A estória da garota de queixo tatuado

olive

Olive Oatman nasceu em Illinois em 1837. Em 1850, quando ela tinha 14 anos, sua família (os pais Royce e Mary Oatman e suas sete crianças) se juntaram a uma caravana para viajar de Utah para a Califórnia. Depois de algumas confusões, a família se separou do grupo para viajar sozinha. E isso custo caro, pois no quarto dia eles foram atacados por índios que mataram todos, menos Olive e sua irmã, que foram levadas como escravas.

Porém, o irmão de Olive Lorenzo apesar de muito ferido, sobreviveu conseguindo chegar a uma vila e acabou retornando à caravana original. Ele voltou ao local do ataque e enterrou os corpos de seus familiares.

Enquanto isso, Olive e Mary Ann, após um ano na tribo, foram vendidas aos Mohaves. Nessa aldeia, elas foram melhor tratadas e inclusive se deduziu que elas foram adotadas pelo chefe. Os mohave costumavam tatuar os queixos e apesar de alguns dizerem que uma marca dos escravos, se sabe que eles faziam isso para conseguir uma “boa passagem” para o outro mundo no momento da morte.

Por volta de 1855, quando Olive tinha 19 anos, houve uma seca violenta e Mary Ann morreu de fome, juntamente com muitos mohaves. Neste momento, começaram a surgir rumores de uma mulher branca vivendo entre os índios. Um mensageiro chegou à aldeia pedindo o retorno dela, e, após intensas negociações, da qual ela fazia parte, foi acertado  que ela iria viajar para Fort Yuma. Quando ela chegou, Olive teve de trocar suas tradicionais roupas mohaves (que constitua apenas uma espécie de saia e nada mais além da cintura) por roupas de branco. Depois de alguns dias ela descobriu que seu irmão Lorenzo estava procurando por ela

Mas vale a pena dizer que ela não queria voltar, mas provavelmente, ela foi forçada a isso. Se conta que ela chorou uma noite inteira ao chegar ao forte, e é descrita como muitos como uma garota triste. Também se sabe que o chefe dos mohaves sempre disse lhe disse que ela era livre, e que eles só não a deixaram com os “brancos” antes porque tinham muito medo de represálias.

Olive tornou-se uma celebridade instantânea. Em 1857, a Royal B. Stratton escreveu o livro ”A Vida Entre os Índios”  sobre Olive e Mary Ann que se tornou-se um best-seller e com esse dinheiro ela pagou por seus estudos e o de seu irmão. Em 1865 casou-se com John B. Olive Fairchild, um pecuarista, eles adotaram uma menina. Fairchild acabou queimando todos os livros de Stratton e mandou que ela parasse suas palestras. Mais tarde, ela teria ido para Nova York para falar com um líder Mohave sobre “os velhos tempos.” Ela sempre manteve um frasco de avelãs, como uma lembrança de sua experiência. Ela morreu em 1903, com 65 anos

traduzido de: http://mashable.com/2015/02/28/olive-oatman-capture/

Para ler mais (em inglês):

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2010920/True-Grit-How-abducted-Texan-frontier-woman–abducted-aged-9–gave-birth-Comanche-Indian-commander.html

http://www.truewestmagazine.com/jcontent/history/history/history-features/2999-10-myths-about-olive-oatman

traduzido de: http://mashable.com/2015/02/28/olive-oatman-capture/

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em maio 15, 2015, em casos reais, estados unidos e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: