O homem que saiu para pescar em um barco Huldu

O pessoal da aldeia de Gasadalur, não tinham barcos, porque o lugar ficava em um grande despenhadeiro. Então eles pescavam com os homens da aldeia vizinha, Bour.

Uma noite, um homem de Gásadalur fui ao promontório de Akranes, onde um barco de Bour iria pegá-lo.  Enquanto ele estava em seu caminho, viu uma embarcação indo para o despenhadeiro, e como ele não quis esperar por eles, ele correu para o barco.  Ele notou que havia sete homens lá, e havia um assento livre em um dos bancos. Ainda assim, ele não podia enxergar bem os seus ocupantes, porque ainda estava escuro. Ele não suspeitou de nada e pulou no barco, que logo deixou a costa, rumo ao mar aberto.

Assim que ele sentou em seu lugar, ele viu que tinha entrado em um barco huldu, porque não reconheceu nenhum dos homens, mas escondeu o seu medo para que eles não notasse, pegando um remo.

Eles navegaram longe até um banco de besca chamado Vágoy, lá os homens huldu se preparam para pescar, colocando isca nos seus anzóis e lançando-os ao mar. O homem de Gásadalur não fez nada, ele apenas ficou quieto e olhou para baixo. Ele trouxe sua linha de pesca, mas seus anzóis e iscas ainda estava em Bour.

De repente, o chefe do barco perguntou por que ele não estava pescando, eo homem respondeu que era porque não tinha anzol ou isca.
O huldu deu tudo o que ele precisava e, assim que ele lançou a isca, o homem sentiu que havia algo no anzol. Ele puxou um grande peixe do mar, e logo que ele o matou, o chefe o marcou e assim o fez com cada peixe que o homem pegou naquela manhã.

Por fim, o barco estava cheio de peixe, e remaram para terra. Eles desembarcaram em Akranes, o mesmo lugar de onde ele embarcou, e eles jogaram todos os peixes que ele tinha pego na terra.

Quando o homem desembarcou, ele percebeu que tinha esquecido a faca no barco. Ele gritou ao huldu, dizendo:

“A coisa afiada  (1) ainda está a bordo!”

O hulduman pegou a faca e jogou em cima dele, mas não o acertou.

O huldu gritou:

“Maldito seja, seu sortudo. Você se comporta como um cão, e eu não ouvi você agradecer-nos por levá-lo a bordo. ”

Notas:

Se você encontrar os huldufólk, você não deve chamar uma faca, espada, machado etc, pelo seu próprio nome. Em vez disso, você tem que usar outras palavras, por exemplo, se referir a uma faca como “coisa pontuda”.

Também é perigoso de agradecer ao huldufolk pelos seus favores, porque se fizer isso, eles vão ter poder sobre você.

Similar lendas são contadas sobre um homem da aldeia de Strendur e um homem de Eiði, que ambos pescavam em conjunto com huldumen. O homem de Eiði navegou com a huldumen para um inverno inteiro

Foto de Gasadalur por Skygge Von Helvetesdalen

fonte:

http://www.tjatsi.fo/index.php?sprog=&side=23b8f72dad918e3a24af38feea927ac3

atenção o site acima foi descontinuidade, existe somente um backup no webarchive:

http://web.archive.org/web/20111110104716/http://www.tjatsi.fo/?side=78af618ccbcea6b098cdad7fa5cfe106


Mais em:

Huldufolk

Land of the Huldufolk

Fotos de Faroé

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em maio 4, 2011, em contos, dinamarca, europa, Ilhas Faroe, Islândia, lendas, seres míticos, supertições e costumes e marcado como , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: