Arquivos do Blog

A Mulher Bufálo Branco

Este é um mito central das tribos das planícies, especialmente o Lakota, ou Sioux. Ela conta como os lakotas receberam pela primeira vez o seu cachimbo sagrado e como foi ensinado o cerimonial para usá-lo. A lenda foi relatadas diversas vezes pelos lakotas Black Elk, Lame Deer e Looks for Buffalo.

Nos dias de antigamente os lakotas  tinham cavalos que eram usados para caçar o búfalo,  mas a comida era muitas vezes escassa. Um verão em especial, quando a nação lakota tinha acampado junta e havia muito pouco para comer, dois jovens do ramo Itazipcho – os “Sem Arco’- decidiram que iriam levantar cedo e procurar por caça. Eles deixaram o acampamento enquanto os cachorros ainda bocejavam, e se lançaram através da planície, acompanhados apenas pelo canto da cotovia amarela.

Depois de um tempo o dia começou a esquentar. Os grilos faziam barulho na grama, cães da pradaria disparavam de seus buracos quando os guerreiros se aproximavam, mas ainda não havia sinal de caça. Assim, os jovens foram no sentido de uma pequena colina de onde eles iriam ver melhor através da vasta pradaria. Alcançando-a, eles apertaram os olhos e esquadrinharam a distância, mas o que eles viram saindo da crescente névoa de calor foi algo brilhante, que parecia caminhar em duas pernas, não em quatro. Em pouco tempo eles viram que era uma mulher linda, e que brilhava em seu traje branco.

Búfalo

Búfalo

À medida que a mulher se aproximava, eles notaram que seu manto de peles era maravilhosamente decorada com  ornamentos sagrados feitos de espinhos cor de arco-íris do porco-espinho. Ela carregava um embrulho nas costas, e um odor de sálvia perfumada exalava de sua mão. Seu cabelo negro estava solto, com exceção de um único fio amarrado com pele de búfalo. Seus olhos estavam cheios de luz e poder, e os jovens ficaram paralisados.

De súbito, um dos homens foi tomado por um desejo ardente. “Que mulher!”, disse ele de lado para  seu amigo. “e sozinha nesta  pradaria. Eu vou me aproveitar ao máximo disso! ‘

‘Insensato’, disse o outro. “Esta mulher é santa!”

Mas o tolo tinha tudo planejado, e quando a mulher o chamou, ele não precisou de um segundo convite. Assim que ele estendeu a mão para ela, os dois foram envolvidos em uma grande nuvem. Quando a nuvem se dissipou, a mulher permaneceu ali, enquanto aos seus pés não havia nada além de uma pilha de ossos com cobras terríveis contorcendo-se entre eles.

“Contemple”, disse a mulher ao jovem. “Eu vim para o seu povo com uma mensagem de Tatanka Oyate, a Nação do Búfalo. Retorne ao chefe Standing Hollow Horn  e diga-lhe o que você  viu. Diga a ele para preparar uma grande tenda  suficiente para todo o seu povo, e se preparem  para a minha vinda. ”

O jovem correu de volta pela pradaria e ofegava quando ele alcançou seu acampamento. Com uma pequena multidão de pessoas já o seguindo, ele achou Standing Hollow Horn  e disse-lhe o que tinha acontecido, e que a mulher estava chegando. O chefe ordenou que várias tendas fossem combinadas em uma  grande o suficiente para todos. As pessoas esperavam ansiosas pela chegada da mulher.

Depois de quatro dias, os olheiros que foram mandados para esperá-la, viram alguma coisa de belas formas chegando através da pradaria. Então, de repente, a mulher apareceu na grande tenda, e começou a andar  na direção horária. Ela parou diante de Standing Hollow Horn e colocou o embrulho que ela trazia diante dele.

‘Olhe para isso “, disse ela,” e sempre ame  e respeite isso. Ninguém  impuro deve  tocar neste embrulho, pois contém o cachimbo sagrado. ”

Ela desenrolou a  pele e tirou um cachimbo, e uma pequena pedra redonda que ela colocou no chão.

“Com este cachimbo você vai andar sobre a terra, que é a sua avó e sua mãe. A terra é sagrada, e é sagrado cada passo que você dá em cima dela. A boca do cachimbo é de pedra vermelha; representa a terra. Esculpido dentro dele e no centro está o bezerro de búfalo, em pé nas quatro patas. O cabo é de madeira, que representa tudo o que cresce sobre a terra. Estes doze penas suspensas da águia manchada representam todas as criaturas aladas. Todas as coisas vivas do universo são os filhos da Mãe Terra. Vocês todos são unidos como uma família, e você vai ser lembrado disso quando o fumar. Trate este cachimbo e a Terra com respeito, e seu povo irá crescer e prosperar. ”

A mulher disse-lhes que os sete círculos esculpidos na pedra representavam os sete ritos em que as pessoas iriam aprender a usar o cachimbo sagrado. O primeiro foi para o rito de “manter a alma”, que ela agora ensinava. Os demais ritos eles aprenderiam no devido tempo.

A mulher fez menção de deixar a tenda, mas, em seguida, virou-se e falou com Standing Hollow Horn  novamente. “Este cachimbo vai ficar com você até o fim. Lembre-se que em mim há quatro séculos. Estou indo agora, mas vou olhar por seu povo em todas as épocas, e no final, eu voltarei. ”

Ela agora caminhou lentamente em sentido horário ao redor da tenda. As pessoas ficaram em silêncio e cheias de temor. Mesmo as crianças famintas a observavam, com os olhos cheios de admiração. Em seguida, ela foi embora. Mas depois de caminhar uma curta distância, ela encarou o povo novamente e sentou-se na pradaria. As pessoas que a seguiam ficaram surpresos ao ver que, ao levantar, ela havia se tornado um bezerro de búfalo vermelho e marrom. O bezerro adentrou a pradaria, e depois se deitou e rolou, olhando para as pessoas.

Quando ela se levantou ela era um búfalo branco. O búfalo branco caminhou  até que se tornou  uma mancha brilhante na planície distante, e, em seguida, virou-se de novo, e tornou-se um búfalo preto. Este búfalo foi embora, parou, curvou-se para as quatro direções da terra, e, finalmente, desapareceu sobre o monte.

http://www.livingmyths.com/Native.htm

Links relacionados:

http://www.lightningmedicinecloud.com/legend.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Lame_Deer

http://en.wikipedia.org/wiki/Black_Elk

Notas:

1) Black Elk e Look for Buffalo são médicos ou “pajés” de origem lakota e Lame Deer foi um conhecido vice-líder dessa tribo.

A Raposa e o Tanuki

Muito, muito tempo atrás, uma raposa encontrou um tanuki.

“Como vai tudo, Tanu-kun? Quando se trata de transformação nós dois somos os melhores do mundo, mas eu imagino quem seria o número um, eu ou vocêf?”

O tanuki não respondeu, mas apenas apontou para o próprio peito.

“O que você quer dizer? Você acha que você é o melhor transformador?”

“Isso é certo”, disse o tanuki. Então, eles decidiram ter um concurso de metamorfose.

Uma vez que foi decidido, a raposa não perdeu tempo. “Se eu não superar esse tanuki metido”, pensou a raposa, “será uma vergonha para a fama das raposas.”

Só então a raposa notou uma pedra memorial em pé ao lado da estrada. Assim, a raposa ficou bem próximo a ela e se transformou em uma estátua de Jizo-sama.

Nenbutsu-ji_jizo_and_Tanuki

Estátua de Jizo no templo de Nenbutsu em Kyoto : http://www.otagiji.com/

Em pouco tempo, o tanuki apareceu. Este tanuki tinha um hábito curioso – sempre que via Jizo-sama, ele ficava com fome e comia o almoço que ele estava carregando. Neste dia não foi diferente.

“Meu Deus, eu estou com tanta fome. Acho que vou almoçar.”

O tanuki pegou o almoço que ele estava carregando em suas costas e tirou alguns bolinhos de arroz. Ele colocou um diante de Jizo-sama como oferenda, e inclinou a cabeça.

Talvez ele tivesse orado “que a raposa será vencida no concurso de transformação.” Mas, quando ele levantou a cabeça e abriu os olhos, foi pego de surpresa. O bolinho de arroz que ele tinha oferecido não estava mais lá. Isso foi estranho. Pensando nisso, ele se perguntou se talvez ele realmente não tivesse feito a oferta. Então ele com muito cuidado colocou outro bolinhol em frente à estátua de Jizo-sama. Ele abaixou a cabeça, orou “Namu Amida Butsu, Namu Amida Butsu” e levantou a cabeça imediatamente. O quê? O bolinho tinha sumido!

“Isso não está certo!”

O tanuki colocou mais um bolo de arrozna frente de Jizo-sama, disse rapidamente: “Namu Amida -” e levantou a cabeça antes que pudesse sequer ter a certeza que ele tinha realmente abaixado. O que ele viu foi Jizo-sama com um bolinho de arroz meio comido em uma das mãos.

“Ei!” o tanuki gritou, e agarrou o braço de Jizo-sama. O que havia sido Jizo-sama voltou à sua forma habitual, a raposa.

“O que é tudo isso, Kitsune-san?” perguntou o tanuki.

“Agora é a sua vez”, respondeu a raposa. O tanuki pensou por um momento, e levou de volta o que restava do bolinho antes de falar.

“Cerca de meio dia de amanhã eu me transformar no senhor do castelo e passar por aqui, e então olhar de perto.”

E assim, a raposa ficou esperando lá no dia seguinte. Finalmente, ele viu a procissão do senhor vindo em sua direção.

Primeiro vieram os varredores gritando “Abaixo! Todo mundo no chão!” Depois disso veio uma longa fila de samurai, e, em seguida, a liteira em que o senhor estava sentado. A raposa estava cheio de admiração, e correu para a liteira do senhor, sem sequer pensar mudar para a forma humana.

“Senhor Tanu, senhor Tanu”, ele chamou, “você me venceu.”

No entanto, a procissão não era uma transformação do tanuki, e sim uma procissão de verdade. E assim, um dos samurais carregando um grupo correu para a raposa. A surra que raposa levou foi severa. E de verdade.

http://wabei4.tripod.com/xlation/quilt/tanufox.htm

http://www.furinkan.com/uy/faq/references/kitsuki.htm

http://hyakumonogatari.com/category/tanuki-stories/

http://www.onmarkproductions.com/html/tanuki.shtml

http://www.obakemono.com/obake/tanuki/

http://www.obakemono.com/obake/kitsune/

http://www.yamasa.org/acjs/network/portugues/newsletter/things_japanese_19.html

http://madeinjapan.uol.com.br/2009/09/20/jizo-o-guardiao-das-criancas/

http://shinjinka-acosmologiadosutradoltus.blogspot.com.br/2013/03/ksitigarbha-bodhisattva-um-simbolo-de.html


Nota:

A  oração Amida Butsu é amplamente ensinada por ser universalmente eficazes, e também tem a vantagem de ser curto. Isso é útil em um caso como este, quando a pessoa precisa rezar não tem nada de especial para pedir.