Arquivo mensal: julho 2010

O Primeiro Homem

Baiame, o Pai Celestial. Ele desceu dos céus, criando terra, floresta e rios, e finalmente a humanidade. Depois ensinou leis e regras de convivência, criando também o primeiro local sagrado para os rituais de inciação.

Um dia Baiame resolveu viajar através da terra que ele havia criado, e estava solitário pois não havia ninguém para conversar. Ele juntou terra vermelha em suas mãos e a moldou na forma de seres humanos. Dois homens ele fez, e então só havia terra bastante para fazer uma única mulher.

Isso significava problemas, mas Baiame não conhecia suficiente a respeito dos filhos de sua criação para perceber isso. Ele morou um tempo com eles, ensinando-lhes quais plantas eram boas para comer, como cavar raízes da  terra, e onde encontar as melhores larvas “.

“Com isto, e a água para beber, vocês podem viver, e suas barrigas nunca estão vazias. “disse. Depois que ele os deixou, e retornou para sua casa no céu. Por algum tempo as três pessoas viveram felizes juntas, mas depois de um tempo, veio uma seca longa e severa. As plantas murcharam, as raízes estavam difíceis de encontrar, e as larvas parecia ter desaparecido.

“Temos de encontrar algo para comer, ou vamos morrer de fome “, disse a mulher.

“Mas não há nada.”

“Há animais. Nós deve caçá-los e, em seguida haverá carne para comer e sangue para beber. ”

O homem olhou-a consternado. “O Pai Espírito não nos deu permissão para matar os animais que ele fez”, eles se opuseram.

“Mas ele também não disse que não podíamos matá-los”, respondeu ela. “Tenho certeza que ele espera que nós pensemos por nós mesmos.” Um dos homens se convenceu. Ele espreitou um pequeni canguru pequeno e o matou com uma pedra afiada.

“Agora o que vamos fazer?” ele perguntou.

“Vou mostrar a vocês,” disse a mulher. Ela cavou um buraco raso e queimou madeira nele até que um montão de brasas incandescentes e pedras quentes aparecesse no fundo. Ela chamuscou a pele do canguru e assou a carne.

“Aqui estamos nós”, disse ela. “Vamos encher a barriga com a boa comida que Baiame nos deu”.  O caçador se agachou ao lado dela, e afundou os dentes na carne semi-cozida. “É boa!” disse o homem, seus olhos acesos em aprovação. “Venha saborear o novo alimento,” disse ele ao seu companheiro.

O outro homem afastou-se. ‘Este não é o que Baiame nos ensinou. Uma coisa terrível vai acontecer, porque vocês fizeram isso. Eu prefiro passar fome do que comer um dos filhos do Baiaime.”

Grande foi a comoção da árvore ao ser atingida pelo corpo, que as raízes saíram da terra e a arvore flutuou para os céus, carregando o homem e o espírito do mal.

Nada do que eles pudesse dizer o faria mudar de idéia. O cheiro de carne assada o enjôou e ele correu pela planície. Os outros seguiram-no à distância. Ele estava fraco, com fome e acabou caindo no pé de um eucalipto(1)  e tombou imóvel.

Os outros olharam para ele com espanto que passou a ser medo quando um espírito escuro com os olhos piscando deslizou dos galhos da árvore. Ele pegou o corpo de seu amigo e atirou-o de tal modo que ele caiu no tronco de uma árvore oca. Então surgiu atrás do corpo. Duas cacatuas brancas, perturbadas pelos movimentos do espírito do mal, gritaram e voaram em círculos.

A árvore gemeu, o solo se perturbou tanto que as raízes foram empurradas para fora da terra. Ela se levantou no ar, seguida pelo cacatuas, e sumiu no espaço infinito do céu. A escuridão caiu, e nada podia ser visto, além dos pontinhos brancos que eram as cacatuas, e quatro olhos de fogo que brilhavam fora do tronco oco. Eles eram os olhos de seu amigo e do espírito do mal.

A árvore se perdeu de vista, mas os quatro pontos de luz, que eram os olhos do homem e do espírito maligno, e as asas brancas das cacatuas ficaram no  céu. Os olhos permaneceram dentro da árvore de eucalipto que é conhecida como Yaraan-do, e tornaram-se as estrelas da constelação do Cruzeiro do Sul, enquanto o cacatuas brancas, que lhe seguiram, são Alfa e Beta Centauri(1)(3).

Fonte:

A.W. Reed, Aboriginal Fables and Legendary Tales

Links:

http://www.astro.wisc.edu/~dolan/constellations/extra/Centaurus.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Alfa_Centauri

http://pt.wikipedia.org/wiki/Beta_Centauri

http://pt.wikipedia.org/wiki/Centaurus

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/first_man.php

Notas:

(1) No original white gum tree, ou seja, uma espécie de eucalipto, que na Austrália são chamadas de árvores de goma. Essa espécie é a Eucalyptus alba que tem folhas largas e flores creme, sendo encontrada ao nordeste do país.

(2) Beta Centauri (também conhecida como Hadar) é uma gigante azul de aproximadamente 4,000 anos.  As duas estrelas, Alfa e Beta, parecem dois olhos. Elas são chamadas “estrelas indicadoras” porque elas apontam para o Cruzeiro do Sul ao oeste. Alguns aborígenes australianos as chama de “Os Dois Homens Que Antes Foram Leões”. Outros as chamam de gêmeos que criaram o mundo.

(3) De acordo com o site Earthsong, a lenda diz respeito à santidade da vida animal e o advento da morte no mundo. Baiame criou o homem e mulher para viver de plantas, e quando um dos homens matou um canguru para comer, provocou o medo do outro, que correu para longe. Ele caiu morto e apareceu Yowi, O Espírito da Morte, que saiu da árvore e tragou o corpo, assustando duas cacatuas que tinham o ninho ali. A árvore ascendeu ao ceú. As duas cacatuas até hoje tentam retornar ao seu ninho na árvore, que agora é o Cruzeiro do Sul, por isso Alfa e Beta Centauri (que são as duas cacatuas) estão apontando ou indo em direção ao Cruzeiro. Elas são um aviso para não comer o fruto proibido

De acordo com alguns relatos aborígenes, Yowi ou Yowie, ou ainda ´Yahoo‘, significa tanto “demônio”, “espírito maligno” ou “espírito do mal”. Se desconfia que o nome Yahoo vem do livro de Jonathan Swift, “Viagens de Gulliver” (1726), onde se menciona uma raça aborígene chamada Yahoos. Provavelmente os colonizadores europeus resolveram aplicar o nome à lendaria criatura, parecida com o Yeti, que diziam existir na Austrália.. O termo “Yowie” começou a ser aplicado na década de 1970, aparentemente por causa da palavra aborígene ‘Youree‘, or ‘Yowrie‘, que se supõe ser o termo legítimo para homem-monstro peludo.

Anúncios

O primeiro chama-alma

clipped from www.reefed.edu.au
http://www.reefed.edu.au/__data/assets/image/0006/17169/bull_roarers.jpg
blog it

Enquanto os irmãos Byama estavam caçando eles deixaram seus filhos, que  tinham ambos chamados Weerooimbrall, sobre um pequeno planalto cercado por grandes rochas.  Eles achavam que os meninos estariam seguros neste lugar protegido, mas eles não tinham pensando em Thoorkook e seus cães.

Eles tinham ofendido Thoorkook algum tempo antes, e enfim a chance da vingança chegou.  Ele tinha visto os dois irmãos subindo o morro atrás de seu acampamento, acompanhado de seus filhos, e os viu sair do platô sem eles. Seus cães através do matagal e subiram o morro, e quando Thoorkook conseguiu subir a plataforma rochosa, achou os cães lutand pelos restos dos dois corpos mutilados.

Durante toda a noite se cantava tristemente no acampamento Byama pois os parentes dos meninos choravam a sua perda.  Ao amanhecer os pais estavam com a intenção de vingar-se,  mas nada podia aliviar a dor das duas mães. Passaram o dia trabalhando em silêncio com as lágrimas rolando de suas bochechas e entre os assobios do fogo a cozinhar.

Quando chegou a noite seus gritos irromperam novamente.  Elas vagavam longe do acampamento. Os outros membros da tribo estremeceram e correram para dentro de suas cabanas(1), tapando seus ouvidos para não ouvir seus lamentos.  Noite após noite continuou até que finalmente as mulheres foram transformadas em maçaricos, cujo choro continuará através das longas noites até o fim dos tempos.

“Nós perdemos nossos filhos”, o mais velho dos Byama disse, “e agora nossas mulheres também se foram.  Nós não seremos mais homens, se não matarmos Thoorkook e seus cães. ”

“É verdade”, concordou seu irmão “, mas Thoorkook é um homem mau e seus cães nos rasgarão em pedaços, se nós entrarmos em seu acampamento.

“Muitos cães, muito medo, meu irmão. Um cão, um pouco de medo. ”

O mais jovem compreendeu. “Mas como?” ele perguntou.

“Eu vou te mostrar.”

Ele amarrou uma pele enrolada em seu cinto e começou o lento ritmo da dança do canguru. Ele gritou e murmurou  feitiços, e gradualmente seus braços enrugados, suas pernas ficaram grossas e fortes, e a pele enrolou-se transformando-se em uma cauda. O homem tinha ido embora e em seu lugar ficou um canguru. O mais jovem dos Byama imaginou o que seu irmão ia fazer, mas seguiu seu exemplo e, de repente dois grandes cangurus pularam para o acampamento de Thoorkook.

Os cães os farejaram e foram rosnando para eles, esforçando-se para alcançá-los. Os cangurus fugiram com os cachorros em sua perseguição. Um deles, mais forte e mais rápido que os outros, tenho bem à frente do resto do bando.  Quando estava perto de seus calcanhares os cangurus pararam e balançaram seus rabos batendo em sua cabeça que foi esmagada virando uma pasta.  Os outros cães quase os alcançaram quando eles acabaram.  Eles correram mais uma vez, até que outro cão tomou a liderança.

Durante todo o dia seguinte, os irmãos canguru rodearam a planície, esperando até que um único cão chegasse perto o suficiente para eles para dar cabo dele.  Até ao final do dia todos os cães foram mortos. Os irmãos voltaram à forma humana, eles seguiram para o campo do assassino de seus filhos, e o mataram bem lentamente.  O espírito Thoorkook alçou e se tornou um mopoke (2) solitário.

A vergonha da morte dos dois Weerooimbralls acabou, mas o assassinato de Thoorkook não poderia devolver a vida dos meninos, nem trazer de volta as esposas maçarico, e os irmãos se tornaram homens solitários.

Um dia o mais jovem Byama estava usando o seu machado para tirar uma larva de uma fenda no tronco de uma árvore, quando de repente ele corta um grande pedaço de casca. A casca foi arremessada pelo ar, girando tão rapidamente que ele fez um som peculiar. O irmão mais velho se voltou.

“É a voz de meu filho!” ele sussurrou. Ele escondeu o seu entusiasmo.

“Não há nenhuma caça aqui”, disse a seu irmão. “Você vai lá e eu vou na direção oposta. Nos reuniremos no acampamento esta noite. ”

Assim que o jovem Byama estava fora de vista, ele caiu de joelhos e examinou a lasca, girando-a em suas mãos, se perguntando como ele poderia fazê-lo girar no ar como tinha feito quando ela tinha saltado do tronco da árvore. Jogou-o várias vezes, mas ele caiu no chão sem fazer barulho. Ele pegou sua faca, cortou um pequeno orifício na extremidade da lasca, atando um longo pedaço de corda que ele tirou de sua bolsa, e girou ela em volta de sua cabeça. Novamente a voz suave de Weerooim-brall foi ouvida.

Levando seu machado de pedra com ele, Byama voltou para a árvore e cortou um pedaço muito maior de madeira fina. Ele a esculpiu na mesma forma que o pedaço de casca de árvore, fez um buraco no final,  amarrou um cordão forte, e  girou ao redor de sua cabeça.

O jovem Byama estava a caminho de casa, sobrecarregado com a captura do dia. Ele correu até seu irmão. “Eu ouvi a voz de meu filho Weerooimbrall! , gritou ele.

“Ele não está aqui. Você sabe que ele está morto. ”

“Mas eu o ouvi. Sua voz era alta e clara. ”

“Como foi isto?” O mais velho Byama balançou o pedaço fino de madeira na extremidade do cabo. Ele girou e girou e chorou como uma voz humana.

“O que é isso?”  O jovem Byama perguntou confuso. “O que você está fazendo? É o meu filho falando e me chamando! ”

“Não, irmão, não é seu filho. Não é meu filho. Mas seus espíritos vivem nesse pedaço de madeira, gritando para nós com suas próprias vozes.

E assim o primeiro chama-alma foi feito. Foi uma coisa sagrada que preservou os espíritos dos meninos que tinham sido mortos por Thoorkook. Isso nunca foi mostrado para mulheres. Eles só precisavam ser colocado em uma corda para trazer as vozes dos meninos para a vida.

Como o passar dos anos entrou em ritos de iniciação dos jovens, que foram informados de que os espíritos dos Weerooimbralls estavam presentes neles, compartilhando experiências de masculinidade com eles, protegendo-os do mal, e fortalecendo-os no seu calvário.

Mais sobre o bullroarer:

http://jonasfeliz.blogspot.com/2009/06/bullroarer-chama-alma-ou-berra-boi.html

Notas:

1) No original wurley, um tipo de cabana aborígene.

2) . Também chamado de ruru na Nova Zelândia é uma coruja pequena, Ninox novaeseelandiae. Na Austrália o “urutau”(3) marron, Podargus strigoides, é muitas vezes chamado de mopoke.

2. Gíria australiana e neo-zelandesa para pessoa lenta ou lúgubre, também chamado de morepork (imitação do pio do pássaro).
3) Nota dentro da nota: como não achei tradução melhor, decide nomear o passário de urutau, porque na verdade ele usa o mesmo recurso de mimetização dele.

fontes:

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/bullroarer.htm

Links interessantes:

http://jonasfeliz.blogspot.com/2009/06/bullroarer-chama-alma-ou-berra-boi.html

http://www.uq.edu.au/aerc/index.html?page=40650

www.pt.wikipedia.org/wiki/Urutau

http://en.wikipedia.org/wiki/Bullroarer_%28music%29

http://www.paultaylor.ws/news.html