Arquivo da categoria: austrália

Goola-willeel, o Pombo de Topete

download

Goola-willeel, o pombo de penacho australiano

O jovem Goola-willeel costumava sair para caçar todos os dias. Sua mãe e as irmãs sempre esperavam que ele trouxesse canguru e para elas. Mas a cada dia ele chegava em casa sem qualquer caça. Perguntaram-lhe o que ele fazia no mato já que evidentemente ele não ia caçar.

Ele disse que caçava.

“Então, por que” elas perguntaram, ” que você não traz nada pra casa?

‘Eu não posso pegar e matar o que eu estou seguindo”, ele disse:” Vocês me ouviram gritar quando eu encontrava canguru ou emu: não é verdade?”

“Sim, todo dia nós ouvimos você chamar quando encontrava alguma coisa, e a cada dia que nós preparamos o fogo , esperando que você traga para casa algo que você matou, mas você não traz nada.”

“Amanhã ‘, disse ele , “você não ficarão desapontadas. Vou trazer-lhe um canguru.”

Todos os dias , em vez de caça, Goola – willeel juntava goma de acácia , e com isso ele estava esculpindo um canguru -um modelo perfeito de um, com rabo, orelhas e tudo o mais. Assim, no dia seguinte, ele veio para o acampamento levando este canguru feito de goma . Ao vê-lo chegando, e também ao ver que ele estava carregando o canguru prometido, sua mãe e irmãs disseram: “Ah , Goola – willeel falou a verdade. Ele manteve sua palavra e agora nos traz um canguru. Empilhem o fogo. Hoje à noite vamos comer carne.

Cerca de cem metros de distância do acampamento Goola-willeel largou o canguru de mentira e foi até lá sem ele. Sua mãe gritou: “Onde está o canguru que você trouxe para casa?”

“Oh , ali.” e ele apontou para onde ele o havia deixado.

As irmãs correram para pegá-lo, mas voltaram dizendo: “Onde ele está? Nós não conseguimos vê-lo.”

“Lá!”, disse ele , apontando novamente.

“Mas esta é apenas uma grande figura de goma.”

“Bem, eu disse que era algo além disso? Eu não disse que era de chiclete?”

“Não, você não disse. Você disse que era um canguru” .

“E é um canguru . Um lindo canguru que eu mesmo fiz”. e ele sorriu muito orgulho ao pensar no belo canguru que ele tinha feito.

Mas sua mãe e irmãs não sorriram. Elas o agarraram e deram-lhe uma boa surra por enganá-las . Disseram-lhe que ele nunca mais deveria caçar sozinho, pois ele só brincava em vez de caçar, embora soubesse que elas estavam morrendo de fome. Elas sempre iriam com ele no futuro.

E por isso os Goola-willeels, os pombos de penacho, sempre saem em bandos, nunca sozinhos, em busca de alimento .

A.W. Reed, Aboriginal Fábulas e Contos lendárias ( Aboriginal Library)

Fonte:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/topknot.php#.UwMzUvldWFU

Anúncios

O Goanna e Suas Listras

Novamente foi nos dias em que os animais andavam sobre duas pernas e eram em todos os sentidos iguais aos seres humanos. Havia duas tribos que viviam juntas, Mungoongali os Goannas (1) e Piggiebillah os Équidnas (2). Era uma associação desconfortável, pois seus antepassados, que vieram de terras distantes no oeste, eram de diferentes espécies. Os Goannas nasceram ladrões, enquanto os porcos eram uma tribo muito mais auto-suficientes, e eram caçadores especializados.

DSC01194

Os goanas mandaram os équidnas dormir, assaram a comida e depois queriam roubar tudo, subindo com a caça nas árvores

 

Na planície oriental para a qual as duas tribos tinham migrado, os Piggiebillahs ou équidnas ocupavam-se da caça, mas a comida dos Mungoongalis ou goanas comiam somente os favos das abelhas nativas, que eles coletavam subindo em árvores, e comida que roubavam da aldeia dos dos Porcos.

É triste relatar que suas depredações ia além disso, pegando as crianças desprotegidas dos équidnas que eram mortas e comidas em segredo.

Em certa ocasião, os goannas convidaram seus vizinhos para se juntar a eles em uma expedição de caça. Os porcos riram com desdém.

‘Vocês se tornaram especialistas na perseguição desde ontem, ou no dia anterior? eles perguntaram ‘Obrigado por sua oferta, mas vamos fazer muito melhor sem vocês. “

“Por favor, venha com a gente”, pediram. “Nós sabemos que não podemos caçar, mas enquanto vocês estiverem ocupados, vamos reunir favos de mel das árvores,” um dos équidnas mais jovens disse ao seu povo:  “isto pode funcionar. Vamos nos juntar a eles?

“Tendo em conta o fato de que somos notoriamente mal sucedidos em subir em árvores, eu acho garoto que você está mostrando mais do que sua sagacidade habitual”, o équidna mais velho observou ao jovem sarcasticamente.

Os homens das duas tribos saíram juntas. Os équidnas fizeram uma grande matança, mas no final do dia, e os goannas não haviam catado um único favo de mel. Embora fossem hábeis em escalada de árvores, eles estavam com preguiça de trabalhar sob o sol quente. Quando eles viam que estavam sendo observados, eles fingiam fazer buracos nos troncos das árvores para subir, mas tão logo os équidnas lhes davam as costas, eles se deitavam e dormiam.

“Não importa”, os goannas disseram no final do dia. ‘Favos estão escassos neste ano. Agora é hora de vocês descansarem. Vamos cozinhar a caça. Vão dormir. Vamos chamá-lo quando a comida estiver pronta.”

“A luz do fogo piscavam sobre as folhas das árvores e sobre as formas adormecidas dos équidnas. De vez em quando um deles se virava e perguntava sonolento: “A janta não está pronta ainda?”

“Ainda não. Vão dormir. Vamos acordá-los quando estiver pronta. “

1849893806_896bc15985

Os équidnas partiram pra cima deles pra recuperar a caça!

 

Quando a comida ficou pronta os goanas correram até as árvores e se esconderam nas folhagens. Um deles ficou para trás e jogou os corpos assados dos animais um por um para seus companheiros nas árvores. Mas fazendo isso ele passou muito perto do fogo, batendo contra um tronco queimado de modo que caiu sobre um sobre um équidna, que acordou com um grito. Os outros ficaram de pé e viram a comida desaparecer entre as árvores.

Um dos équidnas pegou um pedaço de lenha acesa e atacou o goana. As cinzas caíram sobre seu corpo dourado, queimando a carne e deixando um rastro de listras pretas e amarelas, que tem sido desde a coloração que distingue os goannas de outros lagartos monitores.

Não é de estranhar, portanto, que os goanas e équidnas se evitem, pois eles não tem os pensamentos mais felizes um sobre o outro.

Nota:

1) Tipo de lagarto monitor australiano;

2) Os équidnas são mamíferos que põe ovos que habitam a Austrália.

Fonte:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/goanna.php#.UjB72z8iz5k

Site da imagem do goana:

http://www.flickr.com/photos/81715383@N00/5013128806/

Uma Segunda Estória de Canguru

Uma segunda estória de Canguru

Lá longe no Kowmung e ao redor dos picos escarpados em que se encontram os grandes filões contendo a  prata de Yarranderie(1), vagavam uma tribo de negros que têm a sua própria estória do primeiro canguru.

Essas pessoas diziam que certo dia uma mulher se escondeu do marido. Esse homem era um caçador muito inteligente. Seu bumerangue infalível derrubava todos os goanna (2). Os bumerangues que ele fazia só para diversão, voavam às distâncias mais longas, e voltavam e giravam uma e outra vez por cima da cabeça do lançador antes de pousar rapidamente a seus pés, e foi o que ele fez como uma arma e, claro, não voltaria, poie era o mais pesado e mais mortal, seja na caça ou na guerra.

Ele poderia habilmente virar o porco-espinho e não erraria um pássaro se ele tentasse derrubá-lo. Portanto, a bolsa de sua esposa estava sempre cheio de caudas de goannas, com grandes porcos-espinhos,  pássaros e larvas, embora a mulher tivesse ela mesmo catado as larvas, bem como as raízes de samambaia. As larvas eram de uma bela cor branca e se encontravam em buracos de troncos podres e eram chamados de “nuttoo”.

Se diz que o primeiro canguru era uma grande besta e era capaz de comer pequenas crianças. Se uma criança caminhava para longe de seu tapete ou sua caminha de folhas sua sua mãe sempre a ameaçava com o chamado do canguru gigante.

Agora, a mulher com a sacola carregada se rebelou. Ela jogou fora o saco pesado e saiu correndo. Ela estava de pé, também, para que ninguém pudesse pegá-la.

Ao redor dessa parte do país se encontram muitas áreas pantanosas, que são densamente arborizadas com o Melaleuca Maideni (3) e foram igualmente cobertas com essas árvores nos dias distantes do primeiro canguru.

A esposa fugitiva se escondeu atrás do tronco de uma das maiores dessas árvores. Sua casca era branca, e em manchas largas, suave, irregular e com aparência de papel. E descascava em grandes pedaços.

O marido dela, muitas vezes conseguia alcançá-la e ela tinha que ser muito, muito rápida quando saia do esconderijo e começava a correr.

Dias se passaram e ela ainda não tinha sido capturado. Mas ela estava ficando cansada, e ela começou a pensar que carregar um pesado saco de carne estragada não era uma tarefa tão terrível como a ficar brincando de esconde-esconde pela vida inteira, em que ela era obrigada a fazer constantemente.

Se ela não tivesse sido uma das mulheres que tinham aprendido os segredos que apenas os homens deveriam possuir, ela nunca teria tido coragem de se rebelar. Se as coisas ficassem ainda pior ela poderia invocar a ajuda do espírito, e algo aconteceria a seu favor. Ela sabia onde o barro que era necessário para a magia podia ser encontrado. O único problema era que ela não tinha conhecimento do paradeiro de seu povo. No entanto, ela arriscou tudo, e ao escalar o lado íngreme do monte, viu fumaça de fogueira.

Ela estava muito feliz ao perceber que ele estava na direção da montanha agora chamada de “Werong” (4), escapando sob as “Rochas de Alum.” E entre ela e as Rochas de Alum havia um depósito de argila  vermelho, amarelo, e branco. E lá foi ela, e logo ela que ela marcou um local cuidadosamente, colocando ainda o algodão selvagem nas linhas da argila para ter certeza de que ela iria receber a ajuda que ela precisava.

Por essa altura já era noite, e ela dormiu.

Pela manhã os alimentos vieram para ela. A larva de nuttoo enfiou a cabeça no tronco da árvore grama, e ela não teve dificuldade em atraí-lo para fora, e, torrado, ele a larva era muito doce. O sabor da larva nuttoo, que quase sempre podem ser encontrados em acácias,  a fez querer muito mais.

É bem conhecido que um grande número de insetos muito destrutivos habitam as acácias. O eucalipto ou coolibah(5), também, é outro hospedeiro para larvas de pragas. E acácias e coolibabs crescem em abundância, pois em menos de duas horas ela tinha recolhido um saco enorme, em logo em seguida, ela procurou um lugar para fazer um outro fogo.

Este fogo foi sua ruína. A fumaça foi logo vista por seu marido. Ele era persistente e nunca deixou de observar e procurar por ela.

Com toda a sua astúcia, ele aproximou-se das pequenas espirais azuis de fumaça.

Mas a mulher não era de forma nenhuma irresponsável. Seus ouvidos estavam atentos, e ela ouviu claramente um galho se quebrando e o roçar de olhas mortas perturbando o ar. A mulher então apelou ao Espírito, batendo nos seus seios ao mesmo tempo. Entre ela e o homem rastejando furtivamente havia um toco de árvore do chá. O topo tinha sido arrancado por uma ventania e ele caira morto no chão. Ela se lançou ao tronco, e se endireitando ela apertou os braços ao redor dele, suplicando ao Espírito, ao mesmo tempo, para protegê-la e guiá-la.

O toco de árvore ganhou vida. Ele pulsava. Tinha quase se separado de suas raízes, pois havia muito tempo desde que o seus ramos tinham sido arrancados dele.

O homem viu isso muito claramente. Para ele era só um toco de árvore do chá. Os grandes pedaços de casca eram bastante visíveis para ele.

Portanto, ele não viu nada de mais. Ele foi se aproximando até que ele pudesse ver o fogo ardente e suas narinas se enchessem do cheiro da refeição a cozinhar. Não havia nenhum sinal de sua esposa.

Bem, pensou ele, não importa neste momento. Ele iria comer sua refeição e, em seguida, ele iria espionar as trilhas e segui-la.

Ele passou a poucos metros do toco do árvore de chá, e assim ele estava tão distraído de sua guarda e estava prestes a começar a refeição, quando o toco saltou. Ele lançou um olhar para a ele.  A surpresa o manteve paralisado. Lá, agarrado ao tronco, o que quer que fosse, estava sua esposa.

Ele teve um vislumbre das linhas brancas do tronco, e ele desistiu da idéia de o seguir.

Portanto, desde que o tempo é difícil dizer distinguir um canguru de um toco. Quando ele ainda está de pé no mato pode-se facilmente imaginar que é uma mulher aborígene, coberta nas costas com barro e algodão selvagems. As patas dianteiras escuras do canguru são seus braços. A  costa escura é o seu corpo. Sua cabeça escura é seu rosto. Mas sua frente desgrenhada e branca é toco da árvore.

A obsessão do canguru por bebês aborígenes,  nasceu dessa mulher fugitiva que originou o seu ser. Alguns acreditam que ele os come, mas outros negam isso, mas esse mistério nunca será desvendado.

Mesmo sem acreditar, as mães aborígenes assustam seus filhos com essa estória, dizendo que o canguru o faz.

Fonte:

 

http://www.sacred-texts.com/aus/peck/peck14.htm

Notas:

(1) http://en.wikipedia.org/wiki/Yerranderie

Yerranderrie é uma cidade fantasma localizada próximo do Kanangra-Boyd National Park de New South Wales, Australia em Wollondilly Shire.

Yerranderie era antes uma cidade mineira de aproximadamente duas mil pessoas, mas a indústria da mineração entrou em em 1927, e, desed 1959,  a cidade não teve mais acesso direto para a cidade de  Sydney pelas terras da represa de Warragamba e o lago Lake Burragorang. O posto do correio de Yerranderie abriu em 1 de novembro de 1899 e fechou em 1958.

Agora a cidade é dividida em duas partes, as adjacências residenciais próximas a uma pista de pouso e o sítio histórico um quilômetro mais a oeste. A área é cercada por relíquias e entradas de minas abandonadas. Acessada principalmente por uma estrada de terra de Oberon, New South Wales 70 km ao oeste, embora haja uma rota raramento utilizada através do Oakdale ao leste. Aviões voam ocasionalmente vindos do aeroporto de Camden . A cidade foi fundada nos arredores do Pico de Yerranderrie Peak, que são os restos de um dique vulcânica dique e a fonte da riqueza mineral da região. Yerranderrie provém de duas palavras aborígenes,  que significa encosta e topo.

(2) Tipo de lagarto monitor encontrado na Austrália. Das trinta espécie conhecidas, vinte e cinco são australianas.

http://en.wikipedia.org/wiki/Goanna

(3)

Tipo de árvore:  http://www.prowebcanada.com/taxa/displayspecies.php?&species_name=Melaleuca%20maidenii

(4) Monte localizado no Blue Mountains National Park.

http://nexttriptourism.com/blue-mountains-tourism-in-australia/

(5) É um tipo de eucalipto de zonas alagadas que é encontrado por toda a Austráilia. A árvore é comumente chamada de  coolibah or coolabah.

http://en.wikipedia.org/wiki/Eucalyptus_coolabah

 

Os Sapos Arautos

Quando Baiame deixou de viver nesta terra e voltou pelo caminho que o levava para Bullima, subindo a escada de pedra espiral até o cume do Oobi Oobi, a Montanha Sagrada, apenas os wirinuns, ou homens sábios, foram autorizados a dirigir-lhe a palavra e apenas através de seu mensageiro, Walla-guroon-bu-um.

Pois Baiame estava agora fundido à rocha de cristal onde ele sentava em Bullima, e assim também estava Birra nulu, sua esposa. A parte superior dos seus corpos permaneciam como tinham sido na terra, mas as partes inferiores estavam mergulhadas no cristal de rocha.

Somente Walla-guroon-bu-um e Beili Kunnan foram autorizados a aproximar-se deles e transmitir seus comandos para os outros.

Birra-nulu, a primeira esposa, era a criadora das inundações. Quando os riachos estavam secando e os wirinuns queriam uma inundação viesse, estes homens subiam até o topo da Oobi Oobi e aguardavam em um dos círculos de pedra a vinda de Walla-guroon-bu-um. Ouvindo o que eles queriam, ele ia e dizia a Baiame.

Baiame dizia a Birra nulu, que, se ela estivesse disposta a dar sua ajuda, ele iria enviar Kunnan-Beili aos wirinuns, dizendo para avisar lhes: “Depressa diga a tribo Bun-yun  Bun-yun para ficar pronta. A bola de sangue serão enviadas para rolar em breve. ”

Ouvindo isto, os wirinuns iriam rapidamente descer a montanha e atravessar os woggi, ou planícies, abaixo, até chegaram a Bun-yun Bun-yun, ou Rãs, uma poderosa tribo com braços fortes para arremessar e vozes incansáveis.

Esta tribo ficaram esperando, ao comando dos wirinuns, ao longo das margens de cada lado do rio seco, a partir de sua fonte a alguma distância. Eles fizeram grandes fogueiras, e colocaram essas pedras enormes para gerar calor. Quando estas pedras se aqueceram os Bun-yun Bun-yun colocaram algumas nas cascas, diante de cada homem.

Então eles ficavam na expectativa, aguardando a bola de sangue alcançá-los. Logo que vi essa bola de vermelho-sangue de tamanho fabuloso rolando na entrada para o rio, cada homem se abaixava, pegava uma pedra quente e, gritando, jogava com toda sua força contra a bola. Em tal quantidade e com toda a força eles jogavam as pedras e quebravam a bola.

De dentro corria um riacho de sangue fluindo rapidamente para o leito do rio. Cada vez mais alto e alto levantava-se o clamor dos Bun-yun Bun-yun, que carregavam pedras com eles, seguindo o fluxo do rio, que passava correndo. Eles corriam aos trancos e barrancos ao longo das margens, lançando pedras e gritando sem cessar.

Aos poucos, o fluxo de sangue, purificado pelas pedras quentes, se transformava em enchente, e os gritos dos Bun-yun Bun-yun alertava as tribos da enchente, para que eles pudessem mover os seus acampamentos para terrenos elevados antes que a água chegou até eles.

Enquanto a enchente corria, os Bun-yun Bun-yun não apravam de gritar em em voz alta. Até hoje, quando uma inundação está por vir, são ouvidas as suas vozes, e ouvindo-lhes os Daens, ou Aborígenes, dizem, “O Bun-yun Bun-yun estão chorando. A inundação deve estar chegando.” Então, “o Bun-yun Bun-yun estão chorando. Águas de inundação está aqui.”

E se a água da inundação vem grossa, vermelha e com  lama, os Daens dizem que os Bun-yun Bun-yun ou rãs-de-inundações deixaram as águas passar sem purificá-las.

Fonte:

A.W. Reed, Aboriginal Fables and Legendary Tale

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/frog.htm

Outros links:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/frog.php

A isca de sapos e o Bunyip

Abaixo do billabong  (1) tinha uma cabeça entre os juncos. E assim permaneceu sem que ninguém tenha notado. Três patos passaram. Na escuridão, não houve movimento brusco. Duas mãos saltaram e agarraram suas pernas, puxando os patos para o lago e torcendo o pescoço de modo tão rápido e silencioso que o terceiro pato afastou sem saber o que tinha acontecido com os outros.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

O homem sapo se levantou, tremendo um pouco por causa da brisa fresca da noite. Amarrou os patos seu cinto e estava prestes a ir para a terra, onde sua esposa estava esperando por ele, quando ele viu um vulto enorme e cinza sair do pântano. Era um Bunyip (2), o monstro terrível dos pântano e billabongues.

O rapaz não desperdiçou o fôlego gritando. Ele nadou na água rasa numa pressa frenética em direção à margem. Sua esposa também tinha visto o Bunyip.

“Dê-me os patos”, ela disse assim que ele se aproximou.

Ele os entregou a ela, jogando-se na areia, ofegante.

“Não há tempo para esperar aqui”, disse ela. “O monstro está se aproximando.”

“Espere até eu recuperar o fôlego”, ele suspirou.

“Vamos”, ela pediu a ele. “O Bunyip vai nos pegar se você não se apressar.”

Ela puxou ele pelos pés, mas assim que ela o fez o  Bunyip esticou o braço longo, e suas garras fecharam no corpo dela. O marido a agarrou pelo braço e tentou salvá-la, mas o Bunyip a levantou, a enfiou debaixo do braço, e desapareceu na escuridão.

O homem estava desesperado. Ele mergulhou na água e nadou entre os juncos, mas se fechavam atrás do monstro, sem deixar vestígios de sua passagem.

Assim como que a  manhã luziu o homem rã reuniu um fornecimento de pequenas criaturas que eram o seu totem e as amarrou a uma longa vara que ele prendeu na lama.  Elas choravam e grasnavam miseravelmente, agitando os braços e as pernas em uma luta para libertar-se.

“Isso vai atrair o Bunyip,” pensou o homem rã.  Ele estava agachado entre as canas, com sua lança de guerra ao lado dele, pronto para enfiá-la no Bunyip assim que ele aparecesse.  As horas passavam lentamente. A única coisa que ele conseguia ver era as pernas das rãs se contorcendo. A luz enfraqueceu e lá pelo meio da noite, o coaxar dos sapos ficaram mais fracos. Pela manhã, eles estavam todos mortos. Cabisbaixo, ele os desamarrou, pegoui um pouco mais, e os amarrou ao poste. O ar estava cheio com o doce murmúrio dos sons, ele foi para seu acampamento para dormir.

O Bunyip saiu da água, com o olho ferido e foi em direção às árvores. A mulher o acompanhava, apesar do marido gritar para ela parar. Isso porque ela estava sob o encantamento da criatura, e não tinha vontade própria.

Quando ele voltou naquela noite os sapos foram embora, e a vara estava jogada ao lado dos juncos. Com esperança renovada, ele pegou um fornecimento adicional, erguido o poste mais uma vez, amarrou os sapos no lugar, e sentou-se para esperar.

Manhã após manhã, o homem colocava iscas de rã em sua armadilha, mas nada de avistar o Bunyip. Mas só quando ele não conseguia manter os olhos abertos pela falta de sono que elas foram pegas.  Mas por fim a sua paciência foi recompensada. Era de manhã cedo. O jovem marido estava prestes a terminar sua vigília solitária, quando se uma grande forma separou os véus de neblina, e o Bunyip estendeu suas garras para tirar as rãs.  Atrás dele, a jovem seguiu com os olhos distante, sujo e despenteado, com os cabelos espalhados pelo seu rosto.

“Fique longe,” o marido gritou, e atirou sua lança contra o monstro. Ele mergulhou na carne macia de modo que somente a extremidade do cabo estava mostrando. O Bunyip gemeu e jogou os sapos no sua agressor. Um deles atingiu o homem rã no olho, cegando-o por um momento. Ele ainda tinha a sua vara de arremesso. Ele atirou-a Bunyip, e teve a satisfação de vê-la acertar em um dos olhos do Bunyip é. A criatura contorceu-se de dor, e nadou de volta de onde veio.

“Vem comigo mulher,” o homem rã implorou. “Você estará segura comigo.

Para seu espanto, a jovem não deu atenção, mas seguiu o Bunyip na neblina. O marido correu atrás dela. Não havia como esconder a trilha agora. Com apenas um olho, o Bunyip escorregou e caiu, se levantou e cambaleou, deixando um rastro de vegetação esmagada por trás dele. A mulher acompanhou de perto, nos seus calcanhares, pois o Bunyip tinha lançado um feitiço sobre ela, o que a deixou ligada a ele.

Eles chegaram ao outro lado da lagoa. O Bunyip saiu da água e começou a subir em uma árvore de goma. Ele chegou ao topo, sentado em um galho, e olhou para baixo para o homem rã com seu único olho maligno. A jovem estava no pé da árvore, como se petrificada.

“Você está segura agora”, disse o marido, segurando seus braços. “Venha comigo e vamos voltar ao nosso acampamento.

Ela colocou os braços ao redor dele, mas não conseguia mover os pés, que pareciam ter congelado no chão.

Ele deu um passo em direção a ela, e de repente parou. Ele tinha entrado no círculo do poder que unia a sua esposa ao Bunyip, e ele foi incapaz de se mover.

Os corpos petrificados do homem rã e a sua mulher ficoaram como tocos de árvores finos. O dia se tornou noite, noite se tornou dia, tempestades varreram o Billabong, a água subiu e caiu com a mudança das estações, mas ainda assim o cenário ainda era o mesmo na árvoren. Os corpos petrificados do homem rã e a sua esposa  ficaram como tocos finos de árvores, com braços estendidos para o outro no desejo de se alcançarem, enquanto acima deles, permanecia o olho único do Bunyip encarando-os do meio das folhas da árvore.

Depois veio uma grande tempestade que derrubou a árvore de goma. O olho ficou onde estava, mas o encanto foi quebrado e, finalmente, o casal foi reunido. Seus descendentes nunca  mais tocaram os sapos.  Eles os deixarams como alimento para o bunyips de modo que os monstros do pântano, não iria molestá-los.

E onde o rio Murray agora flui, o aborígenes dizem que a lua é o olho do Bunyip que uma vez roubou a esposa de um homem rã de sua tribo.

Fontes:

http://www.skepdic.com/bunyips.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://en.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/frog_bunyip.htm

http://www.yowiehunters.com/index.php?option=com_content&task=view&id=904&Itemid=69

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/frog_bunyip.php

http://en.wikipedia.org/wiki/Billabong

http://pt.fantasia.wikia.com/wiki/Bunyip

http://medievallegends.blogspot.com/2011/03/bunyip.html

http://www.flickr.com/photos/37996586683@N01/2727152714

http://www.pacificschoolgames.edu.au/

Notas:

(1)

Billabong é uma palavra do inglês da Austrália que significa lago, especificamente um lago oxbow (lago em forma de cana de boi), um seção de água parada adjacente a um rio, cortada por uma mudança de curso da água. Os billabongs são geralmente formados quando o curso de um riacho ou rio muda, formando um beco sem saída.  Billabongs, refletem o clima árido australiano onde esses “rios mortos” são encontrados, cheio em uma estação do ano e seco nas demais.

(2)

O bunyip é um espírito ou criatura lendária do folclore aborígene australiano. Bunyips assombrar rios, brejos, riachos e billabongues. Seu principal objetivo na vida é para causar terror comendo pessoas ou animais na sua vizinhança. Eles são famosos por seus berros aterrorizantes e gritos nturnos e é conhecido por assustar os aborígines ao ponto onde não deixar eles se aproximar de qualquer fonte de água onde um bunyip podem estar esperando para devorá-los.

Há muitos relatos de colonos brancos que viram Bunyips, assim como cryptologistas, que ainda estão procurando por essas criaturas. Eles podem ter alguma dificuldade em localizar um dessa criaturas, pois as tribos aborígenes dão as mais variadas descrições dela. Alguns dizem que o bunyip parece uma cobra enorme, com uma barba e uma juba, outros dizem que parece uma enorme criatura humanóide e peluda, com um pescoço longo e uma cabeça como a de um pássaro. No entanto, a maioria dos australianos consideram a existência do bunyip como lenda. Alguns cientistas acreditam que o bunyip era um animal real, o diprotodon , extinto há 20 mil anos, e que talvez ainda existisse na época dos colonizadores, assustando os primeiros colonos.

De acordo com Oodgeroo Noonuccal (Kath Walker) em Stradbroke Dreamtime , o bunyip é uma punição ou espírito mau do “Tempo de Sonhar” – Dreamtime aborígene. Hoje, o bunyip aparece principalmente na literatura australiana para as crianças e é mencionado em comerciais de televisão.

Peixe-lua

As irmãs nadaram através do canal que divide a ilha do continente e pularam na costa rochosa.  Não era uma ilha grande, mas muitas árvores cresciam lá e havia um amplo campo verde que tinha um pequeno lago onde a água brilhava com as cores mutantes de uma opala.

“Este é um bom lugar para ficar “, uma das mulheres disse. “Eu gostaria de viver aqui para sempre. Apenas pense, nenhum bebê para alimentar, sem comida para cozinhar, com água para beber aos nossos pés , a grama crescendo na terra quente, e árvores de sombra para abrigar -nos do sol. ”

” E ninguém nos incomodar “, respondeu a irmã , jogando-se sobre o tapete gramado e alongado-se preguiçosamente. ” Maravilhoso! Mas não podemos viver aqui para sempre. ”

“Por que não ?”‘

“Por que não ? Não seja boba.  Nós perderíamos os homens depois de um tempo . Não seria realmente excitante , não é? ”

“Emoção ! Quem quer emoção o tempo todo? Muito melhor descansar e comer, dormir e brincar , sempre que nos apetecer.”

“Mas e sobre a comida ? Do que poderíamos viver? ”

“Raízes, crustáceos e larvas. Provavelmente há inhames em algum lugar, e deve haver raízes de lírio-da-água no lago … ”

Ela sentou-se e apontou animadamente , “… e os peixes ! Olhe ! ”

A parte traseira arredondada de um grande peixe emergiu da água e sumiu de vista. A mulher levantou-se e correu à beira do lago para um lugar onde uma pedra se penduravaa sobre a água.  Deitou-se de bruços, os dedos de uma mão segurando a borda da rocha.  Na outra mão ela segurava uma lança, apontada para baixo, pronta para atacar.  O peixe nadou tranquilo abaixo da rocha.  Houve uma agitação na água, quando a lança brilhou à luz do sol e perfurou seu corpo.

” Rápido, irmã, venha e me ajude !”

“Eles pularam no lago , pegou o peixe moribundo em suas mãos, e o jogaram na margem. “Há! Bradou a mulher que o tinha acertado. “Eu disse que havia abundância de alimentos . É tão fácil como foi com esse. Você pode pegar uma grande pilha de lenha , enquanto eu vou encontrar um lugar para fazer um forno. ‘

Brevemente o fogo crepitou alegremente, elogo a areia e as pedras estavam quentes o suficiente para assar o peixe.

” Não está cheirando bem ?”‘

“Sim, talvez, ” a outro disse com tristeza, ” mas o peixe não é bom sozinho. Precisamos de raízes e todos os tipos de vegetais.”

“Mas que mulher chata que você é … nunca satisfeita com nada. Eu te digo que esta ilha tem tudo o que queremos . Leve a sua pazinha e veja o que você pode encontrar por lá. Eu vou em outra direção. Você verá, logo teremos tanto quanto nós pudermos comer.  Não se esqueça de levar a sua sacola com você. Você vai precisar. ”

Muito tempo depois elas voltaram, seus sacos bem cheios,  com água na boca pensando no banqueta que teriam.  Elas caminharam na direção de onde a coluna de fumaça se erguia preguiçosamente no ar da noite ainda, lá chegando, olharam para o fogo com espanto.  As pedras brilhavam com o calor, mas o peixe tinha ido embora.

“Olha !”


O peixe subiu e subiu e foi até o céu. E as duas mulheres, lá embaixo, esperando...

O peixe estava a meio caminho do tronco,  subindo gradualmente para cima. A mulher que tinha pegado ele, subiu o ramo mais baixo e começou a escalar a árvore, mas a irmã se agarrou a irmã e disse: ” Não seja tola. Você pode cair e ferir-se.  Onde o peixe pode ir? Quando ele atingir os ramos menores na parte superior ele provavelmente cairá,  e podemos colocá-lo no fogo. ”

Elas viram o peixe diminuir,  à medida que avançava o seu caminho até o tronco.  O topo da árvore balançava e pra cá,  à medida que o peixe ia atingindo os galhos mais altos, mas o peixe não parou.  Flutuou para cima , onde o manto negro da noite e as estrelas cintilantes velavam o céu azul. E então o peixe  inchou até que ele ficou perfeitamente redondo.  Sua pele era de prata e brilhante com uma luz constante. As mulheres o vigiaram por horas até que ele se afastou e afundou-se por trás das colinas do continente.

Duas mulheres intrigadas ficaram perto do fogo naquela noite. Quando amanheceu, elas cozinharam os legumes que elas tinham pegado, e assaram os berbigões (1) na brasa. Eles mal podiam esperar a noite para ver se o peixes apareceria no céu . O sol se pôs , e eles sabiam que o peixe estava vindo muito antes de o ver, porque havia uma luminosidade no céu oriental. Levantou-se devagar e majestosamente,  mas estava um pouco menor do que ele era quando subiu na árvore e fugiu da Terra.  Não estava redondo, mas um pouco achatado , como se tivesse sido deitado de lado .

Toda noite o céu estava claro. Todas as noites, o peixe fez a sua longa viagem de leste a oeste . Toda noite ele ficava menores até que, depois de muitas noites,  era apenas uma fina, curva tira de luz … e então ele se foi, e tudo estava escuro. A ilha não parecia mais um lugar agradável. Logo que amanheceu, as irmãs nadaram de volta para sua própria casa , para os maridos que tinham abandonado, e para o trabalho incessante que é a sorte de quem ter filhos.

Havia noites em que o peixe aparecia novamente no leste. Toda noite , ele ficava maior, até que ficava perfeitamente redondo. Então, algo começava a comê-lo,  mas ele crescia mais uma vez, e diminuia , e crescia, como tem sido feito desde então.

Notas:

(1) É o nome que se dá a diversas espécies de bivalves: Cerastoderma edule, Trachycardium muricatum e Trachycardium muricatum.

Fonte:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/fish_moon.php

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/fish_moon.htm

Águia-pescadora e Pássaro-lira

Águia Pescadora usou veneno para pescar. Mas o Pássaro Lira levou todos os peixes...

O lago estava escuro e ainda sob a sombra das árvores. Águia pescadora estava tão retinha quanto o lago, deitado de costas com as pernas esticadas, e dormindo profundamente.  Ele passou a manhã  esmagando bagas venenosas. Quando ele terminou, ele derramou o suco na piscina e foi dormir, sabendo que quando ele acordasse os peixes estariam mortos e flutuando na superfície. Ele sorriu enquanto dormia e sonhava com a grande refeição que ele logo teria.

Ele não acordou nem mesmo quando o Pássaro Lira saiu do mato e começou a espetar os peixes. O veneno não tinha tido tempo para fazer efeito, mas logo o recém-chegado já tinha uma boa oferta de comida. Ele acendeu um fogo e começou a assá-los.  Águia Pescadora acordou com um susto e percebeu que o Pássaro Lira tinha deliberadamente se aproveitado dele.  Ele foi pela retarguarda dele, calmamente recolheu as lanças que Pássaro Lira tinha colocado ao seu lado, e retirou-se para o seu abrigo das árvores.  Ele escolheu a árvore mais alta que ele pode encontrar, subiu ao topo, e atou as lanças ao tronco.  De volta no chão, ele olhou para cima e admirou o seu trabalho.  As lanças pareciam um monte de penas no topo da árvore. Ele se escondeu debaixo de um arbusto e esperou para ver o que iria acontecer.

Pássaro Lira fez uma refeição descontraída e depois estendeu a mão para recolher suas lanças. Seus dedos tatearam e não conseguiu encontrá-las.  Ele procurou por toda parte com uma expressão perplexa, mas não havia nenhum outro lugar onde ele poderia ter as deixada.  Águia Pescadora riu silenciosamente enquanto ele olhava de seu esconderijo e o viu correr voltas e voltas ao redor do lago, olhando para todos os lugares pelas lanças desaparecidas.  Foi até mais engraçado quando ele começou a falar sozinho.

“Alguém esteve aqui enquanto eu estava cozinhando os peixes”, disse em voz alta Pássaro Lira. “Quem poderia ser? O que ele faria com eles? Ele poderia tê-los enterrado, mas não há nenhum sinal de pertubação do solo.  Ele poderia ter fugido com eles, é claro, mas eu veria as marcas fuga pela floresta.  E ele poderia escondê-los em uma árvore. ”

Ele caminhava pela mata, olhando para cima e para baixo das árvores, até que ele viu as lanças agitando na brisa. Pássaro Lira era um homem que não acreditava no trabalho se não houvesse uma maneira mais fácil de fazer as coisas.  Ele convocou os espíritos da água, dos córregos e inundações, e ao seu comando a água do lago subiu rapidamente e o levou até o topo da árvore, onde ele recuperou as lanças, afundando-se no chão quando a água recuou.

Pobre Águia Pescadora foi pego na enchente e varrido para o mar. Ele nunca foi capaz de voltar ao seu lago tranquilo de novo, e agora vive na costa do mar.

Pássaro Lira nunca esqueceu a sua experiência naquele dia. Onde quer que vá, ele procura pelas suas lanças na copa das árvores.

http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1ssaro-lira_soberba

http://en.wikipedia.org/wiki/Fish_hawk

http://www.girafamania.com.br/americano/brasil_fauna_gavioes.htm

O Primeiro Homem

Baiame, o Pai Celestial. Ele desceu dos céus, criando terra, floresta e rios, e finalmente a humanidade. Depois ensinou leis e regras de convivência, criando também o primeiro local sagrado para os rituais de inciação.

Um dia Baiame resolveu viajar através da terra que ele havia criado, e estava solitário pois não havia ninguém para conversar. Ele juntou terra vermelha em suas mãos e a moldou na forma de seres humanos. Dois homens ele fez, e então só havia terra bastante para fazer uma única mulher.

Isso significava problemas, mas Baiame não conhecia suficiente a respeito dos filhos de sua criação para perceber isso. Ele morou um tempo com eles, ensinando-lhes quais plantas eram boas para comer, como cavar raízes da  terra, e onde encontar as melhores larvas “.

“Com isto, e a água para beber, vocês podem viver, e suas barrigas nunca estão vazias. “disse. Depois que ele os deixou, e retornou para sua casa no céu. Por algum tempo as três pessoas viveram felizes juntas, mas depois de um tempo, veio uma seca longa e severa. As plantas murcharam, as raízes estavam difíceis de encontrar, e as larvas parecia ter desaparecido.

“Temos de encontrar algo para comer, ou vamos morrer de fome “, disse a mulher.

“Mas não há nada.”

“Há animais. Nós deve caçá-los e, em seguida haverá carne para comer e sangue para beber. ”

O homem olhou-a consternado. “O Pai Espírito não nos deu permissão para matar os animais que ele fez”, eles se opuseram.

“Mas ele também não disse que não podíamos matá-los”, respondeu ela. “Tenho certeza que ele espera que nós pensemos por nós mesmos.” Um dos homens se convenceu. Ele espreitou um pequeni canguru pequeno e o matou com uma pedra afiada.

“Agora o que vamos fazer?” ele perguntou.

“Vou mostrar a vocês,” disse a mulher. Ela cavou um buraco raso e queimou madeira nele até que um montão de brasas incandescentes e pedras quentes aparecesse no fundo. Ela chamuscou a pele do canguru e assou a carne.

“Aqui estamos nós”, disse ela. “Vamos encher a barriga com a boa comida que Baiame nos deu”.  O caçador se agachou ao lado dela, e afundou os dentes na carne semi-cozida. “É boa!” disse o homem, seus olhos acesos em aprovação. “Venha saborear o novo alimento,” disse ele ao seu companheiro.

O outro homem afastou-se. ‘Este não é o que Baiame nos ensinou. Uma coisa terrível vai acontecer, porque vocês fizeram isso. Eu prefiro passar fome do que comer um dos filhos do Baiaime.”

Grande foi a comoção da árvore ao ser atingida pelo corpo, que as raízes saíram da terra e a arvore flutuou para os céus, carregando o homem e o espírito do mal.

Nada do que eles pudesse dizer o faria mudar de idéia. O cheiro de carne assada o enjôou e ele correu pela planície. Os outros seguiram-no à distância. Ele estava fraco, com fome e acabou caindo no pé de um eucalipto(1)  e tombou imóvel.

Os outros olharam para ele com espanto que passou a ser medo quando um espírito escuro com os olhos piscando deslizou dos galhos da árvore. Ele pegou o corpo de seu amigo e atirou-o de tal modo que ele caiu no tronco de uma árvore oca. Então surgiu atrás do corpo. Duas cacatuas brancas, perturbadas pelos movimentos do espírito do mal, gritaram e voaram em círculos.

A árvore gemeu, o solo se perturbou tanto que as raízes foram empurradas para fora da terra. Ela se levantou no ar, seguida pelo cacatuas, e sumiu no espaço infinito do céu. A escuridão caiu, e nada podia ser visto, além dos pontinhos brancos que eram as cacatuas, e quatro olhos de fogo que brilhavam fora do tronco oco. Eles eram os olhos de seu amigo e do espírito do mal.

A árvore se perdeu de vista, mas os quatro pontos de luz, que eram os olhos do homem e do espírito maligno, e as asas brancas das cacatuas ficaram no  céu. Os olhos permaneceram dentro da árvore de eucalipto que é conhecida como Yaraan-do, e tornaram-se as estrelas da constelação do Cruzeiro do Sul, enquanto o cacatuas brancas, que lhe seguiram, são Alfa e Beta Centauri(1)(3).

Fonte:

A.W. Reed, Aboriginal Fables and Legendary Tales

Links:

http://www.astro.wisc.edu/~dolan/constellations/extra/Centaurus.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Alfa_Centauri

http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Centauri

http://pt.wikipedia.org/wiki/Centaurus

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/first_man.php

Notas:

(1) No original white gum tree, ou seja, uma espécie de eucalipto, que na Austrália são chamadas de árvores de goma. Essa espécie é a Eucalyptus alba que tem folhas largas e flores creme, sendo encontrada ao nordeste do país.

(2) Beta Centauri (também conhecida como Hadar) é uma gigante azul de aproximadamente 4,000 anos.  As duas estrelas, Alfa e Beta, parecem dois olhos. Elas são chamadas “estrelas indicadoras” porque elas apontam para o Cruzeiro do Sul ao oeste. Alguns aborígenes australianos as chama de “Os Dois Homens Que Antes Foram Leões”. Outros as chamam de gêmeos que criaram o mundo.

(3) De acordo com o site Earthsong, a lenda diz respeito à santidade da vida animal e o advento da morte no mundo. Baiame criou o homem e mulher para viver de plantas, e quando um dos homens matou um canguru para comer, provocou o medo do outro, que correu para longe. Ele caiu morto e apareceu Yowi, O Espírito da Morte, que saiu da árvore e tragou o corpo, assustando duas cacatuas que tinham o ninho ali. A árvore ascendeu ao ceú. As duas cacatuas até hoje tentam retornar ao seu ninho na árvore, que agora é o Cruzeiro do Sul, por isso Alfa e Beta Centauri (que são as duas cacatuas) estão apontando ou indo em direção ao Cruzeiro. Elas são um aviso para não comer o fruto proibido

De acordo com alguns relatos aborígenes, Yowi ou Yowie, ou ainda ´Yahoo‘, significa tanto “demônio”, “espírito maligno” ou “espírito do mal”. Se desconfia que o nome Yahoo vem do livro de Jonathan Swift, “Viagens de Gulliver” (1726), onde se menciona uma raça aborígene chamada Yahoos. Provavelmente os colonizadores europeus resolveram aplicar o nome à lendaria criatura, parecida com o Yeti, que diziam existir na Austrália.. O termo “Yowie” começou a ser aplicado na década de 1970, aparentemente por causa da palavra aborígene ‘Youree‘, or ‘Yowrie‘, que se supõe ser o termo legítimo para homem-monstro peludo.

O primeiro chama-alma

clipped from www.reefed.edu.au
http://www.reefed.edu.au/__data/assets/image/0006/17169/bull_roarers.jpg
blog it

Enquanto os irmãos Byama estavam caçando eles deixaram seus filhos, que  tinham ambos chamados Weerooimbrall, sobre um pequeno planalto cercado por grandes rochas.  Eles achavam que os meninos estariam seguros neste lugar protegido, mas eles não tinham pensando em Thoorkook e seus cães.

Eles tinham ofendido Thoorkook algum tempo antes, e enfim a chance da vingança chegou.  Ele tinha visto os dois irmãos subindo o morro atrás de seu acampamento, acompanhado de seus filhos, e os viu sair do platô sem eles. Seus cães através do matagal e subiram o morro, e quando Thoorkook conseguiu subir a plataforma rochosa, achou os cães lutand pelos restos dos dois corpos mutilados.

Durante toda a noite se cantava tristemente no acampamento Byama pois os parentes dos meninos choravam a sua perda.  Ao amanhecer os pais estavam com a intenção de vingar-se,  mas nada podia aliviar a dor das duas mães. Passaram o dia trabalhando em silêncio com as lágrimas rolando de suas bochechas e entre os assobios do fogo a cozinhar.

Quando chegou a noite seus gritos irromperam novamente.  Elas vagavam longe do acampamento. Os outros membros da tribo estremeceram e correram para dentro de suas cabanas(1), tapando seus ouvidos para não ouvir seus lamentos.  Noite após noite continuou até que finalmente as mulheres foram transformadas em maçaricos, cujo choro continuará através das longas noites até o fim dos tempos.

“Nós perdemos nossos filhos”, o mais velho dos Byama disse, “e agora nossas mulheres também se foram.  Nós não seremos mais homens, se não matarmos Thoorkook e seus cães. ”

“É verdade”, concordou seu irmão “, mas Thoorkook é um homem mau e seus cães nos rasgarão em pedaços, se nós entrarmos em seu acampamento.

“Muitos cães, muito medo, meu irmão. Um cão, um pouco de medo. ”

O mais jovem compreendeu. “Mas como?” ele perguntou.

“Eu vou te mostrar.”

Ele amarrou uma pele enrolada em seu cinto e começou o lento ritmo da dança do canguru. Ele gritou e murmurou  feitiços, e gradualmente seus braços enrugados, suas pernas ficaram grossas e fortes, e a pele enrolou-se transformando-se em uma cauda. O homem tinha ido embora e em seu lugar ficou um canguru. O mais jovem dos Byama imaginou o que seu irmão ia fazer, mas seguiu seu exemplo e, de repente dois grandes cangurus pularam para o acampamento de Thoorkook.

Os cães os farejaram e foram rosnando para eles, esforçando-se para alcançá-los. Os cangurus fugiram com os cachorros em sua perseguição. Um deles, mais forte e mais rápido que os outros, tenho bem à frente do resto do bando.  Quando estava perto de seus calcanhares os cangurus pararam e balançaram seus rabos batendo em sua cabeça que foi esmagada virando uma pasta.  Os outros cães quase os alcançaram quando eles acabaram.  Eles correram mais uma vez, até que outro cão tomou a liderança.

Durante todo o dia seguinte, os irmãos canguru rodearam a planície, esperando até que um único cão chegasse perto o suficiente para eles para dar cabo dele.  Até ao final do dia todos os cães foram mortos. Os irmãos voltaram à forma humana, eles seguiram para o campo do assassino de seus filhos, e o mataram bem lentamente.  O espírito Thoorkook alçou e se tornou um mopoke (2) solitário.

A vergonha da morte dos dois Weerooimbralls acabou, mas o assassinato de Thoorkook não poderia devolver a vida dos meninos, nem trazer de volta as esposas maçarico, e os irmãos se tornaram homens solitários.

Um dia o mais jovem Byama estava usando o seu machado para tirar uma larva de uma fenda no tronco de uma árvore, quando de repente ele corta um grande pedaço de casca. A casca foi arremessada pelo ar, girando tão rapidamente que ele fez um som peculiar. O irmão mais velho se voltou.

“É a voz de meu filho!” ele sussurrou. Ele escondeu o seu entusiasmo.

“Não há nenhuma caça aqui”, disse a seu irmão. “Você vai lá e eu vou na direção oposta. Nos reuniremos no acampamento esta noite. ”

Assim que o jovem Byama estava fora de vista, ele caiu de joelhos e examinou a lasca, girando-a em suas mãos, se perguntando como ele poderia fazê-lo girar no ar como tinha feito quando ela tinha saltado do tronco da árvore. Jogou-o várias vezes, mas ele caiu no chão sem fazer barulho. Ele pegou sua faca, cortou um pequeno orifício na extremidade da lasca, atando um longo pedaço de corda que ele tirou de sua bolsa, e girou ela em volta de sua cabeça. Novamente a voz suave de Weerooim-brall foi ouvida.

Levando seu machado de pedra com ele, Byama voltou para a árvore e cortou um pedaço muito maior de madeira fina. Ele a esculpiu na mesma forma que o pedaço de casca de árvore, fez um buraco no final,  amarrou um cordão forte, e  girou ao redor de sua cabeça.

O jovem Byama estava a caminho de casa, sobrecarregado com a captura do dia. Ele correu até seu irmão. “Eu ouvi a voz de meu filho Weerooimbrall! , gritou ele.

“Ele não está aqui. Você sabe que ele está morto. ”

“Mas eu o ouvi. Sua voz era alta e clara. ”

“Como foi isto?” O mais velho Byama balançou o pedaço fino de madeira na extremidade do cabo. Ele girou e girou e chorou como uma voz humana.

“O que é isso?”  O jovem Byama perguntou confuso. “O que você está fazendo? É o meu filho falando e me chamando! ”

“Não, irmão, não é seu filho. Não é meu filho. Mas seus espíritos vivem nesse pedaço de madeira, gritando para nós com suas próprias vozes.

E assim o primeiro chama-alma foi feito. Foi uma coisa sagrada que preservou os espíritos dos meninos que tinham sido mortos por Thoorkook. Isso nunca foi mostrado para mulheres. Eles só precisavam ser colocado em uma corda para trazer as vozes dos meninos para a vida.

Como o passar dos anos entrou em ritos de iniciação dos jovens, que foram informados de que os espíritos dos Weerooimbralls estavam presentes neles, compartilhando experiências de masculinidade com eles, protegendo-os do mal, e fortalecendo-os no seu calvário.

Mais sobre o bullroarer:

http://jonasfeliz.blogspot.com/2009/06/bullroarer-chama-alma-ou-berra-boi.html

Notas:

1) No original wurley, um tipo de cabana aborígene.

2) . Também chamado de ruru na Nova Zelândia é uma coruja pequena, Ninox novaeseelandiae. Na Austrália o “urutau”(3) marron, Podargus strigoides, é muitas vezes chamado de mopoke.

2. Gíria australiana e neo-zelandesa para pessoa lenta ou lúgubre, também chamado de morepork (imitação do pio do pássaro).
3) Nota dentro da nota: como não achei tradução melhor, decide nomear o passário de urutau, porque na verdade ele usa o mesmo recurso de mimetização dele.

fontes:

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/bullroarer.htm

Links interessantes:

http://jonasfeliz.blogspot.com/2009/06/bullroarer-chama-alma-ou-berra-boi.html

http://www.uq.edu.au/aerc/index.html?page=40650

www.pt.wikipedia.org/wiki/Urutau

http://en.wikipedia.org/wiki/Bullroarer_%28music%29

http://www.paultaylor.ws/news.html

Como o Équidna Ganhou Seus Espinhos

Ele antes havia sido um homem como outros, mas foi castigado pela tribo por cometer um crime contra os de sua própria raça. Équidna foto de Reilly (Flickr)

Piggiebillah, o équidna, foi um homem antes de ser o que é. Quando ficou velho, tão velho que todos os seus amigos tinham morrido, ele foi viver com os homens que tinham sido meninos quando era de meia-idade. Eles eram todos fortes e incansáveis, e capazes de caçar durante todo dia sob o  sol escaldante, e para percorrer longas distâncias em busca de alimento, mas Piggiebillah era velho demais para assumir o seu papel no suprimento de comida para a tribo.

Ninguém lhe dava nada para comer, e era surpreendente que ele continuasse saudável.  À medida que envelhecia, ele parecia mais bem nutrido do que qualquer outro.  Na verdade, era tão surpreendente que algumas das pessoas começaram a suspeitar e mantiveram uma estreita vigilância sobre ele. Depois de algum tempo eles descobriram algo que Piggiebillah manteve em segredo durante anos.

Quando ele deixou o campo em uma manhã, ele foi seguido e viu-se que ele se dirigia para uma rocha a alguma distância do acampamento, e se escondia em sua sombra.  Ficaram observando ele por detrás dos arbustos, imaginando o que ele estava esperando.  Eles logo descobriram.  Uma jovem veio ao longo do caminho.  Piggiebillah saltou sobre ela, e antes que alguém pudesse se mover ou dar uma mensagem de advertência, ele mergulhou a sua lança em seu corpo.  O velho arrastou-a para fora da trilha,  comeu seus membros, e escondeu o resto de seu corpo fora comer mais tarde.

O desaparecimento de muitas pessoas de sua tribo e de visitantes que eram esperados e nunca chegaram, foi finalmente explicada.  Uma reunião secreta foi realizada e foi decidido por unanimidade que Piggiebillah devia ser morto. Ele era tão ativo, apesar de sua grande idade, que tinha de ser pego de surpresa.

Eles esperaram até que houvesse uma noite escura, sem lua. O velho estava deitado em uma certa distância do fogo.  Os homens se reuniram em silêncio ao redor dele.  Ele estava dormindo de costas com sua boca fechada para evitar o seu espírito vagueasse.  Ele moveu-se no sono, e murmurou: “Eu ouço as borboletas batendo na grama.”

Enquanto ele sonhava com borboletas, os homens espetaram as suas lanças em seu corpo. Piggiebillah gemeu enquanto eles batiam nele com seus tacapes.  Osso após osso em seu corpo, braços e pernas foram quebrados e,  enfim o terrível canibal ficou imóvel.

A esposa dele bateu na própria cabeça e o sangue que escorreu tingiu o peito dela de vemelho. Ela fugiu para longe transformada em um pássaro. Robin Red Breat foto de circulating.

Sua esposa olhou aterrorizada.  Ela bateu a cabeça com a sua pá (1) até que o sangue correu sobre o peito.  O nome dela era Guineeboo, e quando ela fugiu de lá tornou-se Guineeboo, o Pisco-de-Peito-Ruivo australiano.

Os homens se ajuntaram ao redor do fogo, rindo e conversando sobre a sua fácil vitória.  Mas Piggiebillah não estava morto.  Ele arrastou-se penosamente nas sombras mais profundas até que chegou à toca da aranha armadeira gigante, Muggai Murga.  Ele caiu no buraco, e ficou no fundo até que seus ferimentos foram curados.

A única coisa que ele não podia fazer era tirar as lanças do seu corpo, nem consertar os ossos quebrados dos seus membros.  Ninguém reconheceu Piggiebillah quando ele saiu à luz do dia novamente.  Ele se arrastou de quatro, com as pernas quebradas espalmadas para fora, e as lanças eram uma floresta eriçada nas costas.  Para se alimentar ele teve de cavar com as mãos, e teve de ser contentar com  formigas e outros insetos e restos de comida.

Piggiebillah tinha se transformado em um équidna, o pequeno animal que cava para comer formigas, porque ele não podia comer outros alimentos, e fazia tocas subterrâneas para escapar de seus inimigos.

A.W. Reed. Aboriginal Fables and Legendary Tales.

Fonte:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/echidna_spines.php

(1) Traduzi como pá, no texto seria digging stick, ou literalmente pauzinho de cavar. Usado para cavar raízes, como inhame.