Arquivo da categoria: filmes

O fantasma de Errol Flynn

Flynn em Capitão Blood

Errol Flynn foi uma lenda em Hollywood e mesmo que os mais jovens não lembrem dele, o primeiro filme que ele estreou nos EUA, Capitão Blood, se tornou uma referência eterna para filmes de pirata. Digamos que, muito antes do pirata cínico e divertido de Johhny Depp, já existia Peter Blood, o avô de todos eles… Belo, língua afiada, corajoso, divertido e derretendo corações à esquerda, à direita e ao centro dos cinemas…

Flynn foi a escolha de Jack Warner para viver o papel de Peter Blood, no clássico Capitão Blood. Ele era uma aposta arriscada, principalmente porque não tinha experiência… Mas Warner disse do  ator: “… Ele era todos os heróis em um só pacote, magnífico, sexy e animal” .. Ele tinha um jeito canalha e com um brilho irresistível em seu olhar.  Errol Flynn era o que toda mulher queria e o que todo homem almejava ser.

Do anonimato ele foi para a fama instantânea e se tornou o astro em Hollywood.  Para comemorar sua boa sorte, Flynn projetou sua casa dos sonhos – “um teatro” – como ele chamou. Ele comprou onze acres em Hollywood Hills, e construiu uma casa de campo. Uma casa misteriosa, cheia de passagens secretas, espelhos que permitiam bisbilhotar as mulheres e com  janelas de vista panorâmica da cidade abaixo. Além disso tinha uma piscina com um fundo preto, e que causava medo em algumas pessoas…

Flynn viveu uma boa vida por muitos anos em Mullholland. Em 1957, ainda não divorciado da terceira esposa, Patrice Wymore,  Flynn de 48 anos de idade, começou a ter um caso com Beverly Aadland, de 15 anos. E pasmem, a mãe de Beverly, Florence também frequentava a casa, e passava muitas noite por lá.

Errol viveu uma vida agitada, entregue a mulheres, bebidas e drogas. Suas festas selvagens eram conhecidas por todos em Hollywood. Isso cobrou um preço caro a ele. Fisicamente,  sua beleza se esvaiu depressa e ele envelheceu precocemente. Financeiramente, ele faliu.  Ele perdeu sua casa em 1959, e morreu numa festa que estava dando no iate que tinha acabado de vender. Segundo se conta, o legista que examinou  corpo disse que aquele parecia o corpo de um velho de 80 anos. Mas como ele mesmo disse um dia, “o público não quer me ver coimo um cara tranquilo…”

Mas vamos ao fantasma,  Ricky Nelson um famoso cantor,  comprou a propriedade de Flynn do artista Stuart Hamblin, o outro único proprietário.  Rick e sua esposa, a atriz Chris Nelson mudaram-se para a casa com seus quatro filhos apenas 18 anos depois da morte de Flynn.

“A casa era uma casa de fazenda de dois andares.”, disse a filha Tracy. “A porta da frente estava em um lugar onde não deveria estar por isso nunca usei e por isso nunca eu realmente senti que a casa tinha um coração, tinha um centro. Eu normalmente só entrava e ia direto para o meu quarto.

“Meu quarto era onde costumava ser o quarto de Beverly Aadland e lá sempre sentia esse cheiro de perfume barato. Todos os tipos de coisas estranhas me perseguiam: a porta do chuveiro abria e fechava no meio da noite, coisas caiam sem nenhum motivo “O fantasma em meu quarto era feminino… Aadland ou a mãe estavam lá.  Instintivamente, Tracy sentiu que era uma presença antiga e cínica.  Poderiam ser essas presenças algumas das inúmeras mulheres que lynn tinha amado e abandonado?  Quem ou o que estava lá, seus amigos sentiam isso também. “Quando eu estava indo para a escola, as meninas faziam festas do pijama, mas ninguém queria ficar na minha casa. Tinha uma energia estranha  na casa. ”

O casal Rick e Chris Nelson era atormentado por problemas – com o seu casamento, com suas carreiras e com drogas. No início dos anos 80, Chris saiu de casa com o filho mais novo, mas  Tracy permaneceu com seu pai.

“Uma noite, cheguei em casa do trabalho. Estava escuro. Eu olhei para a sala de jantar e a luz estava acesa e havia um homem parado lá.Pensei que papai estava em casa, subi para o quarto e chamei-o sem resposta. Notei que o carro não estava. Então o telefone tocou e era meu pai dizendo que  ele estaria em casa amanhã. ”

Tracy disse-lhe que ela tinha acabado de ver e Rick respondeu: “Oh isso é só Errol”.

Rick Nelson adorava viver na casa de Errol Flynn e ele não ligava para a presença do espírito, ele dizia que sentia uma forte afinidade com o espírito de Flynn e talvez Flynn sentisse também.

No dia seguinte, Tracy chegou do trabalho quando ainda estava claro. Ela foi direto para seu quarto, mas depois de alguns minutos, ouviu um barulho do andar de baixo. Parecia que alguém tinha quebrado algo.

“Meu pai tinha uma sala cheia de seus discos de ouro e prêmios, todos pendurados nas paredes. Parecia que quem estava lá estava quebrando todos os discos de ouro e outras coisas do papai e eu lembro de ter pensado, ‘Oh meu Deus, quebre tudo, menos isso. ”

“Eu me escondi no armário e esperei o barulho parar. Era muito alto, a casa estava tremendo. Parecia que as pessoas estavam jogando coisas contra as paredes, quebrando cadeiras e vidros. O sol finalmente se pôs. O barulho cessou e pensei que seria finalmente seguro para descer. ”

Tracy esperava encontrar o lugar em ruínas, mas não havia nenhum vidro ou móveis quebradoa. Em vez disso, todas as luzes haviam sido ligadas. Dois gatos de estimação estavam no quarto de Rick e a porta tinha sido trancada por dentro. Nada mais na casa tinha sido tocado. Tracy decidiu se mudar.

Pouco tempo depois que ela se mudou para, Rick e sua namorada ligaram para ela. “A coisa mais estranha aconteceu”, disseram-lhe. “Nós estávamos lá embaixo e ouvimos todo esse barulho vindo do seu quarto. Pensávamos que estávamos sendo assaltados. As coisas estavam caindo e quebrando. Nós chamamos a polícia, corremos  para fora e esperamos por eles. Quando eles chegaram aqui “, o casal continuou,” subiram para investigar. Sua porta estava trancada por dentro. “Quando abriu, eles descobriram que todas as luzes da sala havia ligadas, mas nada tinha sido tocado.’

Rick Nelson viveu na casa por mais dois anos, até sua morte em um acidente de avião em 1985. Tracy lembra que o espírito da casa mudou radicalmente depois disso. “Foi divertido antes, mas depois que meu pai morreu, ela se tornou malévolo. Meus irmãos e eu pudemos literalmente sentir quando a presença de meu pai se foi, a presença se tornou  feia e assustadora na casa. O meu (agora) ex-marido sempre teve dificuldade em acreditar em fantasma. Depois que papai morreu, estávamos removendo alguns móveis e ele saiu e se recusou a voltar para dentro da casa. Ele me disse: “Alguma coisa está naquela casa e eu não quero nem estar perto daquele lugar. ”

Richard Dreyfuss, colega de Tracy em Down and Out in Beverly Hills, pensou em comprar a casa, mas Tracy advertiu-o a desistir. “É uma casa ruim e ela tem algo ruim nela.”

Mulholland ficou vazia após a morte de Rick Nelson. Durante esse tempo, a escuridão pareceu envolver completamente o lugar. Uma gangue invadiu a casa e assassinou uma jovem na sala de estar. Em seguida, um misterioso incêndio queimou metade da casa.

“Eu tentei saber mais sobre isso. Havia um monte de coisas realmente malucas acontecendo em termos de uso de drogas na casa quando eu estava crescendo. Acredito que tudo isso cria o caos energético – Eu não sei mais do que chamá-lo. Então, era um lugar maluco de viver de qualquer maneira.

“Todas as mulheres do lado da minha mãe são muito psíquicas:  a minha avó, minha mãe, eu mesma. Desde que eu era criança, eu sempre fui muito aberto à possibilidade de fantasmas, porque eu sempre os senti. Nunca vi nada, mas pudia senti-los. Tudo o que posso dizer é que era definitivamente mal-assombrada. ”

Tracy tem uma teoria sobre os dois episódios em que as coisas pareciam se quebrar. Talvez Flynn ou a  mulher cínica estavam tentando alertar Rick de tragédia iminente. Quando as advertências falharam e Rick foi morto aos 45 anos – precocemente, como Errol – o espírito tornou-se negro. “A morte de meu pai foi uma coisa tão catastrófica para a família … talvez aquilo tivesse sido um aviso … talvez fosse … quem sabe?”

A casa foi demolida anos atrás e a área dividida em lotes separados, mas Tracy ainda tem pesadelos com ela o tempo todo. “É tudo tão real nos sonhos … mas meu irmão me deu alguns bons conselhos. Ele me disse, ‘Tracy, o único lugar que a casa existe agora está em nossas mentes.

fonte:

http://www.lauriejacobson.com/hollywood_haunted_ex.php

Outros links:

Filme completo (em inglês):

http://www.dailymotion.com/video/x1vb5po_captain-blood-1935-full-movie_shortfilms

http://www.youtube.com/watch?v=YGQSBd7mSw8

http://fan.tcm.com/_The-Ghost-of-Errol-Flynn-Please-read-this-its-actually-a-good-story/blog/2519802/66470.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Errol_Flynn

Krull

“O amor é fugaz, o poder é eterno.”

Já ouviu falar do filme “Krull” ? Tem coisas básicas que você precisa pra ver esse filme: primeiro, ter vivido a década de 80;  segundo, ser fã de filmes de fantasia ou de contos-de-fadas, lendas e equivalentes, ou quem sabe, você pode ser um curioso e querer dar uma espiada.

O filme é de 1983, e na época recebeu críticas muito boas. Hoje, se você pergutnar ao Mr. Google, vai ver só críticas negativas. O interessante é que analisando bem, esse críticos tem mais de 40 e foram jovens na década de 80, mesmo assim insistem em dizer que o filme é uma porcaria. Fico pensando, acho que deve ser uma tentativa de negar que viveu naquela época. Esqueçam eles.

O filme apresenta um dos elementos básicos dos contos de fadas, “a jornada interior”, que é a jornada do herói, onde no final ele terá conquistado/aprendido alguma coisa. Tudo começa com um conflito, algo faz com que ele saia de seu conforto ou terra antal para procurar por essa coisa/pessoa, isso porque um ogro, madrasta, mágico do mal ou afins foi até onde o herói/heroína estava e causou algum grande mal. Agora ele vai ter de viajar, talvez com alguns amigos ou uma companhia e achar o que precisa. Haverá uma luta de morte, onde o monstro ou vilão será derrotado e haverá a celebração.

Esse é o mote do filme. Uma terra está sendo ameaçada pelos slayers, que são monstros vindos de algum lugar do espaço. Então dois reis rivais resolvem casar seus filhos. Por quê? Há uma profecia que diz algo a respeito desse casamento, que é essencial para a derrota do monstro. Profecias também são coisas básicas de lendas.

Só que no dia do casamento, a princesa Lyssa (Lysette Anthony) é raptada pelo monstro e o princípe Colwyn (Ken Marshall) tem de resgatá-la. Para isso irá contar com a ajuda de velho aventureiro, ladrões, um mago, um cíclope. Eles devem chegar até a Fortaleza Negra de algum modo. No caminho, agregam um mago (que na aparência lembra o Merlin) para ajudá-los só que… Não posso contar a estória toda. Não é?

A trilha sonora do filme é uma atração à parte, e realmente dá o clima que o filme precisa.

No final, nossa estória terá o final feliz.

E emprestando a opinião de alguém de outro blog, onde mais você vai encontrar uma fortaleza que muda de lugar como mágica, garanhões que correm como o vento e deixam rastros de fogo e uma arma que não nem espada, nem uma arma, mas um bumerangue? Somente em Krull…

Curiosidades:

Lysette Anthony é filha dos atores Michael Anthony Bernadette Milnes. Ela era a segunda esposa dele, e seu pai tinha 53 anos quando ela nasceu. Quando ela tinha dez anos, os pais muito preocupados com a beleza dela, que chamava demais a atenção, resolveram mandar a menina para um convento.

O ainda jovem Liam Neesonestá no filme, como Kegan um dos mercenários do filme.
O personagem Rhun é interpretado por Robert Coltrane, mais conhecido altualmente pelo seu personagem Rúbeo Hagrid na série Harry Potter,

Hoje, o ator que faz o princípe Colwyn, Ken Marshal, tem sessenta anos, ele não tem trabalhado tanto. Seu último papel foi na série The District, com garçom nos episódios “Jack Back” e “Ella Mae”.

Locações: as locações montanhas Dolomite na Itália, Lanzarote, Espanha e estúdios Pinewood na Inglaterra,

Black Park Country Park, Wexham, Buckinghamshire, na Inglaterra

Li em um blog, totalmente preconceituoso, que a única coisa realmente boa do filme foi fazer a Austrália ser conhecida pelo resto do mundo, porque antes disso, ninguém sabia o que era Austrália (!)… E além disso, ainda disse o bumerangue serviu de inspiração para se criar o glaive, até ai tudo bem… Mas depois fala que o bumerangue foi criado pelos aborígenes australianos que não tinha nada melhor para fazer na vida!!!

Abaixo, o ator Ken Marshal em dois momentos:

clipped from www.fandango.com
Ken Marshall Picture
blog it

E Em “Deep Space Nine”

clipped from ds9.trekcore.com
blog it

Links:

Nick Maley fala sobre a produção do filme Krull

Critica Legal sobre o filme no site Arco do Velho

http://www.youtube.com/watch?v=cVQ7Kst1vP4&feature=player_embedded

http://oballer.wordpress.com/2011/02/02/krull-movie-review/#comment-1629

http://filmcriticsunited.com/krull.html

http://www.theindependentcritic.com/krull

Lysette Anthony

http://www.youtube.com/watch?v=dcnYTc7BqYs&feature=related

Cena do filme “Tilt” com Brooke Shields and Ken Marshall

Elementos dos Contos de Fadas

Krull: O Filme – Review

http://filmesqueninguemselembra.blogspot.com/2008/01/krull-1983.html

http://www.epinions.com/review/mvie_mu-1011727/content_64376770180

O mistério de Everett Ruess

clipped from www2.tbo.com
blog it

No filme “Na Natureza Selvagem”, conta-se a estória de Christopher McCandless. Ele era um rapaz que se achava insastisfeito com tudo e procurou na natureza, um sentido para sua vida, morrendo no Alasca aos 24 anos. Mas, antes dele houve outro sonhador romântico que também procurava por um sentido na solidão selvagem. Ele era Everet Ruess, um artista e explorador americano. Ele nasceu em 28 de março de 1914 em Los Angeles, California,  filho de um pastor e uma dona de casa. Sua família se mudava constantemente e ainda criança, ele esculpia em carvão e barro e desenhava.

Ao se formar na escola secundária, em Hollywood, ele percebeu que não era isso que queria pra sua vida. Aparentemente, ele encontrou consolo de sua tristeza na vasta solidão dos Estados Unidose passou a viajar muito, invariavelmente sozinho. Ele cruzava o país de uma ponta a outra, a pé, mandando cartas apaixonadas para sua família, e amigos, narrando suas aventuras e descrevendo a beleza natural dos caniôns de Colorado. Ele tinha uma admiração muito grande pela região de Monument Valley e  Escalante area, e desenhou muitas paisagens em madeira.

Ele morava na Califórnia durante os meses de inverno e foi amigo de Edward Weston, Ansel Adams, Dorothea Lange, e do pintor Maynard Dixon.  Todos viram que ele muito talentoso e o encorajaram a seguir carreira.

No outono de 1934, com a idade de 20 anos, Ruess viajou para Escalante no sudete de Utah. Ele pretendia ir para o sul do Arizona para passar  inverno, porém em fevereiro de 1935 seu burrico foi encontrado em Davis Gulch. Seu último acampamento provavelmente foi em Cottonwood Canyon. O corpo dele nunca foi encontrado.

Mas segundo a lenda, sua morte foi testemunhada por um jovem navajo chamado, Aneth Nez, que depois de 37 anos disse a sua neta, Daisy Johnson, o que ele testemunhou. Ele estava em Comb Ridge perto da fronteira de Utah com  Arizona quando viu três índios Utes assassinando um jovem branco e levando suas mulas.  Ele pediu a sua enta para levá-lo até o local onde ele tinha enterrado o corpo numa fenda.  Ele precisava pegar uma mecha do cabelo para fazer uma cerimônia de cura.

Testes de DNA concluíram que os restos era dele, entretanto em junho de 2009, o arqueólogo Kevin Jones, verificou que os restos do crânio não correspondiam ao registros dentários de Ruess. Novos testes conduzidos pel Instituto de Patologia das Forças Armadas mostraram que os restos não eram dele, e família de Ruess teve de aceitar os novos resultados.

Seu desaparecimento continua ummistério, e apesar dele não ser considerado um suicida, ele sempre se mostrou muito desconfortável entre os homens, preferindo estar sozinho, vagando. Segundo o pai, ele escreveu a palavra “Nemo” em uma caverna e uma casa Moqui – ele vivia com uma mulher navajo… E essa palavra sempre assombrou o pai dele, pois ele pensava que o significado dela talvez o ajudasse a entender o que aconteceu… Era um jovem sonhador, talvez com um futuro brilhante como escritor, mas algo no destino dele dizia que o caminho dele não seria muito longo…

blog it

Ruess, devia ser uma espécie de espírito livre, pois mesmo amando a vida, ele também não sentia medo de morrer… Ele talvez procurasse por alguém para partilhar esses seus anseios, como ele mesmo falou, mas segundo ele, ele nunca achou ninguém que se interessasse por ele. Ele queria alguém para partilhar, alguém que lhe segurasse a mão e estivesse com ele, mas ele não achava que alguém que no mundo fosse capaz de o aconselhar e às vezes, ele tinha medo dele mesmo. E penso que nem sua própria mãe o entendia, porque muito do que ele escreveu foi apagado por ela, e nunca saberemos de tudo que ele realmente deixou para a posteridade.

Ele é lembrado por seu espírito aventureiro e por seus escritos, tais como: “Há uma esplêndida liberdade na solidão, e depois de tudo, é pela solidão que eu vou para as montanhas e desertos, e não para a civilização. Na solidão, eu posso desnudar a minha alma para as ousadas montanhas. Eu posso trabalhar ou pensar, agir ou reclinar pela minha vontade, e nada se interpõe entre mim e a Natureza.”

http://www.media.utah.edu/UHE/r/RUESS,EVERETT.html

http://www.footnote.com/page/93442123_everett_ruess/

http://www.angelfire.com/sk/syukhtun/everett.html

http://www.nationalgeographic.com/adventure/9904/story.html

http://articles.latimes.com/2009/may/02/science/sci-ruess2

http://adventure.nationalgeographic.com/2009/04/everett-ruess/david-roberts-text

http://en.wikipedia.org/wiki/Everett_Ruess

http://pt.wikipedia.org/wiki/Christopher_McCandless

O Gato Vampiro

Blackcat-Lilith. Encontrada ainda filhote no estacionamento de um supermercado.

O Príncipe de Hizen, um distinto membro da família Nabeshima, permaneceu no jardim com Otoyo, a favorita entre as suas concunbinas. Quando o sol se pôs se retiraram para o palácio, mas não conseguiram perceber que eles estavam sendo seguidos por um grande gato(1).

Otoyo foi para seu quarto e dormiu. À meia-noite, ela acordou e olhou sobre ela, como se de repente percebesse alguma presença horrível no quarto.  Finalmente viu, agachado bem ao seu lado, um gato gigante, e antes que ela pudesse gritar por ajuda o animal pulou em cima dela e a estrangulou.  O animal, em seguida, fez um buraco sob a varanda, enterrando o cadáver, e assumiu a forma da bela Otoyo.

O príncipe, que não sabia nada do que havia acontecido, continuou a ficar com a falsa Otoyo, sem saber que na realidade ele estava acariciando um animal imundo.  Ele percebeu,  pouco a pouco, que sua força falhava,  e não demorou muito para que ele se tornou perigosamente doente.  Médicos foram chamados, mas nada podiam fazer para curar o paciente real. Foi observado que ele sofria mais durante a noite, e era perturbado por sonhos horríveis.  Sendo assim, seus conselheiros dispostos de uma centena de servos deveriam sentar-se com o seu senhor e vigiar enquanto ele dormia.

O grupo foi então para a enfermaria, mas um pouco antes das dez horas,  foram acometidos de uma misteriosa sonolência. Quando todos os homens estavam dormindo a falso Otoyo se arrastou para o apartamento e perturbou o príncipe até o amanhecer.  Noite após noite os observadores vinham para guardar o seu mestre, mas sempre dormiam na mesma hora, e mesmo três conselheiros fiéis tiveram uma experiência semelhante.

Durante este tempo o estado do príncipe se agravou, e finalmente um sacerdote chamado Ruiten foi nomeado para orar em seu nome. Uma noite, enquanto ele estava envolvido em suas súplicas, ele ouviu um barulho estranho vindo do jardim. A o olhar pela janela, viu um jovem soldado se lavando.  Quando ele tinha terminou, ele se dirigiu até uma imagem de Buda, e se ajoelhando, orou  fervorosamente para a recuperação do príncipe.

Ruiten, feliz de encontrar tal zelo e  lealdade, convidou o jovem a entrar em sua casa, e quando ele entrou,  perguntou seu nome.

“Eu sou Ito Soda”, disse o jovem “, e sirvo na infantaria de Nabeshima. Ouvi da doença de meu senhor e esperava para ter a honra de cuidar dele, mas sendo de baixo escalão, não posso estar em sua presença.  Tenho, porém, orado ao Buda para que a vida de meu senhor seja poupado. Acredito que o Prince de Hizen está enfeitiçado, e se eu pudesse ficar com ele eu faria meu melhor para encontrar e destruir o poder maléfico que é a causa de sua doença. ”

Ruiten estava tão positivamente impressionado com estas palavras que ele foi no dia seguinte se consultar com um dos conselheiros, e após muita discussão, ficou acertado que Ito Soda deve vigiar com as centenas de observadores.

Quando Ito Soda entrou no apartamento real, viu que seu mestre dormia no meio da sala, e ele também observou os cem observadores sentados na câmara conversando tranquilamente, na esperança de que eles seriam capazes de afastar a sonolência que se aproximava. Por volta das dez horas todos eles, apesar de seus esforços, tinham adormecido.

Ito Soda tentou manter os olhos abertos mas o peso das pálpebras foi gradualmente superando-o, e ele percebeu que se quisesse manter acordado ele teria de recorrer a medidas extremas. Após espalhar cuidadosamente papel de seda sobre as esteiras que ele enfiou a adaga em sua coxa.  A dor aguda que sentiu repeliu o sono por um tempo, mas ele acabou fechando os olhos mais uma vez.  Decidido a superar a magia que se revelou demasiada para os servos, torceu a faca na coxa e, consequentemente, aumentou a dor e manteve a sua vigília leal, enquanto o sangue escorria continuamente sobre o  papel.

Enquanto Ito Soda observava, ele viu as portas corrediças abrindo-se e uma linda mulher deslizando suavemente para dentro do cômodo.  Com um sorriso ela notou os servos dormindo, e estava prestes a abordar o príncipe quando ela observou Ito Soda.  Depois que ela lhe falou rispidamente,  ela se aproximou do príncipe e perguntou como ele estava,  mas o príncipe estava muito doente para lhe responder.  Ito Soda prestou atenção a cada movimento,  e acreditava que ela tentava enfeitiçar o príncipe, mas ela sempre era frustrado em seu propósito ruim por cauda dos olhos atentos de Ito Soda, e finalmente ela foi obrigada a se retirar.

Pela manhã os servos acordaram, e ficaram cheios de vergonha quando eles perceberam que  Ito Soda manteve seu vigília. Os altos conselheiros elogiaram a lealdade e o espírito empreendedor do jovem soldado, e ele foi ordenado a manter sua observação novamente naquela noite.  Ele fez isso, e mais uma vez a falsa Otoyo entrou na enfermaria e, como na noite anterior, ela foi obrigada a recuar, sem ser capaz de lançar um feitiço sobre o príncipe.

Foi descoberto que sempre que o fiel Soda mantinha guarda, o príncipe era capaz de obter um repouso tranquilo, e, além disso, ele começou a ficar melhor, poius a falsa Otoyo, tendo sido frustrada em duas ocasiões, já estava afastada por completo, e o guarda não era mais afetado pelo sono misterioso.  Soda, impressionado com essas circunstâncias estranhas, foi até um dos conselheiros e informou que a chamada Otoyo era um duende de alguma espécie.

Naquela noite Soda planejou ir ao quarto da criatura e tentar matá-la, organizando que, no caso, ela dela escapar deveria haver oito servos do lado de fora esperando para capturá-la e a despachando de imediato.

À hora marcada Soda foi ao apartamento da criatura, fingindo que tinha uma mensagem do príncipe.

“Qual é a mensagem?”  perguntou a mulher.

“Por favor, leia esta carta”,  respondeu Soda,  e com estas palavras ele sacou sua adaga e tentou matá-la.

A falsa Otoyo pegou uma alabarda e tentou atacar seu adversário. Golpe seguido de golpe, mas finalmente perceber que fugir iria servi-la melhor do que lutar, ela jogou fora sua arma, e em um momento a bela donzela se transformou em um gato e saltou para o telhado.  Os oito homens esperavam lá fora em caso de emergência para atirar no animal, mas a criatura conseguiu enganá-los.

O gato correu a toda velocidade para as montanhas, e causou problemas entre as pessoas que viviam nas redondezas, mas foi morto durante uma caçada ordenada pelo príncipe de Hizen.

O príncipe ficou bom novamente, e Ito Soda recebeu a honra e recompensa que ele tanto merecia.

* Fonte: F. Davis Hadland, mitos e lendas do Japão. (London: Harrap GG and Company, 1913).

* Esta lenda é também registrada na AB Mitford, Contos do Japão Antigo (London: Macmillan and Co., 1871), v. 2.

Nota:

(1) A idéia de um gato sugando a energia vital de um ser humano foi contado no filme “Olhos de Gato” de 1985. Três estórias de suspense se desenrolam, enquanto um gato “passa” por elas, tentando chegar a sua casa. No caso,  o filme desenvolve a idéia de que gatos são seres sinistros e que podem sugar a energia vital de seres humanos, enquanto eles dormem, principalmente de criancinhas. Porém, até o momento não achei muita referência a essa lenda de que gatos sugam a “vida” de humanos, com exceção é claro, desse conto japonês.

Sites:

http://siteantigo.bocadoinferno.com/artigos/olhosdegato.html

http://pio.tripod.com/magicpaw/catmyths.html

Fantasmas alemães da Segunda Guerra

Um post meio sem jeito hoje, mas que tive a idéia ao ler sobre um filme que está em produção, “Panzer 88″, onde soldados alemães, durante a Segunda Guerra, encontram algo realmente macabro nas florestas russas!… Para quem curte o mix de sobrenatural e Segunda Guerra, também vale dar uma conferida em “The Bunker” . onde sete soldados ficam abrigados numa casamata e acabam descobrindo que lá eles não estão tão seguros quanto esperavam e que alguma coisas podem ser piores que metralhadoras e fuzis…

Todo o lugar onde ocorreram massacres, mortes, segundo se conta, são locais onde se costuma ver aparições, fantasmas e afins… E claro, locais onde algo de ruim aconteceu durante a Segunda Guerra não são diferentes! É só verificar as inúmeras estórias de fantasmas, incluindo de aviões, vistos em antigas bases aéreas usadas nessa época.

Então só pra terminar a semana, traduzi alguns “causos” que encontrei nesse site e espero pelo filme!

Babenhausen – museu da caserna Babenhausen – luzes apagando e acendendo sozinhas, vozes no porão. No campo de treinamento aparecem fantasmas de  soldados. Na área destinado aos barracões do quartel se ouvem passos mas ninguém é visto, e muitas vezes se atende o telefone e uma voz de mulher é ouvida – falando ao contrário! Além disso, as descargas dos banheiros funcionam sozinhas.  Dizem que em 1800 uma bruxa foi enforcada no local e que em nas primeiras décadas do século 20, ela voltou e seduziu cinco sodados. Eles desapareceram, por isso se diz que elas os matou.

Cölbe – rua Lückenstrasse (Lückenstrasse) – estranhos ruídos como passos podem ser na casa nº 8, pois uma senhora que morava lá morreu.

Campo de concentração de Dachau. Aparecem estranhas figuras em vermelho e preto quando se tira fotos na área externa perto dos barracões, mesmo perto de câmaras de gás nunca usadas.  Não há problemas em fotos tiradas em outros locais do campos, somente ali.

Dresden – várias ruas – estórias de lamentos e gritos na área que costumava ser um hospital e onde muitas crianças e mulheres morreram durante a segunda guerra.

O anfiteatro nazista de Heidelberg, onde se acredita que há aparição de fantasmas. Segundo os populares, é um lugar com uma "aura" muito pesada, que chega a dar arrepios em que o visita. Foto pot Cory Wendorf.

Heidelberg – Torre das Bruxas/Anfiteatro nazista – dizem que é um local de convergência de energia espiritual, perto do rio Neckar até o castelo Heidelberg Castle. Este local tem um magnetismo espiritual desde o tempo dos celtas. Há muitas ruínas celtas, ruínas de um monastério romano (600 depois de Cristo) em um anfiteatro nazista construídos nos anos 30 para o recrutamento da juventude nazista.  Estórias falam de aparições e lamúrias e de tudo um pouco. Pessoas contam de estranhas sensações elétricas em noites sem lua e a vontade de correr de lá, depressa!

Keansburg – castelo de Kranzberg Castle – aparições, esferas, e todo o tipo de coisas estranhas tem sido visto e fotografada ali. Lá foi usado comoo quartel da 92ª divisão de Hitler, durante a Segunda Guerra.

Kaiserslautern – Caserna Panzer Kaserne – passos pesados, passos na escada e papel sendo rasgando podem ser ouvido nas salas durante a noite quando as luzes se apagam.  Um sentimento de terror e frio habitam esse local que antes era usado como escritório, especialmente no terceiro andar.

Scwheinfurt Quartel Conn – – lugar de um antigo hospital nazistal, no setor psiquiátrico da cidade e que também era um refeitório de uma fábrica nazista. Hoje serve como quartel para soldados do exército americano. Em duas ocasiões diferentes,  duas pessoas que não se conheciam, dormiram nesse quatro e tiveram o mesmo sonho assustador. Os soldados estavam acordados em suas camas, num quarto local acima de outro quarto que naquela época era o local onde estocavam o corpo antes de embalsamar. No quarto apareceu um soldado nazista, olhando para eles e fazendo comentários a uma enfermeira ao seu lado, com o uniforme coberto de sangue.  Ela tem uma aparência muito triste. O soldado ordena que ela faça algo, mas não se entende porque ele fala em alemão. Logo em seguida, ela sufoca o soldado que acordo do sonho. Este dois soldados nunca se encontraram antes.

Worms – quartel Taukkunen  – foi um quartel americano durante a guerra fria. Hoje em dia é um propriedade privada. Se localiza na rua Mainzer Strasse.  Foi construído no século 19 e usado pelo exército alemão durante a segunda guerra. Tem uma série de túneis e bunkers, mas foram lacrados.  Aparentemente é assombrados por soldados alemães da segunda guerra. Eles fazem festas no local e fazem um bocado de barulho.

Tradução e fonte:

http://theshadowlands.net/places/germany.htm

Mais links:

http://www.bloody-disgusting.com/interview/624

http://www.cinematical.com/2010/08/24/could-weta-make-panzer-88-the-next-big-thing/

http://portugalparanormal.com/index.php?topic=1955.0

Foto do anfiteatro nazista (muito estranho esse lugar!):

http://www.zoot.org.uk/gallery/v/random_11_06/HPIM1016.jpg.html

O vôo

Indo Para o Outro Mundo

Hoje só um post rápido, talvez eu chegue a escrever mais sobre isso. Como estive surfando na net, acabei dando de cara com “O Paciente Inglês”. Talvez alguns já tenham visto o filme.

É uma estória que se passa na Segunda Guerra, homem totalmente desfigurado por queimaduras vai para em um hospital dos Aliados. Como ninguém descobre o nome dele, anotam na ficha médica que ele é o “paciente inglês” . O pelotão atravessa a Itália rumo a algum lugar, que não me lembro agora e o paciente é obrigado a ficar em um mosteiro abandonado junto com uma enfermeira canadense, Hanna. Isso porquê ele está doente demais para continuar a viagem.

Hanna e Kip

O caminho desse dois se cruzam com o de um ladrão, Caravaggio, e um sikh, de nome Kip. Enquanto no mosteiro, o paciente começa a contar sua estória em flashback, a estória de como ele se apaixonou e de como essa paixão se tornou sua perdição e a dela. Paralelo a isso, Hanna se apaixona por Kip.

Mas já contei muito do filme e talvez alguém queira ver ou ler o livro. Bem, mas o quero contar é de como a cena final do filme me emocionou e até hoje me faz lembrar de uma crença arquetípica.

No final, o paciente morre e tem uma visão final, uma lembrança na verdade, onde ele recorda que carregara Katherine morta em seus braços até o avião. Então vemos eles partindo para um vôo sobre o deserto. O avião plana mansamente para uma viagem que parece que não terá fim.

O Paciente Inglês carregando sua amada

Interpretei essa cena como uma metáfora da morte, e o avião representaria o mensageiro, aquele que carrega a alma dos mortos para o outro mundo. No lugar de um passáro que levaria a alma, temos um avião que o leva junto com sua amada para Outro Mundo.

Os passáros são creditados como mensageiros do outro plano, o que implica que eles também tem poder para transportar a alma dos mortos em sua jornada desse para o mundo espiritual.

Alguns acreditam que a alma migra de um corpo para outro e que muitas vezes um humano pode ter habitado anteriormente o corpo de uma passáro. Além disso, alguns acreditam que eles trazem algum tipo de presságio e muitas vezes, um mau presságio.

Gaivota do Pacífico

Gaivota do Pacífico

Um exemplo desse mau presságio seria o pio do passáro chamado storm petrel ( Hydrobates pelagicus ). Segundo a wikipedia, é chamada de “painho“, mas também somente de petrel. No original em inglês, ele é chamado de petrel da tempestade, porque os marinheiros acreditavam que ver um deles significava um sinal de grande tempestade se aproximando uma espécie.  Atirar num deles daria azar. Alguns também acreditavam que não deveriam ser feridos porque dentro deles estaria a alma de marinheiros mortos.

Assim também aconteceria com as gaivotas, que seriam sinal de tempestade e seus gritos seria sinal de que alguma desgraça iria acontecer e que almas de marinheiros e pescadores habitariam o corpo das gaivotas, especialmente se um deles tivesse morrido afogado.

Isso me lembra um quadrinhos do Hellboy. O quadrinhos “Hellboy – Paragens Exóticas”, mostra o personagem no fundo do mar. Ele encontra com diversos personagens, mas logo no começo da estória ele luta com uma bruxa do mar e consegue libertar a alma de marinheiros que serviam de fonte de poder para ela. Se não em engano, estavam presas em ânforas (tenho de rever o quadrinho…). De qualquer forma, após as almas serem libertadas do feitiço, elas voam para a liberdade em forma de passáro… Interessante referência à crença de que os passáros “retém” almas dos mortos.

Outras passáros também seriam hospedeiros de almas como acreditam os pescadores de uma região da Inglaterra, chamada East Anglian. Para eles, o ganso patola ( Morus bassanus ) é um deles.

Nos Estados Unidos, dizem que um homem atirou em três patos e quando foi procurar os corpos não os encontrou. Após isso uma cotovia piou por três dias. Quando ela parou, ele foi ao pântano e encontrou o corpo de três marinheiros.

Enquanto isso, na Europa os corvos sempre foram mensageiros de mau presságio. Alguns diziam que eles eram bispos maléficos que ao morrer, viravam corvos (porque usavam vestimentas pretas). Ouvir um pio de corvo significava que algo ruim iria acontecer. Almas de crianças não batizadas também poderiam virar corvos.

Outras lendas conectam o corvo com o Rei Artur. Alguns dizem que o rei foi transportado para Avalon. Outros que ele dorme em uma caverna em algum lugar da Grã Bretanha. Mas o escritor espanhol Julian del Castillo deu outra explicação, que foi logo assimilada pelos ingleses, a de que Artur foi encantando em um corvo, e que um dia reinará de novo e para provar isso, ele diz: será que algum inglês matou um corvo depois disso?

Torre de Londres

Até o século 18 matar um corvo era um tabu na Inglaterra. A idéia do corvo associada ao rei parece explicar porque sempre são mantidos seis corvos na Torre de Londres.

Os corvos são uma espécie de protetores da Inglaterra, porque são associados ao rei Artur. Imagine o desespero que tomou conta da Inglaterra quando, durante a Segunda Guerra mundial, os corvos ficaram em silêncio durante cinco dias? Muitos imaginariam que a Grã Bretanha iria desaparecer.

Referências:

http://www.mythencyclopedia.com/Be-Ca/Birds-in-Mythology.html

http://www.deathreference.com/Sh-Sy/Soul-Birds.html