Arquivos do Blog

Cães Negros Guardiães do Outro Mundo

Black_Dog_Pub_Sign,_Bouley,_JerseyMais uma vez tenho de mencionar a série sobrenatural, pois em vários de seus episódios são mencionados os “cães do inferno” que vêm buscar a alma das pessoas condenadas, como no episódio dedicado a Robert Johnson, Crossroads Blues. Eles são recorrentes na série e toda vez que chega “a hora” de alguém que vendeu a alma, eles vêm levá-los.

A figura do cachorro através da mitologia mundial parece ter sofrido uma evolução até chegar na figura do guardião do mundo inferior.

Na mitologia pré-islmâmica há três interessantes representaçoes do cachorro. Primeiro como fiel companheiro do homem. Em uma lenda ele é criado por Deus para proteger Adão e  e Eva dos outros animais, que foram convocados por Satanás para atacá-los. Em outra, ele é feito do mesmo barro que Adão, tanto é assim que a palavra sag (dog) deriva do termo she-yak (o terceiro, um terceiro) que indica o senso de humanidade do animal. Mas um outro mito o traz como resultado do pecado.

Isso começa a conectar o cão com forças ocultas. Já no Antigo Egito Anubis que é o guardião e condutor para o outro mundo.  Essa associação também aparece no épico Mahabarata e entre os gregos, pois a deusa Hecate tem como bichinho de estimação o cão Cérbero, guardião dos portais do inferno.

A idéia do cachorro como guardião de almas já vem de observações de sítios arqueológicos, pois parece que o homem primitivo usava o cachorro para destruir corpos. Isso deve ter conectado a idéia de que o cão também estava devorando a alma do morto.

Já para os Parsis indianos e escoceses das ilhas Orkney, fazer os cães devorarem a carne de mortos fazia parte dos ritos funerários. Para os romanos ele eram usados para os mortos sem nenhuma importância que nao mereciam um enterro melhor.

O cachorro, principalmente o de cor negra, passou a ter uma percepção muito negativa. Havia um decreto do profeta Maomé que mandava matar todos os cães que fossem totalmente negro. E com o desenvolvimento do cristianismo, ele passou a ser associado com pecado, prostitiução, o mal.

Não é de admirar então que cães negros passaram a ser associados com o mal encarnado.

Na tradição anglo-saxã ele pode ter vários nomes * que sempre são associados com a treva. Eles é descrito como tendo olhos vermelhos brilhantes, pêlo eriçado, são enormes e tem cheiro de enxofre. Eles são vistos em locais isolados, como trilhas, encruzilhadas, sítios pré-históricos, igrejas abandonadas.  Eles passam através de objetos sólidos, desaparecem ou se auto-incendeiam.

O relato mais antigo data de 1127, quando dois padres viram caçadores negros montados em cavalos ou bodes negros,seguidos por uma matilhas de cães negros com horríveis olhos enormes.

O pior relato é de 1157, quando houve ataques durante duas missas. Em ambos os locais houveram mortes e sinais de arranhões nas portas das igrejas.

A evolução do cão negro como figura sombria e punitiva continua com o advento da literatura gótica, como no conto de Ian McEwan, Cães Negros, uma metáfora da tristeza interior e perda da esperança.

Notas:

1) * Nomes a ele atribuído:  Barghest, Barghaist, Barguest, Barguest, Barn-ghaist, Skriker (Yorkshire), Shuck, Black Shuck, Old Shuck (Norfolk), Witch Hounds (Sul da Inglaterra), Kirkgrim (Escandinávia), Gwyllgi, o cachorro das trevas (Gales), Padfoot (Devon), Old Shock, Shucky Dog, Black Shuck, o Monstro Shug (East Anglia), Scarfe, Gally-trot, Gallytrot, Galley Trot, Moddey Dhoe (Suffolk),  Moddey Dhoo,que significa “cão negro” e é pronunciado “Mauther Thoo”  em gaélico de Manx  (Isle of Man), Trash, Guytrash, Skriker (Lancashire), CappelWestmorland), hooter (Warwickshire), Jack Peludo (Lincolnshire), shag dog (Leicestershire),  Gurt Dog ou ‘cachorro grande’ (Somerset), cachorro negro conhcido como o Muckle Black Tyke e gaélico como Choin Dubh. Cu Sith ou cachorro das fadas mais comumente verde ou branco (Escócia).

2) cachorros sem cabeça foram vistos em in Dartmoor, Cumbria, Sussex, Shropshire, Suffolk, Devon e Norfolk (Bord & Bord, 1985; Brown, 1958; Farson, 1978). Cachorros de duas cabeças são visto ocasionalmente  (Bord & Bord, 1985; Brown, 1958). Algumas vezes os cães negros tem cabeça e pernas de outros animais ou humanas sendo relatadas que às vezes também lhes faltam algumas partes (Brown, 1958; McEwan, 1986).

3) “Le Tchan de Bouôlé” (figura acima) significa cachorro de Bouley, sua aparição  é um presságio de tempestades e é vistona Baía de Bouley, Jersey, nas Ilhas Channel.

traduzido de:

www.blackdoginstitute.org.au/docs/Raphael.pdf

Outros sites:

http://www.indigogroup.co.uk/edge/bdogfl.htm

http://www.mysterymag.com/earthmysteries/?page=category&subID=74

Anúncios

Canibalismo e Poder

Uma da grande perguntas para quem assiste ao seriado Heroes, desde que vilão Sylar  (Zachary Quinto) fez sua aparição é: Ele é canibal? Ele come o cérebro de suas vítimas?

Sylar (o verdadeiro nome é Gabriel Gray). Um dia ele descobriu que poderia absorver a habilidades de outros “heroes” quando comia o cérebro destes… Apesar da se supor isso, nunca se viu uma cena em que ele “canibalizava” alguém. Porém quem assiste ao seriado vê que sempre que ele mata alguém a caixa craniana está aberta, mas parecendo que ele realmente praticou o canibalismo com a finalidade de se tornar mais poderoso.

sylar

Depois de algumas temporadas a personagem Mohinder concluiu que Sylar, ao examinar o cérebro das vítimas,  descobria a conexão do cérebro com o poder, assim absorvendo a habilidade das vítimas. O fato de ele ser um relojoeiro habilidoso é uma metáfora para a sua habilidade de absorção de poderes.

Mas essa idéia de comer partes humanas para sugar poder, coragem  e habilidade é nova?

Na verdade, além de usar a carne humana para matar a fome, em casos de extrema necessidade  há o canibalismo ritual, que pode ser praticado tanto pelo amor ao morto, como nos casos dos Wari no Brasil, como para adquirir o seu poder.

Nesse casos o consumo de partes humanas traria habilidades especiais a quem consome, como no caso dos “homens-leopardo” africanos. O culto ao leopardo é praticado desde  Egito Antigo, o leopardo era associado com o Deus Osíris e para muitos tribos africanas ele é um totem poderoso, que seria o guia dos mortos para outra vida.

Na África, o culto ao leopardo era praticado principalmente em Serra Leoa e Nigéria. Os membros do culto matavam suas vítimas com facas e garras de aço. Depois bebiam o sangue na frente dos outros membros. Eles acreditava que consumindo a carne e o sangue eles ganhariam superpoderes e poderiam eles mesmos se transformam em leopardos. Comer a carne de um inimigo era um meio de absorver a força vital ou o espírito deste, quanto mais corajoso mais valorizada a carne. No século 20 o culto ainda existia. Houveram várias matanças, durante a Primeira Guerra Mundial e em 1946 eles mataram 48 pessoas em um só ano.

Fora os casos citados, há várias culturas que acreditam que praticar canibalismo seria uma forma de adquirir poderes….

No caso do vilão mais amado de Heroes, talvez não seja uma verdade. Mas sabiamente os roteiristas insinuaram esse que é um dos maiores tabus da humanidade.

Notas:

Canibal:

O termo canibal deriva de Carib ou Caniba, uma tribo que supostamente praticava o canibalismo. Esse costume é muito antigo na estória humana, e tem sido encontrado entre várias pessoas na maior parte dos continentes.

O canibalismo é um assunto considerado tabu, mesmo entre os antropologistas. Quando os europeus colonizaram as Américas, eles diziam que o canibalismo era a expressão da selvageria dos povos que viviam aqui, e isso servia de justificativa para usar métodos violentos para subjugar esses povos. Por isso o papa Inocêncio IV tratou de dizer que era pecado e dizendo que todos aqueles que fossem canibais podiam ser escravizados…

Mas os próprios europeus praticavam um tipo de canibalismo. Haviam remédios feitos de sangue, que era usado para epilepsia e partes humanas (de criminosos executados) eram ingredientes para remédios contra artrite, dificuldade de reprodução e outras. Muito popular era improtar parte de múmias para a produção de medicamentos.

Canibalismo por escassez de comida:

O canibalismo pode acontecer por diversas razões, entre elas o homem pode atacar outro pela falta de outra presa. Isso aconteceu em várias ocasiões durante a estória.

Foi comprovado que durante a grande fome no Egito no ano 1064-1072 antes de Cristo. Os cruzados praticaram o canibalismo após o cerco de Ma’arrat al-Numan em 1098.

Na Europa, haviam relatos de casos de canibalismo no século 14, mas eles eram sempre desacreditados. Mas quem pode afirmar que não eram verdadeiros? O homem quando acossado pela fome, acaba por esquecer o que é socialmente aceitável e pode retornar ao canibalismo. Isso seria uma questão de sobrevivência. Por isso, a fome é sempre motivo para comer carne humana.

Nos tempos mais modernos, houveram dois casos famosos de naufrágio e prática canibal: s sobreviventes do navio francês Medusa em 1816 praticaram o canibalismo após quatro dias à deriva. Assim como os sobreviventes do balleiro Essex também concordaram com a prática.

Nos Estados Unidos, em 1870, Alfred Packer matou e comeu seus companheiros de viagem. Ele acabou sendo solto por falta de provas, mas muito tempo depois a evidência forense provou que ele realmente tinha cometidos os crimes.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foram citados muitos casos de canibalismo entre outros entre os russos e japoneses. Na União Soviética, devido ao isolamento provocado pela guerra, muitas aldeias ficaram sem abastecimento de comida. Houveram relatos de corpos de pessoas achados sem partes da carne. Também há o casos dos militares japoneses que executaram e comeram prisioneiros norte-americanos.

Um dos casos mais famosos é do time de rúgbi uruguaio, que após a queda do avião nos Andes foram obrigados a comer carne humana. Nesse caso, até o papa os perdoou.

Links:

http://en.wikipedia.org/wiki/Carib

http://exploration.vanderbilt.edu/news/news_cannibalism_pt2.htm

http://www.unexplainedstuff.com/Secret-Societies/The-Leopard-Men.html

http://www.warriors.egympie.com.au/cannibalism.html

http://www.experiencefestival.com/cannibalism_dictionary

http://en.wikipedia.org/wiki/Cannibalism

http://en.wikipedia.org/wiki/Sylar

http://www.zacharyquinto.com/