Uma Segunda Estória de Canguru

Uma segunda estória de Canguru

Lá longe no Kowmung e ao redor dos picos escarpados em que se encontram os grandes filões contendo a  prata de Yarranderie(1), vagavam uma tribo de negros que têm a sua própria estória do primeiro canguru.

Essas pessoas diziam que certo dia uma mulher se escondeu do marido. Esse homem era um caçador muito inteligente. Seu bumerangue infalível derrubava todos os goanna (2). Os bumerangues que ele fazia só para diversão, voavam às distâncias mais longas, e voltavam e giravam uma e outra vez por cima da cabeça do lançador antes de pousar rapidamente a seus pés, e foi o que ele fez como uma arma e, claro, não voltaria, poie era o mais pesado e mais mortal, seja na caça ou na guerra.

Ele poderia habilmente virar o porco-espinho e não erraria um pássaro se ele tentasse derrubá-lo. Portanto, a bolsa de sua esposa estava sempre cheio de caudas de goannas, com grandes porcos-espinhos,  pássaros e larvas, embora a mulher tivesse ela mesmo catado as larvas, bem como as raízes de samambaia. As larvas eram de uma bela cor branca e se encontravam em buracos de troncos podres e eram chamados de “nuttoo”.

Se diz que o primeiro canguru era uma grande besta e era capaz de comer pequenas crianças. Se uma criança caminhava para longe de seu tapete ou sua caminha de folhas sua sua mãe sempre a ameaçava com o chamado do canguru gigante.

Agora, a mulher com a sacola carregada se rebelou. Ela jogou fora o saco pesado e saiu correndo. Ela estava de pé, também, para que ninguém pudesse pegá-la.

Ao redor dessa parte do país se encontram muitas áreas pantanosas, que são densamente arborizadas com o Melaleuca Maideni (3) e foram igualmente cobertas com essas árvores nos dias distantes do primeiro canguru.

A esposa fugitiva se escondeu atrás do tronco de uma das maiores dessas árvores. Sua casca era branca, e em manchas largas, suave, irregular e com aparência de papel. E descascava em grandes pedaços.

O marido dela, muitas vezes conseguia alcançá-la e ela tinha que ser muito, muito rápida quando saia do esconderijo e começava a correr.

Dias se passaram e ela ainda não tinha sido capturado. Mas ela estava ficando cansada, e ela começou a pensar que carregar um pesado saco de carne estragada não era uma tarefa tão terrível como a ficar brincando de esconde-esconde pela vida inteira, em que ela era obrigada a fazer constantemente.

Se ela não tivesse sido uma das mulheres que tinham aprendido os segredos que apenas os homens deveriam possuir, ela nunca teria tido coragem de se rebelar. Se as coisas ficassem ainda pior ela poderia invocar a ajuda do espírito, e algo aconteceria a seu favor. Ela sabia onde o barro que era necessário para a magia podia ser encontrado. O único problema era que ela não tinha conhecimento do paradeiro de seu povo. No entanto, ela arriscou tudo, e ao escalar o lado íngreme do monte, viu fumaça de fogueira.

Ela estava muito feliz ao perceber que ele estava na direção da montanha agora chamada de “Werong” (4), escapando sob as “Rochas de Alum.” E entre ela e as Rochas de Alum havia um depósito de argila  vermelho, amarelo, e branco. E lá foi ela, e logo ela que ela marcou um local cuidadosamente, colocando ainda o algodão selvagem nas linhas da argila para ter certeza de que ela iria receber a ajuda que ela precisava.

Por essa altura já era noite, e ela dormiu.

Pela manhã os alimentos vieram para ela. A larva de nuttoo enfiou a cabeça no tronco da árvore grama, e ela não teve dificuldade em atraí-lo para fora, e, torrado, ele a larva era muito doce. O sabor da larva nuttoo, que quase sempre podem ser encontrados em acácias,  a fez querer muito mais.

É bem conhecido que um grande número de insetos muito destrutivos habitam as acácias. O eucalipto ou coolibah(5), também, é outro hospedeiro para larvas de pragas. E acácias e coolibabs crescem em abundância, pois em menos de duas horas ela tinha recolhido um saco enorme, em logo em seguida, ela procurou um lugar para fazer um outro fogo.

Este fogo foi sua ruína. A fumaça foi logo vista por seu marido. Ele era persistente e nunca deixou de observar e procurar por ela.

Com toda a sua astúcia, ele aproximou-se das pequenas espirais azuis de fumaça.

Mas a mulher não era de forma nenhuma irresponsável. Seus ouvidos estavam atentos, e ela ouviu claramente um galho se quebrando e o roçar de olhas mortas perturbando o ar. A mulher então apelou ao Espírito, batendo nos seus seios ao mesmo tempo. Entre ela e o homem rastejando furtivamente havia um toco de árvore do chá. O topo tinha sido arrancado por uma ventania e ele caira morto no chão. Ela se lançou ao tronco, e se endireitando ela apertou os braços ao redor dele, suplicando ao Espírito, ao mesmo tempo, para protegê-la e guiá-la.

O toco de árvore ganhou vida. Ele pulsava. Tinha quase se separado de suas raízes, pois havia muito tempo desde que o seus ramos tinham sido arrancados dele.

O homem viu isso muito claramente. Para ele era só um toco de árvore do chá. Os grandes pedaços de casca eram bastante visíveis para ele.

Portanto, ele não viu nada de mais. Ele foi se aproximando até que ele pudesse ver o fogo ardente e suas narinas se enchessem do cheiro da refeição a cozinhar. Não havia nenhum sinal de sua esposa.

Bem, pensou ele, não importa neste momento. Ele iria comer sua refeição e, em seguida, ele iria espionar as trilhas e segui-la.

Ele passou a poucos metros do toco do árvore de chá, e assim ele estava tão distraído de sua guarda e estava prestes a começar a refeição, quando o toco saltou. Ele lançou um olhar para a ele.  A surpresa o manteve paralisado. Lá, agarrado ao tronco, o que quer que fosse, estava sua esposa.

Ele teve um vislumbre das linhas brancas do tronco, e ele desistiu da idéia de o seguir.

Portanto, desde que o tempo é difícil dizer distinguir um canguru de um toco. Quando ele ainda está de pé no mato pode-se facilmente imaginar que é uma mulher aborígene, coberta nas costas com barro e algodão selvagems. As patas dianteiras escuras do canguru são seus braços. A  costa escura é o seu corpo. Sua cabeça escura é seu rosto. Mas sua frente desgrenhada e branca é toco da árvore.

A obsessão do canguru por bebês aborígenes,  nasceu dessa mulher fugitiva que originou o seu ser. Alguns acreditam que ele os come, mas outros negam isso, mas esse mistério nunca será desvendado.

Mesmo sem acreditar, as mães aborígenes assustam seus filhos com essa estória, dizendo que o canguru o faz.

Fonte:

 

http://www.sacred-texts.com/aus/peck/peck14.htm

Notas:

(1) http://en.wikipedia.org/wiki/Yerranderie

Yerranderrie é uma cidade fantasma localizada próximo do Kanangra-Boyd National Park de New South Wales, Australia em Wollondilly Shire.

Yerranderie era antes uma cidade mineira de aproximadamente duas mil pessoas, mas a indústria da mineração entrou em em 1927, e, desed 1959,  a cidade não teve mais acesso direto para a cidade de  Sydney pelas terras da represa de Warragamba e o lago Lake Burragorang. O posto do correio de Yerranderie abriu em 1 de novembro de 1899 e fechou em 1958.

Agora a cidade é dividida em duas partes, as adjacências residenciais próximas a uma pista de pouso e o sítio histórico um quilômetro mais a oeste. A área é cercada por relíquias e entradas de minas abandonadas. Acessada principalmente por uma estrada de terra de Oberon, New South Wales 70 km ao oeste, embora haja uma rota raramento utilizada através do Oakdale ao leste. Aviões voam ocasionalmente vindos do aeroporto de Camden . A cidade foi fundada nos arredores do Pico de Yerranderrie Peak, que são os restos de um dique vulcânica dique e a fonte da riqueza mineral da região. Yerranderrie provém de duas palavras aborígenes,  que significa encosta e topo.

(2) Tipo de lagarto monitor encontrado na Austrália. Das trinta espécie conhecidas, vinte e cinco são australianas.

http://en.wikipedia.org/wiki/Goanna

(3)

Tipo de árvore:  http://www.prowebcanada.com/taxa/displayspecies.php?&species_name=Melaleuca%20maidenii

(4) Monte localizado no Blue Mountains National Park.

http://nexttriptourism.com/blue-mountains-tourism-in-australia/

(5) É um tipo de eucalipto de zonas alagadas que é encontrado por toda a Austráilia. A árvore é comumente chamada de  coolibah or coolabah.

http://en.wikipedia.org/wiki/Eucalyptus_coolabah

 

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em agosto 19, 2013, em austrália, contos, lendas, seres míticos e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: