O elfo da luz um conto nórdico

Thule sonhava em morrer no campo de batalha e ser levado ao paraíso, o Valhalla, pela valquírias, damas guerreiras que levam a alma dos valentes soldados até os salões de Odin

Na estranha ilha da Islândia, cuspida para a superfície pelo fogo das profundezas do mar, vivia um rapaz que cultuava o deus Odin (1), e que aprendeu isso depois de ler dois livros absurdos chamado “Os Eddas”(2). Ele queria lutar e morrer em um campo de batalha, de modo que sua alma pudesse atravessar a ponte do arco-íris, e habitar nos belíssimos salões de Valhalla. Pois era assim que os heróis eram escolhidos, segundo o livro dos Eddas dizem que são os heróis escolhidos, e eles passam o dia inteiro lutando lá no paraíso e de noite, festejam até o raiar do dia.

Assim, ao invés de uma Bíblia, o jovem Thules ficava estudando esses  contos de fadas, como um incentivo ao seu treinamento pagão, e até que ele tinha alguns traços nobres, que um bom rapaz cristão poderia imitar.

Ele morava com a mãe viúva na beira de uma floresta. A neve empilhada-se aos montes, e o vento uivava entre as árvores, e se arrastave-sepelas janelas, pois a casa era muito velha, e  poderia muito bem ser confundida com uma pilha de madeira velha. Mas Thule era muito feliz como se a cabana fosse um palácio. Ele amava a beleza invernal do rosto de sua mãe, e o seu cebelo prateado quase todo escondido pelo seu capuz preto. Todo a fogueira que eles faziam era feita de galhos secos que eles recolhiam na floresta, e mais da mais de metade do dinheiro que eles ganhavam era com o esforço de sua  próprias mãos.

Nos meses gelados do ano, quando o tempo estava mais afiado do que um dente de serpente, Thule chegava de um duro dia de trabalho, e, quanto mais frio ficava, mais ele mantinha seu coração valente. Olhando para o horizonte à sua frente, ele viu o brilho frio que chamamos de aurora boreal, mas que ele sabia ser o elmos, escudos e lanças cintilando.

“As donzelas guerreiras (3)saíram esta noite”, pensou o rapaz: “eles estão indo para campos de batalha para decidir quem é digno de ser morto. Como gosto de ver o céu iluminando-se com o brilho de suas armaduras! Odin, permita que um dia eu possa ser um herói, e possa caminhar sobre a ponte do arco-íris! ”

Depois Thule voltou para o seu caminho novamente, mas, assim que ele adentrou na floresta onde as sombras se tornam perigosamente profundas, ele ouviu um gemido, que soou como uma voz humana, ou poderia ter sido uma rajada de vento repentina em uma árvore oca.

“Possivelmente é alguma pobre criatura com mais frio do que eu”, pensou o rapaz: “Tomara que não seja um troll!”

Correndo para o local de onde vinha o som, ele encontrou um anão feio e de nariz comprido no chão, quase morrendo de frio. Estava ficando tarde, e o próprio garoto estava ficando com o corpo entorpecido, mas ele foi rápido, esfregando as mãos e pés do desconhecido, até mesmo tirando sua jaqueta azul para envolvê-lo no pescoço do anão.

O anão estava morrendo de frio e Thule o ajudou. Grato ele presenteou o rapaz com um amieiro. Mal sabia Thule que ele ia passar por muitas aventurar ainda...

Pobre boa alma, você não morrerá de frio”, depois ele alegremente disse, ajudando-o a levantar-se: “Iremos para a casa da minha mãe e vamos comer um belo mingau de aveia, bolos e arenques, e nosso fogo de ramos secos irá lhe fazer bem, ”

O nobre rapaz sabia que mal havia ceia sufficiente para dois, mas não se importava de ir para a cama com fome para ser caridoso. No fundo de seu coração, ele ouviu as palavras de sua mãe:

“Nunca se preocupe com a fome, meu filho, mas compartilhe de boa vontade o seu último pão com os necessitados.”

Eles caminharam pela floresta, o velho homem apoiado fortemente no ombro do jovem.

“Por que você deve ajudar um pobre coitado que não pode pagar?” Choramingou o anão com uma voz rouca que assustou Thule, era como o eco devolvido por uma montanha ou uma pedra.

“Eu não peço ou quero ser recompensado”, foi a resposta. “Você não sabe o que diz o provérbio” Faça o bem, e jogue-o no mar, se os peixes não souberem disso, Odin vai! ‘? ”

“Sim: Odin deve saber, não tenhas medo”, respondeu o anão”, mas, como já sei que sua mesa de chá não é suficiente para três, acho que vou recusar o convite para jantar. Realmente, meu rapaz “, continuou ele,” seria do meu agrado fazer-lhe um pequeno favor, pois, embora eu seja apenas um pobre anão, eu sei como ser grato. A propósito, você já viu por aqui uma coisa assim como uma árvore verde de amieiro?”

“A um amieiro verde em tempo de inverno”, gritou Thule.

“Uma coisa curiosa, na verdade,” disse o anão “, mas por acaso eu vi uma outro dia em minhas andanças Ah, olha, aqui está bem diante dos seus olhos!”.

Todas as outras árvores da floresta estavam duros e secas, os seus corações congelados dentro deles, mas esta árvore estava viva, escondida atrás de uma moita de abetos. Quando Thule começaram a cavar em suas raízes, parecia que a árvore saía do chão de sua livre vontade, e se acomodou em seus ombros como se estivessem o acariciando.

“Leve para casa a pequena árvore, e a plante diante de sua porta, meu rapaz”’

O jovem virou-se para agradecer o estranho, mas ele havia desaparecido. Em seguida, Thule correu para casa com toda a velocidade para contar à mãe sobre o pequeno anão que havia desaparecido de sua vista como uma nuvem de fumaça.

“Agora me pergunto o que é que você já viu”, disse a boa mulher, levantando as mãos em surpresa. “Ele era marrom, meu filho, com um nariz comprido?

“Marrom como uma noz, mãe, sem a ponta do nariz.”

“Era como eu supunha, meu filho! Esse anão é uma criatura maravilhosa, uma dos elfos da noite, uma raça dotada de grande sabedoria. Sabe, meu filho, que ele entalhou runas nas pedras, e ele sem dúvida ajudou a fazer o martelo de Thor, esse terrível  instrumento que pode esmagar o crânio de um gigante. ”

“Uma coisa que observei”, disse o rapaz: “Ele piscou quando céu brilhou, o céu que as pessoas chamam de Luzes do Norte, ele tinha de proteger seus olhos com sua pequenas mãos. ”

“Ele fez isso? Pobre elfo, a luz é dolorosa a sua raça  e eu tenho ouvido dizer que um raio de sol é capaz de transformá-los em pedras. Estou quase com medo dessa pequena árvore, acrescentou a boa mãe pensativo. “Você  sabe o que lemos nos santos Eddas: Ambos os amieiros e os freixos devem ser considerado sagrado, pois Odin formou o homem da cinza, e mulher do amieiro. No entanto, o elfo da noite não poderia ter feito uma travessura. Vamos plantar a árvore como ele instruiu “.

“O quê?, no solo congelado, sob a neve?”

Mas agora, pela primeira vez, parecia que havia um pedaço de terra perto da janela ao sul da casa, que deveria ter estado à espera da árvore, pois era tão macia e quente, como se o sol estava brilhando naquele lugar o ano todo. Aqui eles plantaram o amieiro, e Thule trouxe a água, e molhou as raízes.

Na manhã seguinte, a árvore parecia ter crescido, e à luz do dia mostrou as suas folhas prateadas.

“Possa Odin progetegê-la”, disse Thule, “nem deixe que o gelo a congelar, nem os ventos matar seus brotos verdes!”

Thule entrou na floresta de novo, e enquanto ele estava no seu caminho, ele olhou para baixo, e ali, no chão, aos seus pés, estava uma bolsa, revestida de ouro. Ele contou as moedas: cinqüenta, todas brilhantes e novas.

“Eu vou para a cidade”, pensou o menino, balançando a cabeça e suspirando (pois era muito tentador), “Eu vou para a cidade e perguntar que mperdeu uma bolsa com cinqüenta peças de ouro precioso. Ora eu! Eu gostaria de ficar com ela! “Então poderíamos ter arenques e óleo, e quem sabe, mas, pela primeira vez na minha vida, eu poderia até saborear carne de veado? ”

Mas no momento em que sua ganância quase impediu sua missão, ele pensou: “Não importa quão lindamente brilhe o ouro! Não é meu ouro! E é muito pesado para eu carregar. O dinheiro roubado é pior que uma pedra de moinho amarrado no pescoço, assim que minha mamãe diz. ”

Mantenha-se no caminho, menino “, disse uma voz doce ao seu lado. Ele se virou e viu uma criança linda, radiante como um raio de sol, e vestida em roupas de textura delicada e transparente.

“Eu vou ser sua amiga, rapazinho. Essa bolsa foi perdida por uma dama que veste um casaco de peles e longo véu.  Se ela perguntar pelo seu tesouro, eu posso dizer que caiu em um buraco no chão. Todo mundo vai acreditar em mim:… Não tenha medo!”
medo! ”

“Pobre anjo confuso!”, disse o rapaz, maravilhado com sua beleza maravilhosa e não menos pela sua aparente falta de caráter. “Isto é, de fato, uma tentação adorável, mas eu tenho uma querida mãe em casa, e eu a amo mais que um milhão de peças de ouro. Devo ir à cidade, e buscar essa dama que você menciona, que veste um casaco de peles e longo véu. ”

“Ah não! Você não seriatão estúpido”, disse a criança reluzente, “mas mesmo assim vou com você, e te mostrar o caminho.”

Então, deslizando graciosamente diante do desnorteado jovem, ela o levou para fora da floresta, na parte mais frequentada da cidade, até a porta de uma casa magnífica, mas, quando Thule virou a cabeça apenas um instante, ela se foi, e nenhum traço dela foi visto: ela parecia ter derretido com o sol.

A dona da casa recebeu a bolsa com os agradecimentos, e ficaria feliz em ter dado uma moeda de ouro a Thule, mas, mesmo o rapaz ansiando por ela, ele a colocou de lado, dizendo: “Não, senhora: a minha mãe me diz que devo ser honesto, sem esperança de recompensa. Ela não gostaria que ganhasse um salário por não ser um ladrão! ”

Na manhã seguinte, o árvore de amieiro cresceu mais um pouco, e Thule e sua mãe observavam as folhas em crescimento, e as tocaram com os dedos reverentes. Eles eram certamente de um verde tenro, com linhas brilhantes cor de prata.

“Possa Odin deixar belo meu amieiro”, disse Thule, “não deixe que o gelo afetá-lo e nem os ventos matar seus brotos verdes!”

Então Thule beijou sua mãe, e marchou para fora da floresta, como de costume. Mas ele parecia condenado a aventuras, pois desta vez ele se encontrou com três homens armados, que estavam vagando pelo país, como se procurassem alguma coisa.

“Belo rapaz”, disseum dos homens, “você pode nos dizer o que aconteceu com um jovem amieiro cujas folhas verdes tem linhas de prata?”

“Eu desenterrei um amieiro-mato, bondosos senhores”, respondeu o rapaz, tremendo, e lembrando que sua mãe tinha dito que ela estava quase com medo da pequena árvore.

“Há muitos amieiros selvagens, disse outro dos homens rispidamente,” mas apenas essa verde nesta época do ano, e tem folhas prateadas. Ela foi colocada aqui por ordem do gigante Loki, e ninguém deveria tocá-la, sob pena de morte, porque, quando o jardim de Loki na montanha florisse na primavera, a árvore deveria ser arrancadas, e plantada lá ”

Thule ficou duro e branco como se  um gigante de gelo de repente soprasse sobre ele. Ele sabia que Loki era um deus impiedoso, temido por todos, e amado por ninguém, um deus que tinha um rancor especial contra toda a raça humana.

“Vou manter a minha calma”, pensou Thule.

“Eu nunca vou confessar que a árvore que levei tinha folhas prateadas. Eu vou correr para casa, arrancá-la e queimá-la… Então quem é o mais esperto? ”

Mas Thule, apesar de estar tremendo, não podia esquecer o conselho de sua boa mãe:

“Suas palavras, meu rapaz, devem ser verdade, e nada mais que a verdade, embora uma espada esteja balançando sobre sua cabeça.”

Então, logo que a voz dele voltou, ele confessou que a árvore que ele tinha arrancada era tal como os homens haviam descrito, e implorou por misericórdia, porque, como ele disse, ele tinha cometido o pecado por ignorância, não sabendo a ordem do terrível gigante.

Mas os homens Thule mandarm levá-los a casa de sua mãe, e mostrar o seu tesouro roubado, declarando que eles poderiam mostrar-lhe misericórdia, pois quando Loki baixava um decreto, nenhum homem deve alterá-lo por um jota ou um til.

“Oh!”, pensou o menino rapaz, torcendo as mãos, e tremendo dos pés a cabeça, “ah, se o cruel elfo da noite, que me levou a este mal, aparecesse na minha frente agora, e me ajudesse com isso! “Mas, infelizmente, não há sentido em invocá-lo, pois é agora plena luz do dia e o sol pode transformá-lo em uma imagem de pedra num piscar de olhos “.

Quando Thule, seguidos pelos mensageiros de Loki, tinha chegado à porta de sua cabana, ele encontrou a mãe de cabelos grisalhos aguando as raízes do belo amieiro, e acariciando suas folhas com prazer inocente. À vista dos homens armados, ela começou a se assustar.

“É de fato a árvore do gigante”, disseram os homens a Thule. “Arranque-a, e siga-nos com ela para o castelo de Loki na montanha.”

“Para o castelo de Loki!” gritou a mãe infeliz. “Então, ele deve passar por um deserto terrível, ser atacado por gigantes de gelo, e, sobrar fôlego nele, Loki vai matá-lo num piscar de olhos! Tenha piedade de uma pobre mãe pobre, bons soldados!”

O menino infeliz tocou na árvore, e ela saiu da terra de sua livre e espontânea vontade, e, num instante, estava em seus pés, se livrando dos galhos em seus ombros, num momento já não era uma árvore, mas uma criança, com uma beleza tão deslumbrante quanto a da luz solar.

“Infelizes homens!”, disse ela, em uma voz cujos tons zangados era mais doce do que a música de uma harpa, “infelizes são vocês por serem servos de Loki! Vão, e digam ao seu mestre cruel que os encantamentos que ele jogou em mim e os meus falharam:  Meu encantamento foi quebrado por todo o sempre, maravilhoso rapaz “, disse ela, apontando para o pequeno Thule, “você me salvou,  eu fui e ainda permanecem, um elfo de luz, tão brincalhona e inofensiva como a luz solar. O impiedoso Loki, irritado com o amor que eu carrego pelos filhos dos homens, transformou-me em árvore de emieiro, que é o emblema da juventude. Mas ele não tinha poder para me manter nessa forma para sempre. Ele foi obrigado a dar uma condição, e ele fez a mais difícil que a sua mente astuta poderia inventar: Como você ama os mortais tanto, ele disse, ninguém, a não ser um mortal deve livrá-lo de sua prisão. Você deve continuar a ser uma  árvore até um bom filho toque em você, uma criança que é generoso o suficiente para compartilhar seu último pão com um estranho, honesto o suficiente para devolver um recompensa apenas por sua honestidade, corajoso o suficiente para falar a verdade mesmo quando uma mentiria puder salvar sua vida. Quanto tempo esperei po você.”
“Como Loki ficará espantado quando ele descobrir que este menino foi tentando de todas as maneiras, mas foi fiel. Meus pobres soldados, vocês podem retornar de onde vocês vieram, pois aquele amieiro jamais irá balançar sua folhas de prata no jardim da montanha de Loki “.

Em seguida, os homens desapareceram, aborrecidos que o bom menino escapou seu horrível destino.

Thule olhando para a bela elfa que recentemente foi uma árvore, não poderia confiar em seus próprios olhos, e imagino que muitos garotos, até mesmo no presente dia, teria ficado um pouco perplexo com as circunstâncias.

“Reluzente criança!” disse ele: “você se parece muito como o maravilhoso pequeno ser que me conduziu para fora da floresta à noite.”

“Isso pode muito bem ser”, respondeu a elfo da luz;. “pois ela é minha irmã. O anão marrom que indicou o amieiro é também um excelente amigo meu, no entanto, por estranho que pareça, nunca o vi. Nós amamos a ajudar uns aos outros em todas as formas possíveis, mas nunca poderemos nos conhecer, pois a luz  nos meus olhos iria matá-lo. Ele tinha ouvido falar de Thule, o pequeno lenhador que era conhecido por ser corajoso, generoso e verdadeiro. Ele tentou você, você viu, e assim fez a minha irmã brincalhona, que ficou louca de felicidade por descobrir que você não poderia ser tentado a roubar! ”

A  mãe de Thule  tinha ficado o tempo todo próximo, intimidada e muda.  Agora, ela se aproximou, e disse:

“Estou mais orgulhosa hoje do que ficaria se meu filho tivesse matado dez homens no campo de batalha!”

A bela elfa da luz, cheia de gratidão e admiração, permaneceu amiga de Thule enquanto ele viveu. Ela deu ao menino e sua mãe uma excelente casa, e os fez felizes todos os dias de suas vidas.

Fonte: Fairy Book. Sophie May. Boston, Lee and Shepard, 1866.

Notas:

(1)

Eddas, Edas ou simplesmente Edda, é o nome dado ao conjunto de textos encontrados na Islândia (originalmente em verso) e que permitiram iniciar o estudo e a compilação das histórias referentes aos personagens da mitologia nórdica. São partes fragmentarias de uma antiga tradição escáldica de narração oral (atualmente perdida) que foi recompilada e escrita por eruditos que preservaram uma parte destas histórias.

São duas as compliações: a Edda prosaica (conhecida também como Edda Menor ou Edda de Snorri) e a Edda poética (também chamada Edda Maior ou Edda de Saemund).

Na Edda poética se recompilam poemas muito antigos, de caráter mitológico e heroico, organizada por um autor anônimo até 1250.

A Edda de Snórri foi composta por Snorri Sturluson (11791241) até os anos 1220 ou 1225. Não são poemas, dado o fato de estarem em prosa. Conta com muitas recomendações para poetas, já que o poeta guerrero islandês Snorri tentava, com essas recompliações em prosa, ajudar na formação de poetas no estilo tradicional escáldico, uma forma de poesia que data do século IX, muito popular na Islândia.

Existe um número de teorias referentes a origem do termo Edda. Uma teoria sustenta que é idêntica a palavra que, em um antigo poema nórdico (Rígthula), parece significar “a bisavó”. Outra teoria argumenta que Edda significa “poética”. Uma terceira teoria defende que significa “O livro de Oddi”, sendo Oddi o lugar onde Snorri Sturluson foi educado.(fonte: wikipedia)

(2) Odin é o principal deus do panteão nórdico. Para ganhar a sua suprema sabedoria, Odin deu um dos olhos a Mímir, seu tido. sua montaria é o garanhão Sleipnir, um cavalo de oito patas.

(3) Essas donzelas guerreiras são as  Valquírias que aparecem nos campos de batalha para levar a alma dos guerreiros mais corajosos. Odin as manda buscar guerreiros para que futuramente lutem ao lado dos deuses no Ragnarók. Quando elas cavalgam, suas armaduras reluzentes produzem a luz brilhante que vemos como Aurora Boreal.

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em novembro 25, 2010, em contos, dinamarca, europa, Ilhas Faroe, Islândia, lendas, noruega, seres míticos, suécia e marcado como , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 14 Comentários.

  1. Bem mais explicado do que qualquer livro que eu já tenha lido!
    OBg.

  2. Muito bom… Não tenho muito o que dizer a não ser que gostei de mais! Ótimo trabalho!

  3. gostei muito da historia e ter conhecido um pouco mais sobre as lendas nordicas

  4. Exelente Trabalho Gostei Muito

  5. Sonho muito com Elfos,da luz e do Amor;gostaria de saber o por que e o qual significado;

  6. Engraçado o desdém que o autor remete em algumas partes do texto, como se a “bíblia” ou o cristianismo fosse de alguma forma melhor que outras religiões já para não falar que existem elementos pagoes por toda a parte na biblia mas o egocentrismo dos cristão é tal que a própria idade da terra a regida num livro arcaico ao qual a escravatura e pedofilia são vistas como coisas comuns explica os padres e as mentalidades mas esta claro que podem escolher o novo testamento porque esta claro que “deus” escreveu os dois livros faz sentido. o inicio deste texto faz tanto sentido como o da biblia, para mim a filosofia de vida é que me interessa e a nordica tem tudo ao contrario da cristam que é a coisa mais hipocrita castradora e abusiva as mulheres que existe talvez o islamismo seja pior mas tambem são primas as religiões

  7. vejo que apagou o meu comentário deve manter os outros para engordar o teu ego, imagino quantas pessoas mais que tiveram os seus comentários apagados só para ficar bonito na sua folha de comentários, você era bom para a inquisição qualquer pessoa que discorde de você é apagar, ainda esperava uma resposta mas já vi que cobardia é muita e é mais fácil apagar atitude de um a real cristão. mas para argumentar é preciso saber do que se fala não é ? parece não ser o seu caso. como vais apagar isto de qualquer maneira vai te informar tira a cabeça debaixo da areia e não tentes empurrar a tua doutrina nos outros utilizando religiões de outros

    • Bom dia caro! Haviam dois comentários seus, o do dia 26/07/2015 e 27/70/2015…Se havia algum antes desse, que me informe. Se havia, muito me preocupa, pois já muito tempo não logo essa conta, por motivos diversos. Nunca precisei apagar comentários, até hoje. Não entendi suas colocações, e penso, como uma pessoa de paz, na vida pessoal e na virtual, que meu objetivo é bem claro a quem estiver apto a ler e entender

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: