Arquivo mensal: abril 2011

Tradições relacionadas a Thor

O gigante golpeou Thor, que revidou com seu martelo, matando a criatura. Agora o corpo dele jaz sob uma grande pedra."A Batalha de Thor com os Ettins" (1872), pintura de Mårten Eskil Winge.

Thor,assim como Odin, O Ancião, chegou ao norte através da imigração, que em tempos remotos tiveram lugar na Ásia e Asgard. Aqui ele teve de lutar com os primeiros habitantes da terra, que por causa de seus esconderijos em montanhas e tocas, bem como de sua estatura gigantesca e ferocidade, eram chamados de Jattar (Giants), Trolls e Bergs-boar (moradores das montanhas). Daí vindo todas as tradições sobre gigantes e coisas do gênero.  Aquelas pedras lisas, em forma de cunha, que às vezes são encontrados na terra, são chamadas Thorwiggar, isto é, cunhas de Thor: segundo se conta, por estas terem sido arremessadas por Thor em algum troll. Em muitos lugares onde as pradarias são vizinhas das montanhas, histórias eram contadas de como trolls se enchiam de terror quando trovejava, e como eles, então, trasformados em diversas formas, embora a maioria freqüentemente como grandes bolas ou novelos, rolavam das montanha, procurando abrigo entre os camponeses,
que, bem ciente do perigo, sempre os mandavam de volta com suas foices; e em diversas ocasiões acontecia que o trovão golpeava e estremecia a foice, e assim o trolll com um gemido, voltava para a montanha.

Meteoritos são encontradas em muitos lugares e são monumentos a Thor. Embora nem sempre de grande magnitude, eles são, no entanto, tão pesado que quase nenhum homem pode levantá-los.  Estes, diz-se, Thor usa como brinquedos.  Dos meteoritos em Linneryd em Smaland
se diz, que Thor, passando por ali com seu pajem, encontrou com um gigante, e perguntou a ele para onde ele ia. ”Para Valhalla”, respondeu o gigante,” para lutar com Thor, que com seu raio queimou meu gado e casa.”

“É pouco aconselhável para ti, para medir forças com ele,” Thor respondeu,”porque eu não posso imaginar que tu és o homem o bastante para levantar essa pequena pedra em cima dessa maior.” O gigante indignado, pegou a pedra com toda sua força, mas não foi capaz de tirá-la do chão, pois Thor tinha jogado um encanto sobre ela. O pajem de  Thor, em seguida, fez uma tentativa, e levantou a pedra como se tivesse sido uma luva. O gigante desferiu um golpe em Thor que o deixou de  joelhos, mas Thor com seu martelo revidou e matou o gigante. Ele agora jaz  sob a grande pilha de pedras do lugar.

Thor era adorado na alta Gothland junto com outros deuses. O Thorbagge (Stercorarius scarabseus) era sagrado para ele. Existe uma supertição relativo a este besouro que ainda existe, que tem sido transmitida de pai para filho, que se qualquer um em seu caminho encontrar um thorbagge repousando desamparado em suas costas, e colocá-lo em seus pés, ele expiará sete pecados; isso porque Thor no tempo do paganismo foi considerado como um mediador com uma força sobrenatural, ou o Todo Poderoso. Na introdução do cristianismo, os sacerdotes se esforçaram para aterrorizar as pessoas no culto aos antigos deuses, dizendo a seus adeptos que eles eram maus espíritos pertencentes ao inferno.  E o pobre thorbagge pobres, foi então renomeado como Thordjefvul ou Thordyfvel (o diabo de Thor), nome pelo qual ainda é conhecida na Suécia. Ninguém agora pensa em Thor, quando encontra a criatura indefesa descansando em seus costas, mas o compatriota de boa índole raramente pensa em passá-lo a seus pés, tentando a expiação de seus pecados “.

Bohuslän

Que a lembrança e a veneração por Thor eram longamente  retidas na Noruega e em Bohuslän, aparece de muitas tradições. De alguns marujos de Bohuslän, cerca de cem anos desde atrás, é relatado, que, enquanto a serviço de um navio holandês de Amsterdam, caçando baleiras perto da Groenlândia, eles foram afastados de seu curso conhecido, e  observaram por muitas noites luzes de uma fogueira em uma ilha ou na terra, e entre alguns dos marinheiros, estavam homens de Bohuslän, que foram tomados pelo desejo de visitar o local e ver o que as pessoas faziam lá. Assim, tomaram o bote do navio barco e remaram para o local.

Tendo desembarcado e se aproximado do fogo, eles encontraram um velho sentado se aquecendo perto da fogueira, que imediatamente perguntou-lhes onde eles vieram.

“Da Holanda”, respondeu o homem de Bohuslän.

‘Mas de que lugar de lá você veio?” perguntou o velho.

” De Safve em Hisingen” respondeu o marinheiro.

“Tu conheces Thorsby?”

“Sim, também.”

“Sabes onde fica Ulfveberg ‘

” Sim, muitas vezes tenho passado por lá, porque há um caminho direto de Gotemburgo para Marstrand através Hisingen para Thorsby.”

“Aquelas grandes pedras e montes de terra ainda estão em seus lugares?”

”Sim, todos, mas uma das pedra que está prestes a cair”

“Conte-me mais” –  disse o velho pagão – “Tu sabe onde o altar de Glosshed está e se ele ainda está são e salvo?”

Ao ouvir do marinheiro que não, o velho disse:

“Faça com que o povo em Thorsby e Thores-bracka não destruam as pedras e os montes sob  Ulfveberg e  acima de tudo mantenham  o altar Glosshed seguro e intacto, e assim terás um bom vento para o local para o qual viajas.”

Tudo isso o marujo prometeu cumprir na sua volta para casa.  Ao perguntar ao velho o seu nome, e por que ele tão ansiosamente perguntava por esses objetos, ele respondeu o marinheiro:

“Meu nome é Thorer Brack, e minha morada é lá, mas agora sou um fugitivo.  No grande monte ao lado de Ulfvesberg minha raça inteira está enterrada, e no altar de Glosshed nós realizamos nossa adoração aos deuses.”

Eles então se separaram do velho e tiveram ventos favoráveis de volta para casa.

O Poço de Thor

Desde a época do paganismo existe um poço em Smaland, na freguesia de Skatelof (2), que é notável para um deplorável evento. No local onde o poço está agora, uma moça, diz-se, encontrava-se com seu amante, e de depois de suspeitar de sua infidelidade, o assassinou. O deus Thor fez com que o poço cuspisse o sangue de suas águas.

Em conseqüência da mudança que a religião pagã tinha sofrido na cabeça  das pessoas (3), o nome do deus Thor foi mudado para “Hehge Thor” (Santo Thor), o festival da Ascensão de Nosso Salvador(1), foi chamado de “Helig Thor’s-dag” , literalmente Holy Thor ‘s-day, Dia Sagrado de Thor, (Quinta-feira Santa), e Skatelofs Kalla foi chamado de ‘Helige Kalle Thor.

Pesquisa em documentos antigos, apontam que uma determinada música  era cantada nas cercanias desse poço, quando a população do país, toda véspera de quinta-feira Santa, reuniam-se ali para jogar e fazer oferendas.

Fonte:

[item image]

Northern mythology : comprising the principal popular traditions and superstitions of Scandinavia, North Germany, and the Netherlands, compilado por Benjamin Thorpe. Londre, 1851.

Links:

Tradução Sueco para Inglês

Northern mythology : comprising the principal popular traditions and superstitions of Scandinavia, North Germany, and the Netherlands

http://www.walkingworld.com/home/index.asp?id=33&nid=195

http://nordiskamytologin.blogg.se/2010/january/jattejattar.html

O que são meteoritos?

http://www.iconkuznetsov.com/index.php?sid=342

Significado de Quinta-Feira, inglês

http://www.godchecker.com/pantheon/norse-mythology.php?deity=THOR

Notas:

(1)

A Ascensão do Senhor é um dos doze festas cristãs estabelecidas depois da memória da Ascensão do Salvador. O Festival está relacionada com o Ciclo da Páscoa e celebrada no quadragésimo dia após a Ressurreição de Cristo (Páscoa). O Festival da “Ascensão de Cristo” é uma introdução e preparação para as festividades relacionadas com a descida do Espírito Santo, para o dia da Santíssima Trindade .

(2)

Pouca coisa existe sobre Skatelof na internet, indica que é uma paróquia da Suécia, e só.  Mais alguma coisa é citado no livro “Swedish Legends e Folktale”, página 98.

(3)

Explica-se que a mudança da religião pagão na cabeça das pessoas quer dizer que o catolicismo fez com que eles mudassem aspectos do paganismo adaptando ao cristianismo, ou seja, pelo sincretismo.

Acaba Vida

Acaba Vida, Acaba Vidinha e Acaba Vidão são três povoados localizados em Goiás ao lado das serras do Cafundó e do Rola Égua. O nome Acaba Vida originou-se provavelmente de uma dessas três lendas contadas pelos moradores: 1. A mais difundida – os mineiros que ocuparam as serras nos anos 60 matavam quem se arriscasse a ir para lá. 2. A serra é tão íngreme que poucas pessoas saíam dali com vida. 3. Os índios, provavelmente, os canoeiros, se revoltaram contra os empregados de uma fábrica de pinga e, com exceção do chefe e de um empregado, todos os outros foram chacinados pelos índios.

Fonte:

http://www.avesso.net/psia.htm

<a href=”http://www.bloglovin.com/blog/13897695/?claim=frfjyegydnu”>Follow my blog with Bloglovin</a>

O mistério de Everett Ruess

clipped from www2.tbo.com
blog it

No filme “Na Natureza Selvagem”, conta-se a estória de Christopher McCandless. Ele era um rapaz que se achava insastisfeito com tudo e procurou na natureza, um sentido para sua vida, morrendo no Alasca aos 24 anos. Mas, antes dele houve outro sonhador romântico que também procurava por um sentido na solidão selvagem. Ele era Everet Ruess, um artista e explorador americano. Ele nasceu em 28 de março de 1914 em Los Angeles, California,  filho de um pastor e uma dona de casa. Sua família se mudava constantemente e ainda criança, ele esculpia em carvão e barro e desenhava.

Ao se formar na escola secundária, em Hollywood, ele percebeu que não era isso que queria pra sua vida. Aparentemente, ele encontrou consolo de sua tristeza na vasta solidão dos Estados Unidose passou a viajar muito, invariavelmente sozinho. Ele cruzava o país de uma ponta a outra, a pé, mandando cartas apaixonadas para sua família, e amigos, narrando suas aventuras e descrevendo a beleza natural dos caniôns de Colorado. Ele tinha uma admiração muito grande pela região de Monument Valley e  Escalante area, e desenhou muitas paisagens em madeira.

Ele morava na Califórnia durante os meses de inverno e foi amigo de Edward Weston, Ansel Adams, Dorothea Lange, e do pintor Maynard Dixon.  Todos viram que ele muito talentoso e o encorajaram a seguir carreira.

No outono de 1934, com a idade de 20 anos, Ruess viajou para Escalante no sudete de Utah. Ele pretendia ir para o sul do Arizona para passar  inverno, porém em fevereiro de 1935 seu burrico foi encontrado em Davis Gulch. Seu último acampamento provavelmente foi em Cottonwood Canyon. O corpo dele nunca foi encontrado.

Mas segundo a lenda, sua morte foi testemunhada por um jovem navajo chamado, Aneth Nez, que depois de 37 anos disse a sua neta, Daisy Johnson, o que ele testemunhou. Ele estava em Comb Ridge perto da fronteira de Utah com  Arizona quando viu três índios Utes assassinando um jovem branco e levando suas mulas.  Ele pediu a sua enta para levá-lo até o local onde ele tinha enterrado o corpo numa fenda.  Ele precisava pegar uma mecha do cabelo para fazer uma cerimônia de cura.

Testes de DNA concluíram que os restos era dele, entretanto em junho de 2009, o arqueólogo Kevin Jones, verificou que os restos do crânio não correspondiam ao registros dentários de Ruess. Novos testes conduzidos pel Instituto de Patologia das Forças Armadas mostraram que os restos não eram dele, e família de Ruess teve de aceitar os novos resultados.

Seu desaparecimento continua ummistério, e apesar dele não ser considerado um suicida, ele sempre se mostrou muito desconfortável entre os homens, preferindo estar sozinho, vagando. Segundo o pai, ele escreveu a palavra “Nemo” em uma caverna e uma casa Moqui – ele vivia com uma mulher navajo… E essa palavra sempre assombrou o pai dele, pois ele pensava que o significado dela talvez o ajudasse a entender o que aconteceu… Era um jovem sonhador, talvez com um futuro brilhante como escritor, mas algo no destino dele dizia que o caminho dele não seria muito longo…

blog it

Ruess, devia ser uma espécie de espírito livre, pois mesmo amando a vida, ele também não sentia medo de morrer… Ele talvez procurasse por alguém para partilhar esses seus anseios, como ele mesmo falou, mas segundo ele, ele nunca achou ninguém que se interessasse por ele. Ele queria alguém para partilhar, alguém que lhe segurasse a mão e estivesse com ele, mas ele não achava que alguém que no mundo fosse capaz de o aconselhar e às vezes, ele tinha medo dele mesmo. E penso que nem sua própria mãe o entendia, porque muito do que ele escreveu foi apagado por ela, e nunca saberemos de tudo que ele realmente deixou para a posteridade.

Ele é lembrado por seu espírito aventureiro e por seus escritos, tais como: “Há uma esplêndida liberdade na solidão, e depois de tudo, é pela solidão que eu vou para as montanhas e desertos, e não para a civilização. Na solidão, eu posso desnudar a minha alma para as ousadas montanhas. Eu posso trabalhar ou pensar, agir ou reclinar pela minha vontade, e nada se interpõe entre mim e a Natureza.”

http://www.media.utah.edu/UHE/r/RUESS,EVERETT.html

http://www.footnote.com/page/93442123_everett_ruess/

http://www.angelfire.com/sk/syukhtun/everett.html

http://www.nationalgeographic.com/adventure/9904/story.html

http://articles.latimes.com/2009/may/02/science/sci-ruess2

http://adventure.nationalgeographic.com/2009/04/everett-ruess/david-roberts-text

http://en.wikipedia.org/wiki/Everett_Ruess

http://pt.wikipedia.org/wiki/Christopher_McCandless