A isca de sapos e o Bunyip

Abaixo do billabong  (1) tinha uma cabeça entre os juncos. E assim permaneceu sem que ninguém tenha notado. Três patos passaram. Na escuridão, não houve movimento brusco. Duas mãos saltaram e agarraram suas pernas, puxando os patos para o lago e torcendo o pescoço de modo tão rápido e silencioso que o terceiro pato afastou sem saber o que tinha acontecido com os outros.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

Mascote do Jogos das Escolas do Pacífico, que aconteceu em 2008, Bidja the Bunyip.

O homem sapo se levantou, tremendo um pouco por causa da brisa fresca da noite. Amarrou os patos seu cinto e estava prestes a ir para a terra, onde sua esposa estava esperando por ele, quando ele viu um vulto enorme e cinza sair do pântano. Era um Bunyip (2), o monstro terrível dos pântano e billabongues.

O rapaz não desperdiçou o fôlego gritando. Ele nadou na água rasa numa pressa frenética em direção à margem. Sua esposa também tinha visto o Bunyip.

“Dê-me os patos”, ela disse assim que ele se aproximou.

Ele os entregou a ela, jogando-se na areia, ofegante.

“Não há tempo para esperar aqui”, disse ela. “O monstro está se aproximando.”

“Espere até eu recuperar o fôlego”, ele suspirou.

“Vamos”, ela pediu a ele. “O Bunyip vai nos pegar se você não se apressar.”

Ela puxou ele pelos pés, mas assim que ela o fez o  Bunyip esticou o braço longo, e suas garras fecharam no corpo dela. O marido a agarrou pelo braço e tentou salvá-la, mas o Bunyip a levantou, a enfiou debaixo do braço, e desapareceu na escuridão.

O homem estava desesperado. Ele mergulhou na água e nadou entre os juncos, mas se fechavam atrás do monstro, sem deixar vestígios de sua passagem.

Assim como que a  manhã luziu o homem rã reuniu um fornecimento de pequenas criaturas que eram o seu totem e as amarrou a uma longa vara que ele prendeu na lama.  Elas choravam e grasnavam miseravelmente, agitando os braços e as pernas em uma luta para libertar-se.

“Isso vai atrair o Bunyip,” pensou o homem rã.  Ele estava agachado entre as canas, com sua lança de guerra ao lado dele, pronto para enfiá-la no Bunyip assim que ele aparecesse.  As horas passavam lentamente. A única coisa que ele conseguia ver era as pernas das rãs se contorcendo. A luz enfraqueceu e lá pelo meio da noite, o coaxar dos sapos ficaram mais fracos. Pela manhã, eles estavam todos mortos. Cabisbaixo, ele os desamarrou, pegoui um pouco mais, e os amarrou ao poste. O ar estava cheio com o doce murmúrio dos sons, ele foi para seu acampamento para dormir.

O Bunyip saiu da água, com o olho ferido e foi em direção às árvores. A mulher o acompanhava, apesar do marido gritar para ela parar. Isso porque ela estava sob o encantamento da criatura, e não tinha vontade própria.

Quando ele voltou naquela noite os sapos foram embora, e a vara estava jogada ao lado dos juncos. Com esperança renovada, ele pegou um fornecimento adicional, erguido o poste mais uma vez, amarrou os sapos no lugar, e sentou-se para esperar.

Manhã após manhã, o homem colocava iscas de rã em sua armadilha, mas nada de avistar o Bunyip. Mas só quando ele não conseguia manter os olhos abertos pela falta de sono que elas foram pegas.  Mas por fim a sua paciência foi recompensada. Era de manhã cedo. O jovem marido estava prestes a terminar sua vigília solitária, quando se uma grande forma separou os véus de neblina, e o Bunyip estendeu suas garras para tirar as rãs.  Atrás dele, a jovem seguiu com os olhos distante, sujo e despenteado, com os cabelos espalhados pelo seu rosto.

“Fique longe,” o marido gritou, e atirou sua lança contra o monstro. Ele mergulhou na carne macia de modo que somente a extremidade do cabo estava mostrando. O Bunyip gemeu e jogou os sapos no sua agressor. Um deles atingiu o homem rã no olho, cegando-o por um momento. Ele ainda tinha a sua vara de arremesso. Ele atirou-a Bunyip, e teve a satisfação de vê-la acertar em um dos olhos do Bunyip é. A criatura contorceu-se de dor, e nadou de volta de onde veio.

“Vem comigo mulher,” o homem rã implorou. “Você estará segura comigo.

Para seu espanto, a jovem não deu atenção, mas seguiu o Bunyip na neblina. O marido correu atrás dela. Não havia como esconder a trilha agora. Com apenas um olho, o Bunyip escorregou e caiu, se levantou e cambaleou, deixando um rastro de vegetação esmagada por trás dele. A mulher acompanhou de perto, nos seus calcanhares, pois o Bunyip tinha lançado um feitiço sobre ela, o que a deixou ligada a ele.

Eles chegaram ao outro lado da lagoa. O Bunyip saiu da água e começou a subir em uma árvore de goma. Ele chegou ao topo, sentado em um galho, e olhou para baixo para o homem rã com seu único olho maligno. A jovem estava no pé da árvore, como se petrificada.

“Você está segura agora”, disse o marido, segurando seus braços. “Venha comigo e vamos voltar ao nosso acampamento.

Ela colocou os braços ao redor dele, mas não conseguia mover os pés, que pareciam ter congelado no chão.

Ele deu um passo em direção a ela, e de repente parou. Ele tinha entrado no círculo do poder que unia a sua esposa ao Bunyip, e ele foi incapaz de se mover.

Os corpos petrificados do homem rã e a sua mulher ficoaram como tocos de árvores finos. O dia se tornou noite, noite se tornou dia, tempestades varreram o Billabong, a água subiu e caiu com a mudança das estações, mas ainda assim o cenário ainda era o mesmo na árvoren. Os corpos petrificados do homem rã e a sua esposa  ficaram como tocos finos de árvores, com braços estendidos para o outro no desejo de se alcançarem, enquanto acima deles, permanecia o olho único do Bunyip encarando-os do meio das folhas da árvore.

Depois veio uma grande tempestade que derrubou a árvore de goma. O olho ficou onde estava, mas o encanto foi quebrado e, finalmente, o casal foi reunido. Seus descendentes nunca  mais tocaram os sapos.  Eles os deixarams como alimento para o bunyips de modo que os monstros do pântano, não iria molestá-los.

E onde o rio Murray agora flui, o aborígenes dizem que a lua é o olho do Bunyip que uma vez roubou a esposa de um homem rã de sua tribo.

Fontes:

http://www.skepdic.com/bunyips.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://en.wikipedia.org/wiki/Bunyip

http://www.aboriginalartcentre.com.au/dreamtime%20stories/frog_bunyip.htm

http://www.yowiehunters.com/index.php?option=com_content&task=view&id=904&Itemid=69

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/frog_bunyip.php

http://en.wikipedia.org/wiki/Billabong

http://pt.fantasia.wikia.com/wiki/Bunyip

http://medievallegends.blogspot.com/2011/03/bunyip.html

http://www.flickr.com/photos/37996586683@N01/2727152714

http://www.pacificschoolgames.edu.au/

Notas:

(1)

Billabong é uma palavra do inglês da Austrália que significa lago, especificamente um lago oxbow (lago em forma de cana de boi), um seção de água parada adjacente a um rio, cortada por uma mudança de curso da água. Os billabongs são geralmente formados quando o curso de um riacho ou rio muda, formando um beco sem saída.  Billabongs, refletem o clima árido australiano onde esses “rios mortos” são encontrados, cheio em uma estação do ano e seco nas demais.

(2)

O bunyip é um espírito ou criatura lendária do folclore aborígene australiano. Bunyips assombrar rios, brejos, riachos e billabongues. Seu principal objetivo na vida é para causar terror comendo pessoas ou animais na sua vizinhança. Eles são famosos por seus berros aterrorizantes e gritos nturnos e é conhecido por assustar os aborígines ao ponto onde não deixar eles se aproximar de qualquer fonte de água onde um bunyip podem estar esperando para devorá-los.

Há muitos relatos de colonos brancos que viram Bunyips, assim como cryptologistas, que ainda estão procurando por essas criaturas. Eles podem ter alguma dificuldade em localizar um dessa criaturas, pois as tribos aborígenes dão as mais variadas descrições dela. Alguns dizem que o bunyip parece uma cobra enorme, com uma barba e uma juba, outros dizem que parece uma enorme criatura humanóide e peluda, com um pescoço longo e uma cabeça como a de um pássaro. No entanto, a maioria dos australianos consideram a existência do bunyip como lenda. Alguns cientistas acreditam que o bunyip era um animal real, o diprotodon , extinto há 20 mil anos, e que talvez ainda existisse na época dos colonizadores, assustando os primeiros colonos.

De acordo com Oodgeroo Noonuccal (Kath Walker) em Stradbroke Dreamtime , o bunyip é uma punição ou espírito mau do “Tempo de Sonhar” – Dreamtime aborígene. Hoje, o bunyip aparece principalmente na literatura australiana para as crianças e é mencionado em comerciais de televisão.

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em março 23, 2011, em austrália, contos, lendas e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Billabong – uma palavra do idioma aborígene Wiradjuri que significa mina d`’água, olho dàgua, onde a água aparece, mais um poço que um lago.
    fonte: An introduction to Aboriginal Societies –
    W.H. Edwards

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: