Povo das Brumas

Os Huldufolk

Os huldufolk vivem em colinas. Estão invisíveis a nossos olhos. Se você estiver andando por aí não jogue pedras a esmo ou pode acertar um deles sem querer.

De todos os tipos sobrenaturais mais comuns das Ilhas Faroe e Islândia são os huldufolk, algumas vezes chamados de álvar. Huldufólk significa “povo escondido/povo invisível” – islandês: huldu- significando “relativo a segredo” e  fólk “pessoa”, “gente”).

Estórias de sua origem data de Eva, a mão de toda criação. Eva teve muitas crianças, e quando Deus disse que ira fazer-lhe uma visita, Eva tratou de deixar a casa apresentável para o Criador. O problema é que o tempo estava curto, e não conseguiu dar banho em todas as crianças. Então, as crianças que estavam sujas, ela escondeu. Deus veio, inspecionou as crianças presentes e deu Sua aprovação, e então perguntou a Eva se ela tinha outras. Com medo, ela escondeu sua existência. Então Deus declarou: “O que o homem esconde de Deus, Deus irá esconder do homem.”  Como resultado essas crianças foram destinadas a permanecer para sempre ocultas dos homens, vivendo entre esse e o outro mundo.

O outro conto a respeito da origem dos elfos diz que essas criaturas apareceram no tempo em que Deus criou a mulher para o primeiro homem, Adão. Como essa mulher se tornou extremamente difícil de lidar (tanto para Adão quanto para Deus), Deus mudou seus planos criando um homem especialmente para ela, tão indomável quanto ela , e ele foi chamado de Alfur. Ela foi chamada de Alvör, e todos os elfos e trolls descendem deles. Essa primeira mulher seria Lilith. O que as duas versões tem de comum é que a “culpa” dos huldfolk terem se exilado de nosso mundo é sempre da mulher.

Há também quem diga que eles são anjos caídos, condenados a viver entre o Céu e o Inferno.

De todas as criaturas do mundo espiritual, os huldufolk são os mais parecidos com os humanos, porém eles são mais belos, talentosos e charmoso. Eles, apesar de ser “o povo invisível” interagem com os humanos quando eles bem querem. E assim como nós, eles também são caprichosos, e apesar de geralmente serem benignos, coisas terríveis podem acontecer a quem os ofender ou incomodar de alguma forma. Que diga um prefeito que resolveu interromper uma festa onde homens e elfos estavam comemorando e acabou sendo alvo da vingança dos últimos.

Eles vivem em alguma dimensão paralela à dos humanos. Escondidos em colinas e montes de pedregulhos, e nas ilhas Faroe. Nas ilhas Faroe há um lugar chamado de  “Álvheyggur” (colina dos elfos), situado ao sul da vila de Vík em Streymoy onde se acredita que anteriormente era um vila de elfos.

Eles, assim como humanos, tem gado e ovelhas, que podem ser ocasionalmente vistos nas montanhas. Eles também possuem botes para pesca em alto mar, e há relatos de pessoas que viram seus botes navegando entre as ilhas e até mesmo estórias de homens que foram pescar os com os huldufolk.

les usam poderes mágicos para tornar eles, suas casas e propriedades invisíveis aos humanos. Se alguém perde alguma coisa, as pessoas dizem que foram eles que esconderam, e há estórias sobre umt al de “huldanhatt” (chapéu dos hulda), um chapéu que torna o seu dono invisível.
Às vezes,  os huldmen que tentam empurrar humanos de penhascos, ou que se envolveram em brigas.  Pode haver disputas entre eles e humanos a respeito de espaço para criação de animais, ou por causa de desrespeito a certas taboos. E não bastando esses incidentes, há quem diga que eles trocam bebês ao nascer, ou quando ainda não tem dentes. Eles o substituem por suas próprias crianças e que a fica no lugar é mentalmente atrasada. Parece que essa foi uma maneira que os habitantes usaram para explicar o nascimento de crianças com diversos tipos de problemas físicos e mentais

Mas eles podem ser altamente sociáveis, procurando humanos para se relacionar. Eles podem nos ajudar ou pedir por ajuda, se necessário. Segundo um líder sindical, Tryggvi Emilsson, ele caiu de um penhasco e foi salvo por uma mulher dos huldufolk. Ele diz que nunca se esquece de sua beleza transcendental. Algumas vezes eles pedem para a mulheres humanos ajudar as suas no parto. Eles até mesmo podem se interessar romanticamente por humanos. Uma lenda fala de como um fazendeiro de Gásadalur on Vágoy teve um relacionamento romantico com uma mulher do huldu e eles tiveram uma filha.

Apesar do advento da modernização, que trouxe a eletricidades e barcos de pescas modernos, e que de algum modo fez com que muitos da ilha deixassem de acreditar nesse povo até hoje muita gente acredita em sua existência, tanto é que uma pesquisa apontou que mais de 50 por cento das pessoas da ilha ainda acreditam em elfos.

Há estórias de como, por exemplo, a construção do túnel sobre  Hvalfjorður (Fiorde da Baleia – Whale Fjord) na cidade de Akranes. Os equipamentos quebravam constantemente quando se aproximavam das pedras, que deveriam ser removidas. Uma mulher local, conhecida por se comunicar com os huldufolk, foi chamada. Ela disse que os espíritos estavam se preparando para deixar o local mas precisavam de mais tempo. Foi dado um prazo, e a mulher voltou ao local e anunciou que a obra poderia recomeçar. Assim também aconteceu quando o  primeiro shoppping, o Smáralind, foi construído perto de possíveis habitações de gnomos, foi tomado cuidado de colocar os cabos elétricos e outros materiais de modo a evitar que os pertubasse.

Uma crença muito popular diz que ninguém deve sair jogando pedras a esmo, poque pode acertar um huldfolk. Em 1982, os islandeses foram até a base da OTAN em  Keflavík para reclamar que os elfos estavam sendo ameaçados pelo “aviões fantasmas” americanos e caças de reconhecimento. Em 2004, a Alcoa teve de conseguir um especialista para certificar que o lugar escolhido não tinha nenhum sítio arqueológico, inclusive aqueles relacionados aos huldufólk, antes de construir uma fundição de alumínio. Os jardins da Islândia podem ter pequenas casa de madeira para elfos, tiny (wooden álfhól) e até pequenas igrejas para converter o povo invisível ao cristianismo.

Os huldufolk podem também usar seus poderes para tentar controlar humanos. Se uma garota huldu oferece uma bebida a um mortal, ele tem de assoprar a espuma do copo, pois é nessa espuma que está o feitiço. Se você provar a bebida com a espuma, vai se esquecer do seu próprio mundo e cair sobre seu feitiço.

Os feriados parecem ser dias propícios para o aparecimento deles, isso porque nesses dias especiais o portal para o outro mundo está aberto. Dias com Ano Novo, Dia dos Reis, Natal. Fogueira dos Elfos ou Elf bonfires (álfabrennur) são parte das festividades no Dia do Reis. No folclore nórdico há muitos relatos desse povo indo para fazendas durante essas festividades para cantar e dançar com os humanos. E ainda é costume na Islândia limpar a casa antes do Natal e deixar comida para os huldfolk.

A crença a respeito do povo das brumas pode ter sido um pouco abalada por esse novo modo de vida globalizado, mas mesmo assim percebe-se que a presença dos huldfolk ainda paira nos arredores das colinas. E com certeza, eles ainda habitam o subconsciente dos seus habitantes.

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Hulduf%C3%B3lk

http://www.octavia.net/vikings/huldufolk.htm

http://www.seattlepi.com/national/elvs25.shtml

http://www.hauntediceland.com/icelandic-elves.htm

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em novembro 23, 2010, em contos, dinamarca, europa, Ilhas Faroe, Islândia, seres míticos, supertições e costumes e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: