estranhos e as proibia de deixar a casa quando ele estava fora. Então Garoto Borboleta armou um plano, ele se transformaria em uma borboleta branca e voaria baixo na soleira da porta.

“Ah, que bela criatura”, exclamou a mãe. “Que esplêndido desenho que ela vai ser para o nosso trabalho.”

“Vamos pegá-la”, disse a filha.

Mas quando elas esticaram as suas mãos, Garoto Borboleta Branca abriu suas asas e vôou para uma flor-de-cera a alguma distância da casa.  As mulheres se esqueceram a sua promessa ao Garoto Chuva e correram para fora da casa sob a luz do sol, onde perseguiram a borboleta de branco espuma, cada vez que chegavam perto o suficiente para capturá-lo, ele voava longe, mais longe da casa.  Quatro vezes ele voôu, e na quarta vez,  ele acendeu um pendão do milho de seda no jardim do Garoto Chuva.  Grandes abóboras amarela ele enrolou seus braços entre os pés de milho, e quando as mulheres correram para o jardim, as abóboras cercaram elass, e então elas não puderam sair de lá.  Então Garoto Borboleta se transformou em um homem de asas.

“Agora”, disse ele. “eu tenho vocês.  Agora vocês vão vir morar comigo em Chaco Canyon”.

Ele as levou para longe sobre o deserto e cânions até que chegaram à terra das habitações desertas.  Aqui, há muito tempo, as pessoas viveram, mas agora nada havia, somente os mortos permaneciam, e eles foram enterrados fundos sob as areias.

Então, voltando o Garoto Chuva de sua viagem, e encontrando o lugar vazio, ele procurou lá fora por pistas. Nas areias perto da casa viu pegadas de sua esposa e filha, que levavam para o jardim e entre as videiras de abóbora, onde desapareciam. Foi aqui que Garoto Borboleta Branca tinha se transformado em um homem com asas, e com a esposa de Garoto Chuva num braço, e a filha no outro, ele tinha voado de volta para sua casa, em Chaco Canyon. Depois de olhar com cuidado entre os pés de milho, Garoto Chuva enviou uma raio do relâmpago para apontar a direção que eles tomaram.  O raio caiu perto de Chaco Canyon.  Garoto Huva montou em seu arco-íris e voou pelos céus até a casa de Garoto Borboleta Branca. Lá ele encontrou sua esposa e filha, que estavam presas nas casas dos povos antigos. Garoto Chuva estava muito zangado com elas por desobedecido a ele, mas ele estava ainda mais zangado com Garoto Borboleta Branca por sua traição.

Quando Garoto Borboleta Branca chegou voando em casa à noite, Garoto Chuva disse: “eu te desafio para uma corrida. Se você ganhar, você pode ficar comr a minha esposa e filha. Se você perder, você morre.”

“Eu concordo”, disse Garoto Borboleta Branca.

“Vamos correr para o Monte Taylor”, disse Garoto Chuva. “Prepare-se. Quando eu mandar meu raio vamos começar.”

O Garoto Borboleta não tinha nada no mundo para correr, mas as próprias asas, então eles as abriu as suas asas com orgulho e lá se escondia a sua única arma que era um machado mágico que poderia matar quem o segurasse, em um sopro de ar.

Garoto Chuva decolou em seu relâmpago e desapareceu instantaneamente. Garoto Borboleta bateu suas asas tão rápido o quanto pôde, mas ia levar muito tempo até chegar ao Monte Taylor. No caminho, ele viu o Beija Flor equilibrado no ar diante de uma flor.

Não há nada no mundo que Garoto Borboleta gostasse mais do que se divertir. Sobre sua garganta estava pendurado um sino de prata minúsculo. Ele queria saber como a campainha soaria na garganta do Beija Flor enquanto ele fosse de flor em flor, assim que ele tirou o sino de sua própria garganta e jogou-o no ar. Ele caiu com um tilintar no pescoço de Beija Flor, e este é o ruído que se ouve hoje, quando o Beija Flor voa em cima de uma flor.

Logo após o atraso com o Beija Flor, Garoto Chuva chegou ao Monte Taylor.  Lá estava sentado o Garoto Chuva  na extremidade de um raio.

“Eu ganhei”, gritou Garoto Chuva. “Agora vamos correr de volta.”

“Tudo bem”, disse Garoto Borboleta cansado. Ele já estava exausto, mas ele era alegre e não desistia.  Novamente, ele abriu as lindas asas.

“Pronto?” Garoto Chuva gritou, e desta vez ele subiu aos céus em um grande arco-íris.  Garoto Borboleta se esforçou para voar, mas foi um longo caminho até chegar à sua casa em Chaco Canyon.  Lá esperava sentado o Garoto Chuva, no fim do arco-íris, e sua esposa e filha estavam esperando ao lado dele.

“Eu ganhei novamente,” disse Garoto Chuva, e levantando a cabeça, ele proclamou: “agora você vai morrer”

“Espere”, disse Garoto Borboleta. “Por favor, você não poder matar-me com meu próprio machado? Isso me deixaria muito feliz,  morrer pela lâmina que eu carrego em todas as minhas jornadas.”

Mas o Garoto Chuva sabia que o machado de Garoto Borboleta era um machado mágico. Em um sopro de ar de seu mestre ela voaria para trás e mataria o homem que segurava.

“Não”, ele disse, “eu vou matar você com meu próprio machado.” E novamente ele se levantou acima de sua cabeça. Mas Garoto Borboleta pediu quatro vezes, e pela quarta vez Garoto Chuva tirou o machado de Garoto Borboleta que estava preso no cinto e pegou o machado mágico em suas mãos. Mas ele não tinha sido enganado. Ele tinha um esquema em mente.

“Agora”, disse o esperto Garoto Chuva, “feche seus olhos.”

Tão logo Garoto Borboleta fechou suas pálpebras  Garoto Chuva mudou os machados e, segurando sua própria arma confiável ele deu um golpe mortal na cabeça de Garoto Borboleta. O crânio rachou, e Garoto Borboleta estava morto em um golpe só, e de dentro da rachadura no crânio veio uma rede de borboletas, todos com asas luminosas e encantadoras. Longe elas voaram para se espalhar sobre o céu, e é assim que as bonitas borboletas bonitas nasceram. Pgs. 65-69

Sitting on the Blue-Eyed Bear, Navajo Myths and Legends, 1975, Gerald Hausman.

Butterfly (ka’logi ‘) e mariposas são símbolos da tentação e loucura, tão desprezíveis que o seu comportamento, que agir como uma “mariposa”, significa loucura, a punição por quebrar tabus.

O herói de Mountain Chant adquiriu o poder de criar alimentos do Povo da borboleta.

Fonte:

w.twinrocks.com/legends/9-butterfly-in-navajo-traditional-stories.html

mitologia dos navajos:

http://www.terramistica.com.br/index.php?add=Artigos&file=print&sid=111

Muito obrigada ao site Twin Rocks, através de Barry,  por permitir o uso do material do site e por compartilhar a lenda