Arquivo mensal: março 2011

Estórias irlandesas de fantasmas

Essa é uma das estórias do livro “Estórias Irlandesas de Fantasmas Verdadeiros”, de John. D. Seymour.

Eu abri a porta mas não havia ninguém lá. De onde vieram os passos?

“Na quarta-feira, 17 de outubro, 1879, eu tinha recebido uma carta muito alegre de meu amigo, anunciando que o seu filho havia nascido, e que que tudo estava progredindo satisfatoriamente. Na  noite de quarta-feira seguinte, 22 de outubro, retirei-me para a cama por votla de dez horas. Minha esposa, os filhos, e duas empregadas estavam dormindo no andar de cima, e eu tinha uma pequena cama no meu escritório, que estava no térreo. A casa estava envolta em trevas, e os únicos sons que quebravam o silêncio era o tique-taque do relógio da sala.

“Eu estava me preparando silenciosamente para ir dormir, quando para minha surpresa ouvi com a mais inquestionável certeza, o som de passos suaves e apressados, que sugeriam exatamente passos de uma jovem dama, vindo da porta da sala e atravessando o corredor. Os passos seguiram, com alguma hesitação, à porta do escritório, e ao chegar lá,  parou. Então eu ouvi o som de uma mãozinha agitada, mas suave, aparentemente procurando a maçaneta da porta.

Eu tinha achado que era minha esposa que tinha descido e queria falar comigo, eu sentei na cama, e chamei-a pelo nome, perguntando qual era o problema. Como não houve resposta, e os sons cessaram, eu risquei um fósforo, acendi uma vela, e abri a porta. Não escutei nada nem vi ninguém. Subi as escadas, encontrei todas as portas fechadas e todos adormecidos.

Extremamente perplexo, voltei para a saleta e fui para a cama, deixando a vela acesa. Imediatamente tudo recomeçou, mas dessa vez a maçaneta da porta foi aberta pela mão invisível, e abrindo a porta parcialmente, desistiu de entrar. Procurei novamente pela pessoa, com resultados igualmente fúteis. O relógio bateu onze horas, e então todos os distúrbios cessaram.

“Na manhã de sexta-feira eu recebi uma carta informando que a esposa do meu amigo havia morrido à meia-noite da quarta-feira anterior. Viajei apra Adere para falar com o meu amigo.  Eu vou terminar a estória com um item de nossa conversa. Ele me disse que sua esposa piorou rapidamente na quarta-feira, até quando a noite chegou, e ela tornou-se delirante. Ela falava de forma incoerente, como se lembrando de cenas e lugares, uma vez familiares. “Ela pensou que estava em sua casa”, disse ele, e aparentemente conversando com você, e ela costumava manter o silêncio em intervalos como se estivesse ouvindo as suas respostas.

Perguntei-lhe se ele poderia lembrar da hora em que a conversa imaginária ocorreu. Ele respondeu que, curiosamente, ele poderia dizer com precisão, pois ele olhou para seu relógio, e vi que era entre dez e meia e onze horas – o horário exato das manifestações misteriosas ouvida por mim.”

Links:

Um vídeo interessante sobre o Dia de Finados – filmado em Manaus:

http://avvarelafilmes.blogspot.com/2011/01/dia-dos-mortos-filmado-em-2007-autor.html

Cidades Fantasmas:

http://www.oldiesmusicradio.com/

Lugares assombrados:

http://ghoststoriesandhauntedplaces.blogspot.com/

A estória da criação

Uma lenda dos Pimas

Introdução:
O ancião, Comalk Hwak-Kih (Carmurça Fina) começou dizendo que estas eram estórias que ele costumava ouvir seu pai contar, sendo passada de pai para filho, e quando ele era pequeno ele não dava muita atenção, mas quando ele se tornou homem ele decidiu que iria aprendê-las, e pediu a seu pai que as ensinasse, o que o seu pai fez, e agora ele sabia todas elas.

A estória da criação

No começo, não havia terra, água – nada. Havia apenas uma Pessoa, Juh-wert-a-Mai-kai (O Curandeiro da Terra).

Ele apenas flutuava, pois nã havia lugar para ele pisar. Não havia sol, nem luz, e ele apenas flutuava na escuridão, que era a própria Escuridão.

Ele vagava por lugar nenhum até que ele decidiu que já tinha vagado demais. Então ele esfregou em seu peito e  tirou moah-hahttach, que é a respiração, ou terra gordurosa. Isto ele esfregou na palma e sua mão e equilibrou. Ela caiu três vezes, mas na quarta vez ficou suspensa no meio do ar e lá permanece até agora como o que chamamos de Terra.

O primeiro arbusto ele criou foi o arbusto greasewood (1).

E ele fez formigas, formigas pequeninas, para viver naquele arbusto, sobre a seiva que saia de seu tronco.

Mas essas formiguinhas não faziam nada de bom, então ele criou as formigas brancas, e estas trabalhavam e aumentavam a Terra; e elas a mantinham crescendo, maior e maior, até que que ficou grande o suficiente para ele permanecer sobre ela.

Então ele cirou a Pessoa. Ele o fêz de seu olho, tirado da sombra de seus olhos, para o ajudá-lo, para ser como ele, e para ajudá-lo a criar árvores e seres humanos e tudo o que estava sobre a Terra.

O nome deste ser era Noo-ee (o Abutre).

A Nooee foi dado todo o poder, mas ele não trabalhou para o que ele foi criado. Ele não ligava em ajudar Juhwertamahkai, mas ele o deixou por sua própria conta.

E assim o Curandeiro da Terra criou ele mesmo as montanhas e tudo o que foi semeado e bom de comer. Pois se ele tivesse criado os seres humanos primeiro eles não teriam nada para se sustentar.

Mas depois de fazer Nooee e antes de fazer as montanhas e sementes para comida, Juhwertamahkai fez o sol.

A fim de fazer o sol ele primeiro fez a água, e então ele a colocou num vaso oco, como um prato de barro (hwas-hah-ah) para ficar duro como gelo. E esta bola dura ele colocou no céu. Primeiro ele colocou ela no Norte, mas isso não funcionou; então ele a colocou no Oeste, mas isto não funcionou; então ele a colocou no Sul, mas isto não funcionou; então ele a colocou no Oeste e lá ele funcionou como ele queria.

E a lua ele fez do mesmo jeito e ele tentou nos mesmo lugares, como os mesmos resultados.

Mas quando ele fez as estrelas ele encheu a boca de água e cuspiu nos céus. Mas na primeira noite as estrelas não iluminaram o bastante. Então ele pegou a Pedra Curandeira (diamante), o tone-dum-hw-teh, e a despedaçou, e pegou os pedaços e os jogou nos céus para se misturar com a água nas estrelas, e então houve luz bastante.

E assim Juhwertamahkai, esfregou o seu peito novamente, e dessa subtância ele obteve dois bonequinhos, e ele os colocou na Terra. E eles eram seres humanos, homem e mulher.

E assim por um tempo as pessoas se multiplicaram até que encheram a Terra. Pois os primeiros pais era perfeitos, e não havia doença e nem morte. Mas quando a Terra se encheu, então não havia nada para comer, então eles mataram e comeram uns aos outros.

Mas Juhwertamahkai não gostou do jeito que seu povo agiu, matando-se uns aos outros, e então ele deixou que o céu caísse sobre eles e os matasse. Mas quando o céu caiu ele pegou uma estaca e quebrou um buraco nele, através do qual ele e Nooee emergiram e escaparam, deixando atrás deles toda a gente morta.

E Juhwertamahkai, estando agora no topo do céu caído, fez de novo o homem e a mulher, do mesmo jeito que antes. Mas esse homem e mulher ficaram cinzas quando velhos, e suas crianças ficaram cinzas mesmo jovens, e seus filhos ficaram cinzas ainda mais jovens, e assim foi até que os bebês ficaram cinzas ainda no berço.

E Juhwertamahkai não gostou disso, e deixou o céu cair de novo, e criou tudo de novo do mesmo jeito, e dessa vez ele criou a tera como é hoje.

Mas no início a inclinação do mundo estava para o ocidente, e não havia montanhas subindo dessa inclinação e não havia verdadeiros vales, e toda a água cáia e não havia água para o povo beber. Então Juhwertamahkai mandou Nooee para voar entre as montanhas, e sobre a terra, para cortar vales com suas asas, assim a água poderia ser contida e distribuída e haveria bastante para as pessoas beberem.

Assim o sol era macho e a lua era fêmea e eles se encontravam uma vez por mês. E a lua se tornou mãe e foi para uma montanha chamda Tahs-my-et-tahn Toe-ahk (montanha do sol maravilhoso) e lá deu à luz a um bebê. Mas ela tinha tarefas para fazer, virar-se e prover luz, assim ela fez um cantinho para sua criança juntando arbustos de ervas daninhas e o deixou lá. E a criança, não tendo leite, foi nutrida pela terra.

E essa criança era o coiote, e quando ele cresceu, ele saiu para caminhar e nessas andanças ele chegou até a casa de Juhwertamahkai e Nooee, onde ele ficou vivendo.

E quando ele chegou lá Juhwertamahkai reconheceu ele e o chamo de Toe-hahvs, porque ele esta deitado nos arbustos com esse nome.

Mas agora lá do Norte veio outro poderoso personagem, que tinha dois nomes, See-ur-huh e Ee-ee-toy.

Assim Seeurhuh significa irmão mais velho, e quando esse personagem veio até Juhwertamahkai, Nooee e Toehahvs ele chamou eles de seus irmãos mais novos. Mas eles afirmara que eles estavam aqui primeiro e eram mais velhos que ele, e havia uma disputa entre eles, Mas finalmente ele insistiu tanto, e apenas para agradá-lo, eles o deixaram ser chamado de irmão mais velho.

Fonte:  LLOYD, J. Williams. Aw-Aw-Tam Indian Nights, 1911.

Links:

http://www.sacred-texts.com/nam/sw/ain/index.htm

http://www.nativeamericanembassy.net/SACRED_TEXTS/www.sacred-texts.com/stbib.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Pima

http://www.gilariver.org/

Estórias de coiote:

http://www.mesacc.edu/~tomshoemaker/mourningdove/

Notas:

Greasewood é um arbusto encontrado em solos alcalinos e salinos desde o Canadá até o México. Os indígenas usam as sementes e folhas como alimento, pois tem gosto salgado. Os Hope e outros antivos as usam para combustível e varas de plantação. que tem gosto Indians used the seeds and leaves, which taste salty, for food (Elmore, 1976). The Hopi and other Native Americans use greasewood for fuel and for planting sticks (USDA Plant Profiles). No Parque Histórico Nacional da Cultura Chaco é utilizado para a construção, especialmente de vergas, de combustível, sendo uma das madeira preferida para fogueiras usado pelo povo Kiva.

http://www.explorenm.com/plants/Chenopodiaceae/Sarcobatus/vermiculatus/

A isca de sapos e o Bunyip

Abaixo do billabong  (1) tinha uma cabeça entre os juncos. E assim permaneceu sem que ninguém tenha notado. Três patos passaram. Na escuridão, não houve movimento brusco. Duas mãos saltaram e agarraram suas pernas, puxando os patos para o lago e torcendo o pescoço de modo tão rápido e silencioso que o terceiro pato afastou sem saber o que tinha acontecido com os outros.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

O homem sapo se levantou, tremendo um pouco por causa da brisa fresca da noite. Amarrou os patos seu cinto e estava prestes a ir para a terra, onde sua esposa estava esperando por ele, quando ele viu um vulto enorme e cinza sair do pântano. Era um Bunyip (2), o monstro terrível dos pântano e billabongues.

O rapaz não desperdiçou o fôlego gritando. Ele nadou na água rasa numa pressa frenética em direção à margem. Sua esposa também tinha visto o Bunyip.

“Dê-me os patos”, ela disse assim que ele se aproximou.

Ele os entregou a ela, jogando-se na areia, ofegante.

“Não há tempo para esperar aqui”, disse ela. “O monstro está se aproximando.”

“Espere até eu recuperar o fôlego”, ele suspirou.

“Vamos”, ela pediu a ele. “O Bunyip vai nos pegar se você não se apressar.”

Ela puxou ele pelos pés, mas assim que ela o fez o  Bunyip esticou o braço longo, e suas garras fecharam no corpo dela. O marido a agarrou pelo braço e tentou salvá-la, mas o Bunyip a levantou, a enfiou debaixo do braço, e desapareceu na escuridão.

O homem estava desesperado. Ele mergulhou na água e nadou entre os juncos, mas se fechavam atrás do monstro, sem deixar vestígios de sua passagem.

Assim como que a  manhã luziu o homem rã reuniu um fornecimento de pequenas criaturas que eram o seu totem e as amarrou a uma longa vara que ele prendeu na lama.  Elas choravam e grasnavam miseravelmente, agitando os braços e as pernas em uma luta para libertar-se.

“Isso vai atrair o Bunyip,” pensou o homem rã.  Ele estava agachado entre as canas, com sua lança de guerra ao lado dele, pronto para enfiá-la no Bunyip assim que ele aparecesse.  As horas passavam lentamente. A única coisa que ele conseguia ver era as pernas das rãs se contorcendo. A luz enfraqueceu e lá pelo meio da noite, o coaxar dos sapos ficaram mais fracos. Pela manhã, eles estavam todos mortos. Cabisbaixo, ele os desamarrou, pegoui um pouco mais, e os amarrou ao poste. O ar estava cheio com o doce murmúrio dos sons, ele foi para seu acampamento para dormir.

O Bunyip saiu da água, com o olho ferido e foi em direção às árvores. A mulher o acompanhava, apesar do marido gritar para ela parar. Isso porque ela estava sob o encantamento da criatura, e não tinha vontade própria.

Quando ele voltou naquela noite os sapos foram embora, e a vara estava jogada ao lado dos juncos. Com esperança renovada, ele pegou um fornecimento adicional, erguido o poste mais uma vez, amarrou os sapos no lugar, e sentou-se para esperar.

Manhã após manhã, o homem colocava iscas de rã em sua armadilha, mas nada de avistar o Bunyip. Mas só quando ele não conseguia manter os olhos abertos pela falta de sono que elas foram pegas.  Mas por fim a sua paciência foi recompensada. Era de manhã cedo. O jovem marido estava prestes a terminar sua vigília solitária, quando se uma grande forma separou os véus de neblina, e o Bunyip estendeu suas garras para tirar as rãs.  Atrás dele, a jovem seguiu com os olhos distante, sujo e despenteado, com os cabelos espalhados pelo seu rosto.

“Fique longe,” o marido gritou, e atirou sua lança contra o monstro. Ele mergulhou na carne macia de modo que somente a extremidade do cabo estava mostrando. O Bunyip gemeu e jogou os sapos no sua agressor. Um deles atingiu o homem rã no olho, cegando-o por um momento. Ele ainda tinha a sua vara de arremesso. Ele atirou-a Bunyip, e teve a satisfação de vê-la acertar em um dos olhos do Bunyip é. A criatura contorceu-se de dor, e nadou de volta de onde veio.

“Vem comigo mulher,” o homem rã implorou. “Você estará segura comigo.

Para seu espanto, a jovem não deu atenção, mas seguiu o Bunyip na neblina. O marido correu atrás dela. Não havia como esconder a trilha agora. Com apenas um olho, o Bunyip escorregou e caiu, se levantou e cambaleou, deixando um rastro de vegetação esmagada por trás dele. A mulher acompanhou de perto, nos seus calcanhares, pois o Bunyip tinha lançado um feitiço sobre ela, o que a deixou ligada a ele.

Eles chegaram ao outro lado da lagoa. O Bunyip saiu da água e começou a subir em uma árvore de goma. Ele chegou ao topo, sentado em um galho, e olhou para baixo para o homem rã com seu único olho maligno. A jovem estava no pé da árvore, como se petrificada.

“Você está segura agora”, disse o marido, segurando seus braços. “Venha comigo e vamos voltar ao nosso acampamento.

Ela colocou os braços ao redor dele, mas não conseguia mover os pés, que pareciam ter congelado no chão.

Ele deu um passo em direção a ela, e de repente parou. Ele tinha entrado no círculo do poder que unia a sua esposa ao Bunyip, e ele foi incapaz de se mover.

Os corpos petrificados do homem rã e a sua mulher ficoaram como tocos de árvores finos. O dia se tornou noite, noite se tornou dia, tempestades varreram o Billabong, a água subiu e caiu com a mudança das estações, mas ainda assim o cenário ainda era o mesmo na árvoren. Os corpos petrificados do homem rã e a sua esposa  ficaram como tocos finos de árvores, com braços estendidos para o outro no desejo de se alcançarem, enquanto acima deles, permanecia o olho único do Bunyip encarando-os do meio das folhas da árvore.

Depois veio uma grande tempestade que derrubou a árvore de goma. O olho ficou onde estava, mas o encanto foi quebrado e, finalmente, o casal foi reunido. Seus descendentes nunca  mais tocaram os sapos.  Eles os deixarams como alimento para o bunyips de modo que os monstros do pântano, não iria molestá-los.

E onde o rio Murray agora flui, o aborígenes dizem que a lua é o olho do Bunyip que uma vez roubou a esposa de um homem rã de sua tribo.

Fontes:

http://www.skepdic.com/bunyips.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://en.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/frog_bunyip.htm

http://www.yowiehunters.com/index.php?option=com_content&task=view&id=904&Itemid=69

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/frog_bunyip.php

http://en.wikipedia.org/wiki/Billabong

http://pt.fantasia.wikia.com/wiki/Bunyip

http://medievallegends.blogspot.com/2011/03/bunyip.html

http://www.flickr.com/photos/37996586683@N01/2727152714

http://www.pacificschoolgames.edu.au/

Notas:

(1)

Billabong é uma palavra do inglês da Austrália que significa lago, especificamente um lago oxbow (lago em forma de cana de boi), um seção de água parada adjacente a um rio, cortada por uma mudança de curso da água. Os billabongs são geralmente formados quando o curso de um riacho ou rio muda, formando um beco sem saída.  Billabongs, refletem o clima árido australiano onde esses “rios mortos” são encontrados, cheio em uma estação do ano e seco nas demais.

(2)

O bunyip é um espírito ou criatura lendária do folclore aborígene australiano. Bunyips assombrar rios, brejos, riachos e billabongues. Seu principal objetivo na vida é para causar terror comendo pessoas ou animais na sua vizinhança. Eles são famosos por seus berros aterrorizantes e gritos nturnos e é conhecido por assustar os aborígines ao ponto onde não deixar eles se aproximar de qualquer fonte de água onde um bunyip podem estar esperando para devorá-los.

Há muitos relatos de colonos brancos que viram Bunyips, assim como cryptologistas, que ainda estão procurando por essas criaturas. Eles podem ter alguma dificuldade em localizar um dessa criaturas, pois as tribos aborígenes dão as mais variadas descrições dela. Alguns dizem que o bunyip parece uma cobra enorme, com uma barba e uma juba, outros dizem que parece uma enorme criatura humanóide e peluda, com um pescoço longo e uma cabeça como a de um pássaro. No entanto, a maioria dos australianos consideram a existência do bunyip como lenda. Alguns cientistas acreditam que o bunyip era um animal real, o diprotodon , extinto há 20 mil anos, e que talvez ainda existisse na época dos colonizadores, assustando os primeiros colonos.

De acordo com Oodgeroo Noonuccal (Kath Walker) em Stradbroke Dreamtime , o bunyip é uma punição ou espírito mau do “Tempo de Sonhar” – Dreamtime aborígene. Hoje, o bunyip aparece principalmente na literatura australiana para as crianças e é mencionado em comerciais de televisão.

O fantasma de Dangerfield Newby

Um dos rebeledes comandados por John Brown, era um homem negro chamado Dangerfield Newby. Ele foi libertado por seu pai branco, mas sua mulher e sete filhos ainda estavam escravizados perto de Warrenton, VA.  O dono de sua esposa disse a Dangerfield, que pelo valor de $ 1.500,00 (mil e quinhentos dólares) iria vendê-la e os seus filhos mais novos. Quando Newby levantou a soma com o pai branco para comprá-los, o capitão subiu o preço. Ele ficou angustiado e ainda mais pensando na carta que recebeu da esposa:

“Querido marido: Eu quero que você me compre logo que possível, pois se você não o fizer, alguém fará. Os empregados são ruins e fazem de tudo para me jogar contra a patroa. Querido marido. . . Nos últimos dois anos foram como um pesadelo para mim. Diz-se que o dono está com falta de dinheiro. Se assim for, não sei quando ele pode me vender, e depois todas as minhas esperanças brilhantes no futuro são destruídas, pois se há uma coisa que me ilumina em meus problemas, é estar com você, porque se eu penssar que eu nunca mais iria vê-lo, esta terra não teria encantos para mim. Faça tudo que puder por mim, e eu não tenho nenhuma dúvida que você vai. Eu quero vê-lo tanto.”

Desesperado, então ele se juntou a John Brown, um abolicionista, na esperança de libertar sua mulher e filhos.

Mas os rebeldes não foram felizes, pois os cidadãos se armaram contra eles  na madrugada do dia 17.  Havia uma grande quantidade de armas na cidade pois eram fabricadas lá, mas não havia muita munição, e os habitantes da cidade atiravam em qualquer coisa.

Um tiro atingiu Dangerfield Newby na garganta, matando-o instantaneamente. Ele se tornou o primeiro a morrer na revolta. O povo se lembrou da Rebelião de Nat Turner 30 anos antes, em South Hampton e eles se ficaram tão enfurecidos em seu medo e ignorância, que descontaram a frustração no corpo do Newby. Ele foi mutilado e arrastado para um beco próximo, onde foi deixado aos porcos. Inclusive há um livro da época que cita, que “os bons cidadãos da cidade nem deram bola ao gosto da carne dos porcos nessa época”.

Desse dia em diante o beco foi chamdo de “Beco do porco”. Algumas noites, se você andar pelas ruas de Harpers Ferry, pode acontecer de você encontrar um homem negro de aproximadamente 45 anos, vestindo calças largas eum velho chapéu, com uma terrível cicatriz em sua garganta, e você vai saber que você encontrou Dangerfield Newby, ainda tentando libertar sua esposa e filhos.

Fontes:

http://www.pbs.org/wgbh/aia/part4/4p2941.html

http://en.wikipedia.org/wiki/John_Brown_%28abolitionist%29

http://www.blackamericaweb.com/?q=articles/news/the_black_diaspora_news/25750&page=190

O Grito do Papagaio

Meu tio John era um tenente da força aérea (1), servindo na RAF (Royal Air Force) durante a guerra e foi enviado para a Gâmbia.

Uma parte da floresta havia sido desmatada para colocar criar uma pista de pouso para aviões pesados ​​e havia tendas para acomodar os homens. John dormia em uma barraca dormitório com alguns dos outros pilotos, enquanto outros estavam treinando ou em missões. Eles nunca estavam todos reunidos os mosquitos infernizavam todo mundo e mesmo que eles tomassem doses diárias de quinino a maioria deles pegava malária. Mais assustador do que a malária era o pensamento de pegar a “febre da água negra” (2).

Um dos pilotos havia comprado papagaio africano cinza para servir de mascote e ele o pôs para morar em uma vara na tenda. Eles são de um tipo pequeno, bem inteligente e segundo se diz, os que melhor aprender a falar.

No início da manhã, quase de madrugada, a aeronave que havia saído naquela noite tinha voltado zumbido muito, um após o outro, os pilotos adormecidos acordaram com o barulho.  Aqueles na tenda não conseguiam distinguir um motor do outro, mas a Polly conhecia o som do avião de seu dono. Quando ele o ouviu se aproximando, ela desceu do seu poleiro, para fora da tenda, e começam a andar à beira da pista. Quando o seu piloto saía do carro e entregava o avião para a equipe de terra, ele encontrava a Polly à espera e logo ela subia em seu ombro.

John tinha aprendido a dormir com o barulho dos vôos retornando.  Uma manhã, a Polly estava ouvindo  uma aeronave após outra, e em seguida, ouviu o que ela estava procurando e começou a descer de seu pedestal.  Naquele momento, o motor parou e foi seguido por um estrondo. O papagaio gritou um som sobrenatural que nunca ninguém tinha ouvido antes. John acordou assustado. Anos depois, quando ele me falou, ele disse que ele ainda acordado no meio da noite, por vezes, ao som de gritos.  O avião caiu, pegou fogo e todas as vidas foram perdidas.

Os outros pilotos passaram a cuidar do papagaio e quando a guerra acabou, infelizmente, a única coisa que se arranjou para ele foi ir para o zoológico de Londres. Após isso sempre que algum deles esteva em Londres iam ver o papagaio. Eles podiam sumir por anos, mas o papagaio sempre os reconhecia de longe e começam a dançar com alegria para frente e para trás em seu poleiro. E  ela só fazia isso para eles.

Notas:

(1) uma patente de RAF, intermediário entre oficial de vôo e líder de esquadrão, de uma pessoa de uma pessoa no comando de aeronaves.

(2) Essa febre é uma complicação da malária caracterizada por hemólise intravascular, hemoglobinúria e insuficiência renal. É causada por parasitismo pesados ​​dos glóbulos vermelhos por Plasmodium falciparum. Houve pelo menos um caso, no entanto, atribuída ao Plasmodium vivax.

© Copyright de conteúdo contribuíram para este Arquivo incumbe ao autor. Saiba como você pode usar isso.

‘WW2 People’s War é um arquivo online archive de meórias de guerra e contribuição de membros do público reunido pela  BBC. O arquivopode ser encontrado no site http://www.bbc.co.uk/ww2peopleswar.

Estória de  ‘heathlibrary, WW2 People’s War’

O Goblin de Adachigahara

Oni - Goblin Japonês

Oni - Goblin Japonês

Muito, muito tempo atrás, havia uma grande planície chamada de Adachigahara, localizada na província de Mutsu no Japão. Dizem que este lugar era assombrado por um goblin canibal que tomou a forma de uma anciã. De tempos em tempos, muitos viajantes desapareciam e nunca mais se ouvia falar, e as mulheres idosas contavam estórias ao redor da foguerira à noite, e as moças que lavavam o arroz recém-colhido nos poços de manhã, sussurravam estórias horríveis de como pessoas desaparecidas tinham sido atraídas para a cabana do goblin e devorados, porque ele vivia apenas de carne humana. Ninguém se atrevia a passar perto do local assombrado depois do pôr-do-sol, e todos aqueles que podiam, o evitavam também de dia, e todos os viajantes eram avisados do terrível lugar.

Um dia, o sol estava se pondo, e um monge atravessava a planície. Ele era um viajante tardio, e seu manto mostrava que ele era um peregrino budista viajando a pé´de santuário a  santuário para rezar por uma bênção ou para alcançar o perdão dos pecados.  Ele tinha aparentemente perdido o seu caminho, e como já era tarde ele não encontrou ninguém que pudesse lhe mostrar a estrada ou avisá-lo do local assombrado. Ele tinha andado o dia inteiro e agora estava cansado e com fome, e as noites eram frias, pois era o final do Outono, e ele começou a ficar muito ansioso para encontrar alguma casa onde ele pudesse conseguir passar a noite. Ele se encontrou perdido no meio da vasta planície, e olhou em volta, em vão por algum sinal de habitação humana.
Finalmente, depois de perambular por algumas horas, ele viu um grupo de árvores à distância, e através das árvores, avistou o brilho de um único raio de luz. Ele exclamou com alegria:

“Oh, certamente que é uma casa de campo onde eu poderei conseguir hospedagem por uma noite! ”

Mantendo a luz diante de seus olhos, ele arrastou o seu pés cansados e doloridos tão rapidamente como podia para cehgar ao local, e logo chegou a uma casinha miserável.  Quando chegou perto, viu que estava em uma condição muito rium, a cerca de bambu estava quebrado e as ervas daninhas e a grama invadiam tudo através das aberturas. As divisórias de papel, que servem como janelas e portas no Japão, estavam cheias de buracos, e os postes da casa estvam dobrados com a idade e parecia pouco capaz de sustentar o telhado.  A cabana estava aberta, e se via uma velha ancião fiando à luz  uma lanterna velha.

O peregrino a chamou do outro lado da cerca de bambu e disse:

“Baa San (anciã), boa noite! Eu sou um viajante! Por favor me perdoe, mas eu perdi o meu caminho e não sei o que fazer, pois não tenho aonde descansar à noite. Peço-lhe para ser boa o suficiente para me deixar passar a noite sob seu teto. ”

A velha, logo que ela ouviu, parou de fiar, levantou-se da cadeira e aproximou-se do intruso.

“Eu estou muito triste por você. Você deve realmente estar aflito por ter perdido o seu caminho em um lugar tão solitário tão tarde da noite. Infelizmente eu não posso abrigar você, porque eu não tenho cama para lhe oferecer, e nem qualquer tipo de acomodação para um convidado neste lugar pobre! ”

“Oh, isso não importa”, disse o monge;. “Tudo que quero é um abrigo sob algum teto para a noite, e se você for generosa o suficiente apenas para me deixar deitar no chão da cozinha serei grato, estou cansado demais para andar à noite, então eu espero que você não recuse, caso contrário vou ter que dormir na planície gelada.

“E deste modo ele pressionou a velha mulher a deixá-lo ficar. Ela parecia muito relutante, mas finalmente ela disse:

“Muito bem, eu vou deixar você ficar aqui. Ofereço-lhe só uma boas-vindas muito pobre, mas entre agora e vou fazer uma fogueira, pois a noite é fria.”

O peregrino estava muito feliz de fazer o que lhe foi dito. Ele tirou as sandálias e entrou na cabana. A velha, em seguida, trouxe alguns pedaços de madeira e acendeu o fogo, e ordenou que seu convidado se aproximasse para se aquecer.

“Você deve estar com fome depois de sua longa caminhada”, disse a velha. “Eu irei e cozinhar uma ceia para você.” Ela então foi para a cozinha
para cozinhar arroz.

Depois que o monge tinha acabado o jantar, a velha sentou-se junto da lareira, e eles conversaram por um longo tempo. O peregrino pensou que tinha tido muita sorte para encontrar tal ancião tão bondosa e hospitaleira.  Logo a madeira acabou, e com isso o fogo morreu lentamente e ele começou a tremer de frio tal como tinha feito quando ele chegou.

“Vejo que você está com frio”, disse a velha, “vou sair e juntar lenha, pois nós usamos tudo. Você deve ficar e cuidar da casa enquanto estou fora.”

“Não, não”, disse o peregrino, “deixe-me ir em seu lugar, pois você está velha, e eu não consigo pensar em deixá-la sair para catar madeira para mim nesta  noite! ”

A velha abanou a cabeça e disse:

“Você deve ficar aqui tranquilo aqui, pois você é meu convidado.” Então, ela o deixou e saiu.

Em um minuto ela voltou e disse:

“Você deve sentar-se onde você está e não se mover, e aconteça o que acontecer, não se aproxime ou olhe para o interior da sala. Agora, preste atenção ao que eu digo!”

Se você me disser para não chegar perto do quarto dos fundos, claro que eu não vou “, disse o monge, perplexo.

A velha, em seguida, saiu novamente, e o monge foi deixado sozinho. O fogo havia acabado, e a única luz na cabana era de uma pequena lanterna. Pela primeira vez naquela noite, ele começou a sentir que estava em um lugar estranho, e as palavras da velha: “O quer que faça, não abelhude o
no quarto dos fundos “, despertou sua curiosidade e medo.

Que coisa poderia estar escondida nesse quarto que ela não queria que ele visse? Por algum tempo, a lembrança de sua promessa para a velha
o conteve, mas no final ele já não podia resistir à sua curiosidade de espreitar o lugar proibido.

Ele se levantou e começou a se mover lentamente em direção ao quarto dos fundos. Então o pensamento que a velha ficaria muito irritada com ele se ele desobedecesse o fez voltar ao seu lugar junto à lareira.

Conforme os minutos foram passando devagar e a velha não voltasse, ele começou a sentir cada vez mais assustado, e a se perguntar qual o terrível segredo estava no quarto dos fundos.  Ele deveria descobrir.

“Ela não vai saber que eu olhei a menos que eu diga a ela. Vou apenas dar uma olhadela antes que ela volte”, pensou com ele mesmo.

Com essas palavras, ele se levantou sobre os pés (pois ele estava sentado o tempo todo na moda japonesa, com os pés debaixo dele) e furtivamente se arrastou para o local proibido. Com tremor nas mãos, ele empurrou para trás a porta de correr e olhou para dentro e o que ele viu fez o sangue gelar nas veias. O quarto estava cheio de ossos de mortos e paredes e o chão estavam salpicados e cobertos de sangue humano.

Em um canto crânio após crânio subiam até o teto, em outro estava um amontoado de ossos de braços, no outro um monte de ossos da perna. O cheiro nauseante o fez desmaiar. Ele caiu para trás com horror, e por algum tempo ficou imóvel assustado no chão, uma visão triste. Tremia todo e seus dentes batiam, e ele mal pode se arrastar para longe do terrível lugar.

“Como é horrível!” ele gritou. “A que terrível lugar eu cheguei nas minhas viagens? Possa Buda me ajudar ou eu estarei perdido. É possível que
essa boa e velha mulher é realmente um goblin canibal? Quando ela voltar, ela irá mostrar sua verdadeira aparência e comer-me de uma so vez! ”

Com estas palavras, a força dele voltou para ele e, agarrando o chapéu e bagagem, ele correu para fora de casa tão rápido quanto suas pernas podiam levá-lo. Pela noite afora ele corria, seu único pensamento era chegar o mais longe que podia da presença do goblin. Ele não tinha ido muito longe quando ouviu passos atrás dele e uma voz gritando: “Pare! Pare!”

Ele correu redobrando a velocidade, fingindo não ouvir. Enquanto corria, ouviu passos atrás dele vindo cada vez mais perto e perto, e e finalmente, ele reconheceu a voz da anciã, que ficava cada vez mais alto, à medida que ela se aproximava.

“Pare! Pare, você homem ímpio, por que você olhou para o quarto proibido?”

O padre esqueceu completamente como ele estava cansado e seus pés sobrevoaram o solo mais rápido do que nunca. O medo lhe deu força, pois sabia que, se o goblin o pegasse logo seria uma de suas vítimas. Com todo o seu coração, ele repetiu a oração a Buda:

Namu Amida Butsu, Namu Amida Butsu”.

E logo ele deixou a terrível bruxa para trás, os cabelos voando ao vento, e seu rosto mudando com raiva para o demônio que ela era.
Na mão levava uma grande faca manchada de sangue, e ela ainda gritou atrás dele: “Pare! Pare!”

Enfim, quando o padre sentia que podia não correr mais, o amanhecer surgiu, e com ela a escuridão da noite e o goblin desapareceram e ele estava seguro.

O monge já sabia que ele tinha encontrado o Goblin de Adachigahara, a história de quem tinha ouvido muitas vezes, mas nunca acreditou ser verdade.

Ele achava que ele devia sua fuga maravilhosa à proteção de Buda a quem ele orou pedindo ajuda, então ele tirou o rosário e curvando sua cabeça enquanto o sol nascia, ele disse as suas orações e fez o seu agradecimento com sinceridade. Ele, então, peregrinour para outra parte do país, apenas muito feliz de deixar a planície assombrada por trás dele.

fonte: OZAKI, Yei Theodora. Japanese Fairy Tales, 1908.

http://www.archive.org/stream/japanesefairytal04018gut/jpnft10.txt

Links:

http://en.wikipedia.org/wiki/Goblin

http://japanese.about.com/library/weekly/aa110400.htm

http://japanese.about.com/library/weekly/aa102800.htm