Arquivo da categoria: estados unidos

A estória da garota de queixo tatuado

olive

Olive Oatman nasceu em Illinois em 1837. Em 1850, quando ela tinha 14 anos, sua família (os pais Royce e Mary Oatman e suas sete crianças) se juntaram a uma caravana para viajar de Utah para a Califórnia. Depois de algumas confusões, a família se separou do grupo para viajar sozinha. E isso custo caro, pois no quarto dia eles foram atacados por índios que mataram todos, menos Olive e sua irmã, que foram levadas como escravas.

Porém, o irmão de Olive Lorenzo apesar de muito ferido, sobreviveu conseguindo chegar a uma vila e acabou retornando à caravana original. Ele voltou ao local do ataque e enterrou os corpos de seus familiares.

Enquanto isso, Olive e Mary Ann, após um ano na tribo, foram vendidas aos Mohaves. Nessa aldeia, elas foram melhor tratadas e inclusive se deduziu que elas foram adotadas pelo chefe. Os mohave costumavam tatuar os queixos e apesar de alguns dizerem que uma marca dos escravos, se sabe que eles faziam isso para conseguir uma “boa passagem” para o outro mundo no momento da morte.

Por volta de 1855, quando Olive tinha 19 anos, houve uma seca violenta e Mary Ann morreu de fome, juntamente com muitos mohaves. Neste momento, começaram a surgir rumores de uma mulher branca vivendo entre os índios. Um mensageiro chegou à aldeia pedindo o retorno dela, e, após intensas negociações, da qual ela fazia parte, foi acertado  que ela iria viajar para Fort Yuma. Quando ela chegou, Olive teve de trocar suas tradicionais roupas mohaves (que constitua apenas uma espécie de saia e nada mais além da cintura) por roupas de branco. Depois de alguns dias ela descobriu que seu irmão Lorenzo estava procurando por ela

Mas vale a pena dizer que ela não queria voltar, mas provavelmente, ela foi forçada a isso. Se conta que ela chorou uma noite inteira ao chegar ao forte, e é descrita como muitos como uma garota triste. Também se sabe que o chefe dos mohaves sempre disse lhe disse que ela era livre, e que eles só não a deixaram com os “brancos” antes porque tinham muito medo de represálias.

Olive tornou-se uma celebridade instantânea. Em 1857, a Royal B. Stratton escreveu o livro ”A Vida Entre os Índios”  sobre Olive e Mary Ann que se tornou-se um best-seller e com esse dinheiro ela pagou por seus estudos e o de seu irmão. Em 1865 casou-se com John B. Olive Fairchild, um pecuarista, eles adotaram uma menina. Fairchild acabou queimando todos os livros de Stratton e mandou que ela parasse suas palestras. Mais tarde, ela teria ido para Nova York para falar com um líder Mohave sobre “os velhos tempos.” Ela sempre manteve um frasco de avelãs, como uma lembrança de sua experiência. Ela morreu em 1903, com 65 anos

traduzido de: http://mashable.com/2015/02/28/olive-oatman-capture/

Para ler mais (em inglês):

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2010920/True-Grit-How-abducted-Texan-frontier-woman–abducted-aged-9–gave-birth-Comanche-Indian-commander.html

http://www.truewestmagazine.com/jcontent/history/history/history-features/2999-10-myths-about-olive-oatman

traduzido de: http://mashable.com/2015/02/28/olive-oatman-capture/

A Mulher Bufálo Branco

Este é um mito central das tribos das planícies, especialmente o Lakota, ou Sioux. Ela conta como os lakotas receberam pela primeira vez o seu cachimbo sagrado e como foi ensinado o cerimonial para usá-lo. A lenda foi relatadas diversas vezes pelos lakotas Black Elk, Lame Deer e Looks for Buffalo.

Nos dias de antigamente os lakotas  tinham cavalos que eram usados para caçar o búfalo,  mas a comida era muitas vezes escassa. Um verão em especial, quando a nação lakota tinha acampado junta e havia muito pouco para comer, dois jovens do ramo Itazipcho – os “Sem Arco’- decidiram que iriam levantar cedo e procurar por caça. Eles deixaram o acampamento enquanto os cachorros ainda bocejavam, e se lançaram através da planície, acompanhados apenas pelo canto da cotovia amarela.

Depois de um tempo o dia começou a esquentar. Os grilos faziam barulho na grama, cães da pradaria disparavam de seus buracos quando os guerreiros se aproximavam, mas ainda não havia sinal de caça. Assim, os jovens foram no sentido de uma pequena colina de onde eles iriam ver melhor através da vasta pradaria. Alcançando-a, eles apertaram os olhos e esquadrinharam a distância, mas o que eles viram saindo da crescente névoa de calor foi algo brilhante, que parecia caminhar em duas pernas, não em quatro. Em pouco tempo eles viram que era uma mulher linda, e que brilhava em seu traje branco.

Búfalo

Búfalo

À medida que a mulher se aproximava, eles notaram que seu manto de peles era maravilhosamente decorada com  ornamentos sagrados feitos de espinhos cor de arco-íris do porco-espinho. Ela carregava um embrulho nas costas, e um odor de sálvia perfumada exalava de sua mão. Seu cabelo negro estava solto, com exceção de um único fio amarrado com pele de búfalo. Seus olhos estavam cheios de luz e poder, e os jovens ficaram paralisados.

De súbito, um dos homens foi tomado por um desejo ardente. “Que mulher!”, disse ele de lado para  seu amigo. “e sozinha nesta  pradaria. Eu vou me aproveitar ao máximo disso! ‘

‘Insensato’, disse o outro. “Esta mulher é santa!”

Mas o tolo tinha tudo planejado, e quando a mulher o chamou, ele não precisou de um segundo convite. Assim que ele estendeu a mão para ela, os dois foram envolvidos em uma grande nuvem. Quando a nuvem se dissipou, a mulher permaneceu ali, enquanto aos seus pés não havia nada além de uma pilha de ossos com cobras terríveis contorcendo-se entre eles.

“Contemple”, disse a mulher ao jovem. “Eu vim para o seu povo com uma mensagem de Tatanka Oyate, a Nação do Búfalo. Retorne ao chefe Standing Hollow Horn  e diga-lhe o que você  viu. Diga a ele para preparar uma grande tenda  suficiente para todo o seu povo, e se preparem  para a minha vinda. ”

O jovem correu de volta pela pradaria e ofegava quando ele alcançou seu acampamento. Com uma pequena multidão de pessoas já o seguindo, ele achou Standing Hollow Horn  e disse-lhe o que tinha acontecido, e que a mulher estava chegando. O chefe ordenou que várias tendas fossem combinadas em uma  grande o suficiente para todos. As pessoas esperavam ansiosas pela chegada da mulher.

Depois de quatro dias, os olheiros que foram mandados para esperá-la, viram alguma coisa de belas formas chegando através da pradaria. Então, de repente, a mulher apareceu na grande tenda, e começou a andar  na direção horária. Ela parou diante de Standing Hollow Horn e colocou o embrulho que ela trazia diante dele.

‘Olhe para isso “, disse ela,” e sempre ame  e respeite isso. Ninguém  impuro deve  tocar neste embrulho, pois contém o cachimbo sagrado. ”

Ela desenrolou a  pele e tirou um cachimbo, e uma pequena pedra redonda que ela colocou no chão.

“Com este cachimbo você vai andar sobre a terra, que é a sua avó e sua mãe. A terra é sagrada, e é sagrado cada passo que você dá em cima dela. A boca do cachimbo é de pedra vermelha; representa a terra. Esculpido dentro dele e no centro está o bezerro de búfalo, em pé nas quatro patas. O cabo é de madeira, que representa tudo o que cresce sobre a terra. Estes doze penas suspensas da águia manchada representam todas as criaturas aladas. Todas as coisas vivas do universo são os filhos da Mãe Terra. Vocês todos são unidos como uma família, e você vai ser lembrado disso quando o fumar. Trate este cachimbo e a Terra com respeito, e seu povo irá crescer e prosperar. ”

A mulher disse-lhes que os sete círculos esculpidos na pedra representavam os sete ritos em que as pessoas iriam aprender a usar o cachimbo sagrado. O primeiro foi para o rito de “manter a alma”, que ela agora ensinava. Os demais ritos eles aprenderiam no devido tempo.

A mulher fez menção de deixar a tenda, mas, em seguida, virou-se e falou com Standing Hollow Horn  novamente. “Este cachimbo vai ficar com você até o fim. Lembre-se que em mim há quatro séculos. Estou indo agora, mas vou olhar por seu povo em todas as épocas, e no final, eu voltarei. ”

Ela agora caminhou lentamente em sentido horário ao redor da tenda. As pessoas ficaram em silêncio e cheias de temor. Mesmo as crianças famintas a observavam, com os olhos cheios de admiração. Em seguida, ela foi embora. Mas depois de caminhar uma curta distância, ela encarou o povo novamente e sentou-se na pradaria. As pessoas que a seguiam ficaram surpresos ao ver que, ao levantar, ela havia se tornado um bezerro de búfalo vermelho e marrom. O bezerro adentrou a pradaria, e depois se deitou e rolou, olhando para as pessoas.

Quando ela se levantou ela era um búfalo branco. O búfalo branco caminhou  até que se tornou  uma mancha brilhante na planície distante, e, em seguida, virou-se de novo, e tornou-se um búfalo preto. Este búfalo foi embora, parou, curvou-se para as quatro direções da terra, e, finalmente, desapareceu sobre o monte.

http://www.livingmyths.com/Native.htm

Links relacionados:

http://www.lightningmedicinecloud.com/legend.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Lame_Deer

http://en.wikipedia.org/wiki/Black_Elk

Notas:

1) Black Elk e Look for Buffalo são médicos ou “pajés” de origem lakota e Lame Deer foi um conhecido vice-líder dessa tribo.

O inafundável Sam

Schlachtschiff Bismarck

Navio Bismarck onde o Sam trabalhava

O” inafundável Sam” era um gato que primeiramente de mascote no navio alemão Bismark, durante sua primeira e única missão em 18 de maio de 1941, quando ele partiu na Operação Rheinübung. Ele foi afundado no dia 27 de maio, após uma feroz batalha. Dos seus 2.200 tripulantes, apenas 115 sobreviveram. Depois de horas de busca, um gatinho foi encontrado flutuando nos destroços pelo pessoal do Cossaco. Sem saber o nome que ele tinha antes, eles o batizaram de Oscar.

O gato ficou a bordo alguns meses, enquanto o navio Cossaco realizava missões de  escolta  entre o Mediterrâneo e o Atlântico norte. Em 24 de outubro de 1941, este estava escoltando um comboio de Gibraltar para o Reino Unido quando foi severamente danificado por um torpedo disparado pelo submarino alemão U-563.  A tripulação foi transferida para o destróier HMS Legion, sendo  feita uma tentativa para rebocar o navio de volta para Gibraltar, mas a piora das condições meteorológicas tornou a tarefa impossível e o navio foi abandonado. Em 27 de outubro, um dia após uma tentativa de reboque o navio afundou a oeste de Gibraltar. A explosão inicial arrancou um terço da secção dianteira do navio, matando 159 da tripulação, mas o Oscar sobreviveu.

Depois de tantas tragédias, ele agora tinha sido renomeado para “inafundável Sam” (para ver se dava mais sorte), e trataram de transferí-lo para o porta-aviões HMS Ark Royal, que coincidentemente tinha sido fundamental na destruição de Bismarck. No entanto, Sam foi para não encontrou melhor sorte lá, e quando retornaram de Malta em 14 de Novembro de 1941, este navio também foi torpedeado, desta vez por um submarino U-81. Também foram feitas tentativas de rebocar o  Ark Royal para Gibraltar, mas as ondas gigantescas impediram a tarefal.  O rebocador  virou e afundou 30 milhas a partir de Gibraltar. O ritmo lento em que o navio afundou no entanto fez com que todos, menos um dos tripulantes pudessem ser salvas. Os sobreviventes, incluindo Sam, que havia sido encontrado agarrado a uma tábua flutuante por uma lancha a motor, e descrito como “zangado, mas perfeitamente  ilesoforam transferidos para HMS relâmpago e ao mesmo HMS Lightning e HMS Legion que haviam resgatado a tripulação de Cossaco. O Legion

Algumas autoridades afirmam que a biografia do Oscar pode muito bem ser uma dessas “estórias do mar”, porque, por exemplo, há imagens de dois gatos diferentes identificados como Oskar / Sam. No naufrágio do Bismarck, houve o resgate de um número limitado de sobreviventes, porque ocorreu em condições desesperadoras e navios britânicos receberam ordens para não parar pois se acreditava que um U-boat (classe de submarino) estava na área e muitos sobreviventes humanos foram deixados para se afogar. Não há menção a este incidente do naufrágio no relato detalhado do navio Ludovic Kennedy.

Fontes:

http://www.omg-facts.com/lists/32/8-Bizarre-Facts-About-World-War-II/4

http://en.wikipedia.org/wiki/Unsinkable_Sam

http://www.purr-n-fur.org.uk/featuring/war02.html#oscar

O fantasma de Errol Flynn

Flynn em Capitão Blood

Errol Flynn foi uma lenda em Hollywood e mesmo que os mais jovens não lembrem dele, o primeiro filme que ele estreou nos EUA, Capitão Blood, se tornou uma referência eterna para filmes de pirata. Digamos que, muito antes do pirata cínico e divertido de Johhny Depp, já existia Peter Blood, o avô de todos eles… Belo, língua afiada, corajoso, divertido e derretendo corações à esquerda, à direita e ao centro dos cinemas…

Flynn foi a escolha de Jack Warner para viver o papel de Peter Blood, no clássico Capitão Blood. Ele era uma aposta arriscada, principalmente porque não tinha experiência… Mas Warner disse do  ator: “… Ele era todos os heróis em um só pacote, magnífico, sexy e animal” .. Ele tinha um jeito canalha e com um brilho irresistível em seu olhar.  Errol Flynn era o que toda mulher queria e o que todo homem almejava ser.

Do anonimato ele foi para a fama instantânea e se tornou o astro em Hollywood.  Para comemorar sua boa sorte, Flynn projetou sua casa dos sonhos – “um teatro” – como ele chamou. Ele comprou onze acres em Hollywood Hills, e construiu uma casa de campo. Uma casa misteriosa, cheia de passagens secretas, espelhos que permitiam bisbilhotar as mulheres e com  janelas de vista panorâmica da cidade abaixo. Além disso tinha uma piscina com um fundo preto, e que causava medo em algumas pessoas…

Flynn viveu uma boa vida por muitos anos em Mullholland. Em 1957, ainda não divorciado da terceira esposa, Patrice Wymore,  Flynn de 48 anos de idade, começou a ter um caso com Beverly Aadland, de 15 anos. E pasmem, a mãe de Beverly, Florence também frequentava a casa, e passava muitas noite por lá.

Errol viveu uma vida agitada, entregue a mulheres, bebidas e drogas. Suas festas selvagens eram conhecidas por todos em Hollywood. Isso cobrou um preço caro a ele. Fisicamente,  sua beleza se esvaiu depressa e ele envelheceu precocemente. Financeiramente, ele faliu.  Ele perdeu sua casa em 1959, e morreu numa festa que estava dando no iate que tinha acabado de vender. Segundo se conta, o legista que examinou  corpo disse que aquele parecia o corpo de um velho de 80 anos. Mas como ele mesmo disse um dia, “o público não quer me ver coimo um cara tranquilo…”

Mas vamos ao fantasma,  Ricky Nelson um famoso cantor,  comprou a propriedade de Flynn do artista Stuart Hamblin, o outro único proprietário.  Rick e sua esposa, a atriz Chris Nelson mudaram-se para a casa com seus quatro filhos apenas 18 anos depois da morte de Flynn.

“A casa era uma casa de fazenda de dois andares.”, disse a filha Tracy. “A porta da frente estava em um lugar onde não deveria estar por isso nunca usei e por isso nunca eu realmente senti que a casa tinha um coração, tinha um centro. Eu normalmente só entrava e ia direto para o meu quarto.

“Meu quarto era onde costumava ser o quarto de Beverly Aadland e lá sempre sentia esse cheiro de perfume barato. Todos os tipos de coisas estranhas me perseguiam: a porta do chuveiro abria e fechava no meio da noite, coisas caiam sem nenhum motivo “O fantasma em meu quarto era feminino… Aadland ou a mãe estavam lá.  Instintivamente, Tracy sentiu que era uma presença antiga e cínica.  Poderiam ser essas presenças algumas das inúmeras mulheres que lynn tinha amado e abandonado?  Quem ou o que estava lá, seus amigos sentiam isso também. “Quando eu estava indo para a escola, as meninas faziam festas do pijama, mas ninguém queria ficar na minha casa. Tinha uma energia estranha  na casa. ”

O casal Rick e Chris Nelson era atormentado por problemas – com o seu casamento, com suas carreiras e com drogas. No início dos anos 80, Chris saiu de casa com o filho mais novo, mas  Tracy permaneceu com seu pai.

“Uma noite, cheguei em casa do trabalho. Estava escuro. Eu olhei para a sala de jantar e a luz estava acesa e havia um homem parado lá.Pensei que papai estava em casa, subi para o quarto e chamei-o sem resposta. Notei que o carro não estava. Então o telefone tocou e era meu pai dizendo que  ele estaria em casa amanhã. ”

Tracy disse-lhe que ela tinha acabado de ver e Rick respondeu: “Oh isso é só Errol”.

Rick Nelson adorava viver na casa de Errol Flynn e ele não ligava para a presença do espírito, ele dizia que sentia uma forte afinidade com o espírito de Flynn e talvez Flynn sentisse também.

No dia seguinte, Tracy chegou do trabalho quando ainda estava claro. Ela foi direto para seu quarto, mas depois de alguns minutos, ouviu um barulho do andar de baixo. Parecia que alguém tinha quebrado algo.

“Meu pai tinha uma sala cheia de seus discos de ouro e prêmios, todos pendurados nas paredes. Parecia que quem estava lá estava quebrando todos os discos de ouro e outras coisas do papai e eu lembro de ter pensado, ‘Oh meu Deus, quebre tudo, menos isso. ”

“Eu me escondi no armário e esperei o barulho parar. Era muito alto, a casa estava tremendo. Parecia que as pessoas estavam jogando coisas contra as paredes, quebrando cadeiras e vidros. O sol finalmente se pôs. O barulho cessou e pensei que seria finalmente seguro para descer. ”

Tracy esperava encontrar o lugar em ruínas, mas não havia nenhum vidro ou móveis quebradoa. Em vez disso, todas as luzes haviam sido ligadas. Dois gatos de estimação estavam no quarto de Rick e a porta tinha sido trancada por dentro. Nada mais na casa tinha sido tocado. Tracy decidiu se mudar.

Pouco tempo depois que ela se mudou para, Rick e sua namorada ligaram para ela. “A coisa mais estranha aconteceu”, disseram-lhe. “Nós estávamos lá embaixo e ouvimos todo esse barulho vindo do seu quarto. Pensávamos que estávamos sendo assaltados. As coisas estavam caindo e quebrando. Nós chamamos a polícia, corremos  para fora e esperamos por eles. Quando eles chegaram aqui “, o casal continuou,” subiram para investigar. Sua porta estava trancada por dentro. “Quando abriu, eles descobriram que todas as luzes da sala havia ligadas, mas nada tinha sido tocado.’

Rick Nelson viveu na casa por mais dois anos, até sua morte em um acidente de avião em 1985. Tracy lembra que o espírito da casa mudou radicalmente depois disso. “Foi divertido antes, mas depois que meu pai morreu, ela se tornou malévolo. Meus irmãos e eu pudemos literalmente sentir quando a presença de meu pai se foi, a presença se tornou  feia e assustadora na casa. O meu (agora) ex-marido sempre teve dificuldade em acreditar em fantasma. Depois que papai morreu, estávamos removendo alguns móveis e ele saiu e se recusou a voltar para dentro da casa. Ele me disse: “Alguma coisa está naquela casa e eu não quero nem estar perto daquele lugar. ”

Richard Dreyfuss, colega de Tracy em Down and Out in Beverly Hills, pensou em comprar a casa, mas Tracy advertiu-o a desistir. “É uma casa ruim e ela tem algo ruim nela.”

Mulholland ficou vazia após a morte de Rick Nelson. Durante esse tempo, a escuridão pareceu envolver completamente o lugar. Uma gangue invadiu a casa e assassinou uma jovem na sala de estar. Em seguida, um misterioso incêndio queimou metade da casa.

“Eu tentei saber mais sobre isso. Havia um monte de coisas realmente malucas acontecendo em termos de uso de drogas na casa quando eu estava crescendo. Acredito que tudo isso cria o caos energético – Eu não sei mais do que chamá-lo. Então, era um lugar maluco de viver de qualquer maneira.

“Todas as mulheres do lado da minha mãe são muito psíquicas:  a minha avó, minha mãe, eu mesma. Desde que eu era criança, eu sempre fui muito aberto à possibilidade de fantasmas, porque eu sempre os senti. Nunca vi nada, mas pudia senti-los. Tudo o que posso dizer é que era definitivamente mal-assombrada. ”

Tracy tem uma teoria sobre os dois episódios em que as coisas pareciam se quebrar. Talvez Flynn ou a  mulher cínica estavam tentando alertar Rick de tragédia iminente. Quando as advertências falharam e Rick foi morto aos 45 anos – precocemente, como Errol – o espírito tornou-se negro. “A morte de meu pai foi uma coisa tão catastrófica para a família … talvez aquilo tivesse sido um aviso … talvez fosse … quem sabe?”

A casa foi demolida anos atrás e a área dividida em lotes separados, mas Tracy ainda tem pesadelos com ela o tempo todo. “É tudo tão real nos sonhos … mas meu irmão me deu alguns bons conselhos. Ele me disse, ‘Tracy, o único lugar que a casa existe agora está em nossas mentes.

fonte:

http://www.lauriejacobson.com/hollywood_haunted_ex.php

Outros links:

Filme completo (em inglês):

http://www.dailymotion.com/video/x1vb5po_captain-blood-1935-full-movie_shortfilms

http://www.youtube.com/watch?v=YGQSBd7mSw8

http://fan.tcm.com/_The-Ghost-of-Errol-Flynn-Please-read-this-its-actually-a-good-story/blog/2519802/66470.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Errol_Flynn

O Coiote e a Tartaruga

Uma noite, o Bebê Tartaruga estava com muita fome então ele decidiu deixar a segurança do rio em busca de alimento.

Logo ele encontrou um cacto com frutas muito doces.

O bebê tartaruga andou sozinho, comendo e rindo.

O sol forte se levantou e começou a bater no deserto.

Quando o Bebê Tartaruga procurava por mais comida,  percebeu que estava perdido.

A tartaruguinha começou a chorar.

O coiote ouviu o choro e foi investigar.  O Bebê Coiote estava escondido debaixo de um arbusto e  rapidamente o coiote fez planos para o jantar.

“Era uma canção bonita que você estava cantando. Por favor, continue enquanto eu faço uma grande fogueira para cozinhar você”

“Eu não estava cantando. Enfim, meu casco é muito duro. Mesmo o fogo mais quente não pode penetrá-la.”

“Bem, então, eu vou levá-lo ao topo da mais alta montanha e deixá-lo cair sobre as rochas abaixo.”

“Pff! Eu já lhe disse. Meu casco é tão espesso que eu vou simplesmente quicar nas rochas e fugir.”

Coiote pensou muito sobre como botar o Bebê Tartaruga em sua barriga.

“Eu vou te levar para o rio, afogá-lo, e então eu vou te comer.”

“Oh não, por favor, me afogar no rio. Tudo menos isso!”

“Ha! Eu sabia disso.”

“Por favor, continue cantando, é muito agradável”.

“Eu não estou cantando.”

Logo ele que chegou ao rio, o Bebê Coiote jogou a tartaruga na água.

“Coiote bobo. Obrigado por me trazer para casa.”

O coiote tinha sido enganado pelo Bebê Tartaruga. Ele ficou tão irritado que ele pulou no rio, mas a corrente era tão forte que levou o coiote rio abaixo.

O Bebê Tartaruga estava seguro agora e nunca se afastou demais das das margens do rio.

fonte:

Coyote and Turtle Story

Notas:

A Estória do Coiote e da Tartaruga foi um vídeo feito por Tim F. Salinas da tribo Navajo e colocado no YouTube.com em 10 de dezembro de 2006.  Não se sabe exatamente o local onde foi gravado, mas aparentemente uma equipe do Pasadena City College fez a gravação em 2003.

Como outras histórias nativos americanos, a história do Coiote e da Tartaruga tem uma lição para o público. As crianças também podem aprender que não é sábio se desviar para longe do local onde você está seguro, e esta lição é voltada principalmente para crianças, onde se compara elas com a tartaruguinha, que também era inexperiente e acaba por afastar-se do rio. Todas as tradições orais servem a um propósito na sua cultura, e além de entretenimento, essa estórias ensinam muitas lições.

A Borboleta nas Estórias Tradicionais dos Navajos

O Garoto Chuva atingiu o Garoto Borboleta com seu machado de raio, e da cabeça aberta do Garoto Borboleta saíram todas as borboletas do mundo

Borboleta nas estórias tradicionais dos navajos

Borboleta: Devido à beleza natural de suas asas, a borboleta é muitas vezes considerada inútil. No entanto, na mitologia navajo, a borboleta é que traz a pedra sagrada para os cascos do cavalo. Na lenda da divindade, o Garoto Borboleta foi curado de sua vaidade ao ser atingida por um raio que saiu do machado do Garoto Chuva. Depois disso, sua cabeça se abriu e dela vieram todas as borboletas do mundo. O efêmero pó das asas da borboleta é visto como prova de que tal beleza não é eterna durável. Pg. 191

Lagarta: na crença Navajo, a lagarta é sagrada por causa de sua habilidade de se transformar em borboleta, o coletor do sílex sagrado. No entanto, apesar da borboleta não ser sempre confiável por causa de sua vaidade, a lagarta é simples, o caminhante de muitas pernas através da vida. Como verme, ele pode dar conselhos a seus “superiores.” Pg. 191
“The Giftt of Gila Monster, Navajo Cerimonial Tales, 1993, Gerald Hausman.

Garoto Chuva e Garoto Borboleta

Há um grande arco de pedra colorida na terras dos navajos, o qual é chamdo de Rainbow Bridge (Ponte do Arco-Íris). A fim de alcançá-lo você deve andar a cavalo durante dias através do deserto e a terras de rocha nuas e através de grandes cânions de rochas vermelhas.  Muitas pessoas não vão lá.  Em tempos antigos era a casa do Garoto Chuva, um deus muito poderoso, cuja arma era o relâmpago e que viajava tão rápido como o vento em seu arco-íris.

Um dia, há muito tempo ele teve que sair em viagem. Ele deixou a esposa e a filha em casa na Ponte do Arco Íris e disse-lhes que não importasse o que aconteceu elas não estavam a sair à luz do sol.

“Vamos obedecer-lhe, Garoto Chuva”, disseram as duas mulheres, e quando ele saiu, elas se sentaram ao lado da porta aberta e pegaram sua tecelagem.  Ambas eram habilidosas tecelãs.  Quando eles precisavam de um novo desenho elas iam olhar do lado de fora da porta até que viam uma coisa linda.  Um dia, o desenho eram de uma folha, outro dia, de um pássaro de penas adequadas às suas necessidades. Mas hoje elas não podiam ver nada que lhes agradassem.

Enquanto isso acontecia, O Garoto Borboleta Branca tinha voado de sua parte do país vindo de sua casa, em Chaco Canyon, onde jaziam as ruínas dos mortos.  O Garoto Borboleta se parecia um com um navajo, exceto que ele tinha asas. Ele possuía um outro grande poder.  Ele podia se transformar quando quisesse em uma borboleta branca.  Então, quando ele chegou a Rainbow Bridge, ele viu a bela esposa e filha do Garoto Chuva olhando para fora da porta de sua casa.

“Elas são lindas. Gostaria de falar com eles”, disse para si mesmo, mas ele tinha ouvido falar que o Garoto Chuva não permitia que elas falassem com estranhos e as proibia de deixar a casa quando ele estava fora. Então Garoto Borboleta armou um plano, ele se transformaria em uma borboleta branca e voaria baixo na soleira da porta.

“Ah, que bela criatura”, exclamou a mãe. “Que esplêndido desenho que ela vai ser para o nosso trabalho.”

“Vamos pegá-la”, disse a filha.

Mas quando elas esticaram as suas mãos, Garoto Borboleta Branca abriu suas asas e vôou para uma flor-de-cera a alguma distância da casa.  As mulheres se esqueceram a sua promessa ao Garoto Chuva e correram para fora da casa sob a luz do sol, onde perseguiram a borboleta de branco espuma, cada vez que chegavam perto o suficiente para capturá-lo, ele voava longe, mais longe da casa.  Quatro vezes ele voôu, e na quarta vez,  ele acendeu um pendão do milho de seda no jardim do Garoto Chuva.  Grandes abóboras amarela ele enrolou seus braços entre os pés de milho, e quando as mulheres correram para o jardim, as abóboras cercaram elass, e então elas não puderam sair de lá.  Então Garoto Borboleta se transformou em um homem de asas.

“Agora”, disse ele. “eu tenho vocês.  Agora vocês vão vir morar comigo em Chaco Canyon”.

Ele as levou para longe sobre o deserto e cânions até que chegaram à terra das habitações desertas.  Aqui, há muito tempo, as pessoas viveram, mas agora nada havia, somente os mortos permaneciam, e eles foram enterrados fundos sob as areias.

Então, voltando o Garoto Chuva de sua viagem, e encontrando o lugar vazio, ele procurou lá fora por pistas. Nas areias perto da casa viu pegadas de sua esposa e filha, que levavam para o jardim e entre as videiras de abóbora, onde desapareciam. Foi aqui que Garoto Borboleta Branca tinha se transformado em um homem com asas, e com a esposa de Garoto Chuva num braço, e a filha no outro, ele tinha voado de volta para sua casa, em Chaco Canyon. Depois de olhar com cuidado entre os pés de milho, Garoto Chuva enviou uma raio do relâmpago para apontar a direção que eles tomaram.  O raio caiu perto de Chaco Canyon.  Garoto Huva montou em seu arco-íris e voou pelos céus até a casa de Garoto Borboleta Branca. Lá ele encontrou sua esposa e filha, que estavam presas nas casas dos povos antigos. Garoto Chuva estava muito zangado com elas por desobedecido a ele, mas ele estava ainda mais zangado com Garoto Borboleta Branca por sua traição.

Quando Garoto Borboleta Branca chegou voando em casa à noite, Garoto Chuva disse: “eu te desafio para uma corrida. Se você ganhar, você pode ficar comr a minha esposa e filha. Se você perder, você morre.”

“Eu concordo”, disse Garoto Borboleta Branca.

“Vamos correr para o Monte Taylor”, disse Garoto Chuva. “Prepare-se. Quando eu mandar meu raio vamos começar.”

O Garoto Borboleta não tinha nada no mundo para correr, mas as próprias asas, então eles as abriu as suas asas com orgulho e lá se escondia a sua única arma que era um machado mágico que poderia matar quem o segurasse, em um sopro de ar.

Garoto Chuva decolou em seu relâmpago e desapareceu instantaneamente. Garoto Borboleta bateu suas asas tão rápido o quanto pôde, mas ia levar muito tempo até chegar ao Monte Taylor. No caminho, ele viu o Beija Flor equilibrado no ar diante de uma flor.

Não há nada no mundo que Garoto Borboleta gostasse mais do que se divertir. Sobre sua garganta estava pendurado um sino de prata minúsculo. Ele queria saber como a campainha soaria na garganta do Beija Flor enquanto ele fosse de flor em flor, assim que ele tirou o sino de sua própria garganta e jogou-o no ar. Ele caiu com um tilintar no pescoço de Beija Flor, e este é o ruído que se ouve hoje, quando o Beija Flor voa em cima de uma flor.

Logo após o atraso com o Beija Flor, Garoto Chuva chegou ao Monte Taylor.  Lá estava sentado o Garoto Chuva  na extremidade de um raio.

“Eu ganhei”, gritou Garoto Chuva. “Agora vamos correr de volta.”

“Tudo bem”, disse Garoto Borboleta cansado. Ele já estava exausto, mas ele era alegre e não desistia.  Novamente, ele abriu as lindas asas.

“Pronto?” Garoto Chuva gritou, e desta vez ele subiu aos céus em um grande arco-íris.  Garoto Borboleta se esforçou para voar, mas foi um longo caminho até chegar à sua casa em Chaco Canyon.  Lá esperava sentado o Garoto Chuva, no fim do arco-íris, e sua esposa e filha estavam esperando ao lado dele.

“Eu ganhei novamente,” disse Garoto Chuva, e levantando a cabeça, ele proclamou: “agora você vai morrer”

“Espere”, disse Garoto Borboleta. “Por favor, você não poder matar-me com meu próprio machado? Isso me deixaria muito feliz,  morrer pela lâmina que eu carrego em todas as minhas jornadas.”

Mas o Garoto Chuva sabia que o machado de Garoto Borboleta era um machado mágico. Em um sopro de ar de seu mestre ela voaria para trás e mataria o homem que segurava.

“Não”, ele disse, “eu vou matar você com meu próprio machado.” E novamente ele se levantou acima de sua cabeça. Mas Garoto Borboleta pediu quatro vezes, e pela quarta vez Garoto Chuva tirou o machado de Garoto Borboleta que estava preso no cinto e pegou o machado mágico em suas mãos. Mas ele não tinha sido enganado. Ele tinha um esquema em mente.

“Agora”, disse o esperto Garoto Chuva, “feche seus olhos.”

Tão logo Garoto Borboleta fechou suas pálpebras  Garoto Chuva mudou os machados e, segurando sua própria arma confiável ele deu um golpe mortal na cabeça de Garoto Borboleta. O crânio rachou, e Garoto Borboleta estava morto em um golpe só, e de dentro da rachadura no crânio veio uma rede de borboletas, todos com asas luminosas e encantadoras. Longe elas voaram para se espalhar sobre o céu, e é assim que as bonitas borboletas bonitas nasceram. Pgs. 65-69

Sitting on the Blue-Eyed Bear, Navajo Myths and Legends, 1975, Gerald Hausman.

Butterfly (ka’logi ‘) e mariposas são símbolos da tentação e loucura, tão desprezíveis que o seu comportamento, que agir como uma “mariposa”, significa loucura, a punição por quebrar tabus.

O herói de Mountain Chant adquiriu o poder de criar alimentos do Povo da borboleta.

Fonte:

w.twinrocks.com/legends/9-butterfly-in-navajo-traditional-stories.html

mitologia dos navajos:

http://www.terramistica.com.br/index.php?add=Artigos&file=print&sid=111

Muito obrigada ao site Twin Rocks, através de Barry,  por permitir o uso do material do site e por compartilhar a lenda

O mistério de Everett Ruess

clipped from www2.tbo.com
blog it

No filme “Na Natureza Selvagem”, conta-se a estória de Christopher McCandless. Ele era um rapaz que se achava insastisfeito com tudo e procurou na natureza, um sentido para sua vida, morrendo no Alasca aos 24 anos. Mas, antes dele houve outro sonhador romântico que também procurava por um sentido na solidão selvagem. Ele era Everet Ruess, um artista e explorador americano. Ele nasceu em 28 de março de 1914 em Los Angeles, California,  filho de um pastor e uma dona de casa. Sua família se mudava constantemente e ainda criança, ele esculpia em carvão e barro e desenhava.

Ao se formar na escola secundária, em Hollywood, ele percebeu que não era isso que queria pra sua vida. Aparentemente, ele encontrou consolo de sua tristeza na vasta solidão dos Estados Unidose passou a viajar muito, invariavelmente sozinho. Ele cruzava o país de uma ponta a outra, a pé, mandando cartas apaixonadas para sua família, e amigos, narrando suas aventuras e descrevendo a beleza natural dos caniôns de Colorado. Ele tinha uma admiração muito grande pela região de Monument Valley e  Escalante area, e desenhou muitas paisagens em madeira.

Ele morava na Califórnia durante os meses de inverno e foi amigo de Edward Weston, Ansel Adams, Dorothea Lange, e do pintor Maynard Dixon.  Todos viram que ele muito talentoso e o encorajaram a seguir carreira.

No outono de 1934, com a idade de 20 anos, Ruess viajou para Escalante no sudete de Utah. Ele pretendia ir para o sul do Arizona para passar  inverno, porém em fevereiro de 1935 seu burrico foi encontrado em Davis Gulch. Seu último acampamento provavelmente foi em Cottonwood Canyon. O corpo dele nunca foi encontrado.

Mas segundo a lenda, sua morte foi testemunhada por um jovem navajo chamado, Aneth Nez, que depois de 37 anos disse a sua neta, Daisy Johnson, o que ele testemunhou. Ele estava em Comb Ridge perto da fronteira de Utah com  Arizona quando viu três índios Utes assassinando um jovem branco e levando suas mulas.  Ele pediu a sua enta para levá-lo até o local onde ele tinha enterrado o corpo numa fenda.  Ele precisava pegar uma mecha do cabelo para fazer uma cerimônia de cura.

Testes de DNA concluíram que os restos era dele, entretanto em junho de 2009, o arqueólogo Kevin Jones, verificou que os restos do crânio não correspondiam ao registros dentários de Ruess. Novos testes conduzidos pel Instituto de Patologia das Forças Armadas mostraram que os restos não eram dele, e família de Ruess teve de aceitar os novos resultados.

Seu desaparecimento continua ummistério, e apesar dele não ser considerado um suicida, ele sempre se mostrou muito desconfortável entre os homens, preferindo estar sozinho, vagando. Segundo o pai, ele escreveu a palavra “Nemo” em uma caverna e uma casa Moqui – ele vivia com uma mulher navajo… E essa palavra sempre assombrou o pai dele, pois ele pensava que o significado dela talvez o ajudasse a entender o que aconteceu… Era um jovem sonhador, talvez com um futuro brilhante como escritor, mas algo no destino dele dizia que o caminho dele não seria muito longo…

blog it

Ruess, devia ser uma espécie de espírito livre, pois mesmo amando a vida, ele também não sentia medo de morrer… Ele talvez procurasse por alguém para partilhar esses seus anseios, como ele mesmo falou, mas segundo ele, ele nunca achou ninguém que se interessasse por ele. Ele queria alguém para partilhar, alguém que lhe segurasse a mão e estivesse com ele, mas ele não achava que alguém que no mundo fosse capaz de o aconselhar e às vezes, ele tinha medo dele mesmo. E penso que nem sua própria mãe o entendia, porque muito do que ele escreveu foi apagado por ela, e nunca saberemos de tudo que ele realmente deixou para a posteridade.

Ele é lembrado por seu espírito aventureiro e por seus escritos, tais como: “Há uma esplêndida liberdade na solidão, e depois de tudo, é pela solidão que eu vou para as montanhas e desertos, e não para a civilização. Na solidão, eu posso desnudar a minha alma para as ousadas montanhas. Eu posso trabalhar ou pensar, agir ou reclinar pela minha vontade, e nada se interpõe entre mim e a Natureza.”

http://www.media.utah.edu/UHE/r/RUESS,EVERETT.html

http://www.footnote.com/page/93442123_everett_ruess/

http://www.angelfire.com/sk/syukhtun/everett.html

http://www.nationalgeographic.com/adventure/9904/story.html

http://articles.latimes.com/2009/may/02/science/sci-ruess2

http://adventure.nationalgeographic.com/2009/04/everett-ruess/david-roberts-text

http://en.wikipedia.org/wiki/Everett_Ruess

http://pt.wikipedia.org/wiki/Christopher_McCandless

A estória da criação

Uma lenda dos Pimas

Introdução:
O ancião, Comalk Hwak-Kih (Carmurça Fina) começou dizendo que estas eram estórias que ele costumava ouvir seu pai contar, sendo passada de pai para filho, e quando ele era pequeno ele não dava muita atenção, mas quando ele se tornou homem ele decidiu que iria aprendê-las, e pediu a seu pai que as ensinasse, o que o seu pai fez, e agora ele sabia todas elas.

A estória da criação

No começo, não havia terra, água – nada. Havia apenas uma Pessoa, Juh-wert-a-Mai-kai (O Curandeiro da Terra).

Ele apenas flutuava, pois nã havia lugar para ele pisar. Não havia sol, nem luz, e ele apenas flutuava na escuridão, que era a própria Escuridão.

Ele vagava por lugar nenhum até que ele decidiu que já tinha vagado demais. Então ele esfregou em seu peito e  tirou moah-hahttach, que é a respiração, ou terra gordurosa. Isto ele esfregou na palma e sua mão e equilibrou. Ela caiu três vezes, mas na quarta vez ficou suspensa no meio do ar e lá permanece até agora como o que chamamos de Terra.

O primeiro arbusto ele criou foi o arbusto greasewood (1).

E ele fez formigas, formigas pequeninas, para viver naquele arbusto, sobre a seiva que saia de seu tronco.

Mas essas formiguinhas não faziam nada de bom, então ele criou as formigas brancas, e estas trabalhavam e aumentavam a Terra; e elas a mantinham crescendo, maior e maior, até que que ficou grande o suficiente para ele permanecer sobre ela.

Então ele cirou a Pessoa. Ele o fêz de seu olho, tirado da sombra de seus olhos, para o ajudá-lo, para ser como ele, e para ajudá-lo a criar árvores e seres humanos e tudo o que estava sobre a Terra.

O nome deste ser era Noo-ee (o Abutre).

A Nooee foi dado todo o poder, mas ele não trabalhou para o que ele foi criado. Ele não ligava em ajudar Juhwertamahkai, mas ele o deixou por sua própria conta.

E assim o Curandeiro da Terra criou ele mesmo as montanhas e tudo o que foi semeado e bom de comer. Pois se ele tivesse criado os seres humanos primeiro eles não teriam nada para se sustentar.

Mas depois de fazer Nooee e antes de fazer as montanhas e sementes para comida, Juhwertamahkai fez o sol.

A fim de fazer o sol ele primeiro fez a água, e então ele a colocou num vaso oco, como um prato de barro (hwas-hah-ah) para ficar duro como gelo. E esta bola dura ele colocou no céu. Primeiro ele colocou ela no Norte, mas isso não funcionou; então ele a colocou no Oeste, mas isto não funcionou; então ele a colocou no Sul, mas isto não funcionou; então ele a colocou no Oeste e lá ele funcionou como ele queria.

E a lua ele fez do mesmo jeito e ele tentou nos mesmo lugares, como os mesmos resultados.

Mas quando ele fez as estrelas ele encheu a boca de água e cuspiu nos céus. Mas na primeira noite as estrelas não iluminaram o bastante. Então ele pegou a Pedra Curandeira (diamante), o tone-dum-hw-teh, e a despedaçou, e pegou os pedaços e os jogou nos céus para se misturar com a água nas estrelas, e então houve luz bastante.

E assim Juhwertamahkai, esfregou o seu peito novamente, e dessa subtância ele obteve dois bonequinhos, e ele os colocou na Terra. E eles eram seres humanos, homem e mulher.

E assim por um tempo as pessoas se multiplicaram até que encheram a Terra. Pois os primeiros pais era perfeitos, e não havia doença e nem morte. Mas quando a Terra se encheu, então não havia nada para comer, então eles mataram e comeram uns aos outros.

Mas Juhwertamahkai não gostou do jeito que seu povo agiu, matando-se uns aos outros, e então ele deixou que o céu caísse sobre eles e os matasse. Mas quando o céu caiu ele pegou uma estaca e quebrou um buraco nele, através do qual ele e Nooee emergiram e escaparam, deixando atrás deles toda a gente morta.

E Juhwertamahkai, estando agora no topo do céu caído, fez de novo o homem e a mulher, do mesmo jeito que antes. Mas esse homem e mulher ficaram cinzas quando velhos, e suas crianças ficaram cinzas mesmo jovens, e seus filhos ficaram cinzas ainda mais jovens, e assim foi até que os bebês ficaram cinzas ainda no berço.

E Juhwertamahkai não gostou disso, e deixou o céu cair de novo, e criou tudo de novo do mesmo jeito, e dessa vez ele criou a tera como é hoje.

Mas no início a inclinação do mundo estava para o ocidente, e não havia montanhas subindo dessa inclinação e não havia verdadeiros vales, e toda a água cáia e não havia água para o povo beber. Então Juhwertamahkai mandou Nooee para voar entre as montanhas, e sobre a terra, para cortar vales com suas asas, assim a água poderia ser contida e distribuída e haveria bastante para as pessoas beberem.

Assim o sol era macho e a lua era fêmea e eles se encontravam uma vez por mês. E a lua se tornou mãe e foi para uma montanha chamda Tahs-my-et-tahn Toe-ahk (montanha do sol maravilhoso) e lá deu à luz a um bebê. Mas ela tinha tarefas para fazer, virar-se e prover luz, assim ela fez um cantinho para sua criança juntando arbustos de ervas daninhas e o deixou lá. E a criança, não tendo leite, foi nutrida pela terra.

E essa criança era o coiote, e quando ele cresceu, ele saiu para caminhar e nessas andanças ele chegou até a casa de Juhwertamahkai e Nooee, onde ele ficou vivendo.

E quando ele chegou lá Juhwertamahkai reconheceu ele e o chamo de Toe-hahvs, porque ele esta deitado nos arbustos com esse nome.

Mas agora lá do Norte veio outro poderoso personagem, que tinha dois nomes, See-ur-huh e Ee-ee-toy.

Assim Seeurhuh significa irmão mais velho, e quando esse personagem veio até Juhwertamahkai, Nooee e Toehahvs ele chamou eles de seus irmãos mais novos. Mas eles afirmara que eles estavam aqui primeiro e eram mais velhos que ele, e havia uma disputa entre eles, Mas finalmente ele insistiu tanto, e apenas para agradá-lo, eles o deixaram ser chamado de irmão mais velho.

Fonte:  LLOYD, J. Williams. Aw-Aw-Tam Indian Nights, 1911.

Links:

http://www.sacred-texts.com/nam/sw/ain/index.htm

http://www.nativeamericanembassy.net/SACRED_TEXTS/www.sacred-texts.com/stbib.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Pima

http://www.gilariver.org/

Estórias de coiote:

http://www.mesacc.edu/~tomshoemaker/mourningdove/

Notas:

Greasewood é um arbusto encontrado em solos alcalinos e salinos desde o Canadá até o México. Os indígenas usam as sementes e folhas como alimento, pois tem gosto salgado. Os Hope e outros antivos as usam para combustível e varas de plantação. que tem gosto Indians used the seeds and leaves, which taste salty, for food (Elmore, 1976). The Hopi and other Native Americans use greasewood for fuel and for planting sticks (USDA Plant Profiles). No Parque Histórico Nacional da Cultura Chaco é utilizado para a construção, especialmente de vergas, de combustível, sendo uma das madeira preferida para fogueiras usado pelo povo Kiva.

http://www.explorenm.com/plants/Chenopodiaceae/Sarcobatus/vermiculatus/

O fantasma de Dangerfield Newby

Um dos rebeledes comandados por John Brown, era um homem negro chamado Dangerfield Newby. Ele foi libertado por seu pai branco, mas sua mulher e sete filhos ainda estavam escravizados perto de Warrenton, VA.  O dono de sua esposa disse a Dangerfield, que pelo valor de $ 1.500,00 (mil e quinhentos dólares) iria vendê-la e os seus filhos mais novos. Quando Newby levantou a soma com o pai branco para comprá-los, o capitão subiu o preço. Ele ficou angustiado e ainda mais pensando na carta que recebeu da esposa:

“Querido marido: Eu quero que você me compre logo que possível, pois se você não o fizer, alguém fará. Os empregados são ruins e fazem de tudo para me jogar contra a patroa. Querido marido. . . Nos últimos dois anos foram como um pesadelo para mim. Diz-se que o dono está com falta de dinheiro. Se assim for, não sei quando ele pode me vender, e depois todas as minhas esperanças brilhantes no futuro são destruídas, pois se há uma coisa que me ilumina em meus problemas, é estar com você, porque se eu penssar que eu nunca mais iria vê-lo, esta terra não teria encantos para mim. Faça tudo que puder por mim, e eu não tenho nenhuma dúvida que você vai. Eu quero vê-lo tanto.”

Desesperado, então ele se juntou a John Brown, um abolicionista, na esperança de libertar sua mulher e filhos.

Mas os rebeldes não foram felizes, pois os cidadãos se armaram contra eles  na madrugada do dia 17.  Havia uma grande quantidade de armas na cidade pois eram fabricadas lá, mas não havia muita munição, e os habitantes da cidade atiravam em qualquer coisa.

Um tiro atingiu Dangerfield Newby na garganta, matando-o instantaneamente. Ele se tornou o primeiro a morrer na revolta. O povo se lembrou da Rebelião de Nat Turner 30 anos antes, em South Hampton e eles se ficaram tão enfurecidos em seu medo e ignorância, que descontaram a frustração no corpo do Newby. Ele foi mutilado e arrastado para um beco próximo, onde foi deixado aos porcos. Inclusive há um livro da época que cita, que “os bons cidadãos da cidade nem deram bola ao gosto da carne dos porcos nessa época”.

Desse dia em diante o beco foi chamdo de “Beco do porco”. Algumas noites, se você andar pelas ruas de Harpers Ferry, pode acontecer de você encontrar um homem negro de aproximadamente 45 anos, vestindo calças largas eum velho chapéu, com uma terrível cicatriz em sua garganta, e você vai saber que você encontrou Dangerfield Newby, ainda tentando libertar sua esposa e filhos.

Fontes:

http://www.pbs.org/wgbh/aia/part4/4p2941.html

http://en.wikipedia.org/wiki/John_Brown_%28abolitionist%29

http://www.blackamericaweb.com/?q=articles/news/the_black_diaspora_news/25750&page=190

O Grito do Papagaio

Meu tio John era um tenente da força aérea (1), servindo na RAF (Royal Air Force) durante a guerra e foi enviado para a Gâmbia.

Uma parte da floresta havia sido desmatada para colocar criar uma pista de pouso para aviões pesados ​​e havia tendas para acomodar os homens. John dormia em uma barraca dormitório com alguns dos outros pilotos, enquanto outros estavam treinando ou em missões. Eles nunca estavam todos reunidos os mosquitos infernizavam todo mundo e mesmo que eles tomassem doses diárias de quinino a maioria deles pegava malária. Mais assustador do que a malária era o pensamento de pegar a “febre da água negra” (2).

Um dos pilotos havia comprado papagaio africano cinza para servir de mascote e ele o pôs para morar em uma vara na tenda. Eles são de um tipo pequeno, bem inteligente e segundo se diz, os que melhor aprender a falar.

No início da manhã, quase de madrugada, a aeronave que havia saído naquela noite tinha voltado zumbido muito, um após o outro, os pilotos adormecidos acordaram com o barulho.  Aqueles na tenda não conseguiam distinguir um motor do outro, mas a Polly conhecia o som do avião de seu dono. Quando ele o ouviu se aproximando, ela desceu do seu poleiro, para fora da tenda, e começam a andar à beira da pista. Quando o seu piloto saía do carro e entregava o avião para a equipe de terra, ele encontrava a Polly à espera e logo ela subia em seu ombro.

John tinha aprendido a dormir com o barulho dos vôos retornando.  Uma manhã, a Polly estava ouvindo  uma aeronave após outra, e em seguida, ouviu o que ela estava procurando e começou a descer de seu pedestal.  Naquele momento, o motor parou e foi seguido por um estrondo. O papagaio gritou um som sobrenatural que nunca ninguém tinha ouvido antes. John acordou assustado. Anos depois, quando ele me falou, ele disse que ele ainda acordado no meio da noite, por vezes, ao som de gritos.  O avião caiu, pegou fogo e todas as vidas foram perdidas.

Os outros pilotos passaram a cuidar do papagaio e quando a guerra acabou, infelizmente, a única coisa que se arranjou para ele foi ir para o zoológico de Londres. Após isso sempre que algum deles esteva em Londres iam ver o papagaio. Eles podiam sumir por anos, mas o papagaio sempre os reconhecia de longe e começam a dançar com alegria para frente e para trás em seu poleiro. E  ela só fazia isso para eles.

Notas:

(1) uma patente de RAF, intermediário entre oficial de vôo e líder de esquadrão, de uma pessoa de uma pessoa no comando de aeronaves.

(2) Essa febre é uma complicação da malária caracterizada por hemólise intravascular, hemoglobinúria e insuficiência renal. É causada por parasitismo pesados ​​dos glóbulos vermelhos por Plasmodium falciparum. Houve pelo menos um caso, no entanto, atribuída ao Plasmodium vivax.

© Copyright de conteúdo contribuíram para este Arquivo incumbe ao autor. Saiba como você pode usar isso.

‘WW2 People’s War é um arquivo online archive de meórias de guerra e contribuição de membros do público reunido pela  BBC. O arquivopode ser encontrado no site http://www.bbc.co.uk/ww2peopleswar.

Estória de  ‘heathlibrary, WW2 People’s War’

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 133 outros seguidores