How Night Came

A filha da Grande Serpente do Mar estava sofrendo, porque na Terra só havia dia. Ela precisa que seu pai enviasse a ela um pouco da escuridão que habitava no mar.

Years and years ago at the very beginning of time, when the world had just been made, there was no night. It was day all the time. No one had ever heard of sunrise or sunset, starlight or moonbeams. There were no night birds, nor night beasts, nor night flowers. There were no lengthening shadows, nor soft night air, heavy with perfume.

In those days the daughter of the Great Sea Serpent, who dwelt in the depths of the seas, married one of the sons of the great earth race known as Man. She left her home among the shades of the deep seas and came to dwell with her husband in the land of daylight. Her eyes grew weary of the bright sunlight and her beauty faded. Her husband watched her with sad eyes, but he did not know what to do to help her.

“O, if night would only come,” she moaned as she tossed about wearily on her couch. “Here it is always day, but in my father’s kingdom there are many shadows. O, for a little of the darkness of night!”

Her husband listened to her moanings. “What is night?” he asked her. “Tell me about it and perhaps I can get a little of it for you.”

“Night,” said the daughter of the Great Sea Serpent, “is the name we give to the heavy shadows which darken my father’s kingdom in the depths of the seas. I love the sunlight of your earth land, but I grow very weary of it. If we could have only a little of the darkness of my father’s kingdom to rest our eyes part of the time.”

Her husband at once called his three most faithful slaves. “I am about to send you on a journey,” he told them. “You are to go to the kingdom of the Great Sea Serpent who dwells in the depths of the seas and ask him to give you some of the darkness of night that his daughter may not die here amid the sunlight of our earth land.”

The three slaves set forth for the kingdom of the Great Sea Serpent. After a long dangerous journey they arrived at his home in the depths of the seas and asked him to give them some of the shadows of night to carry back to the earth land. The Great Sea Serpent gave them a big bag full at once. It was securely fastened and the Great Sea Serpent warned them not to open it until they were once more in the presence of his daughter, their mistress.

The three slaves started out, bearing the big bag full of night upon their heads. Soon they heard strange sounds within the bag. It was the sound of the voices of all the night beasts, all the night birds, and all the night insects. If you have ever heard the night chorus from the jungles on the banks of the rivers you will know how it sounded. The three slaves had never heard sounds like those in all their lives. They were terribly frightened.

“Let us drop the bag full of night right here where we are and run away as fast as we can,” said the first slave.

“We shall perish. We shall perish, anyway, whatever we do,” cried the second slave.

“Whether we perish or not I am going to open the bag and see what makes all those terrible sounds,” said the third slave.

Accordingly they laid the bag on the ground and opened it. Out rushed all the night beasts and all the night birds and all the night insects and out rushed the great black cloud of night. The slaves were more frightened than ever at the darkness and escaped to the jungle.

The daughter of the Great Sea Serpent was waiting anxiously for the return of the slaves with the bag full of night. Ever since they had started out on their journey she had looked for their return, shading her eyes with her hand and gazing away off at the horizon, hoping with all her heart that they would hasten to bring the night. In that position she was standing under a royal palm tree, when the three slaves opened the bag and let night escape. “Night comes. Night comes at last,” she cried, as she saw the clouds of night upon the horizon. Then she closed her eyes and went to sleep there under the royal palm tree.

When she awoke she felt greatly refreshed. She was once more the happy princess who had left her father’s kingdom in the depths of the great seas to come to the earth land. She was now ready to see the day again. She looked up at the bright star shining above the royal palm tree and[9] said, “O, bright beautiful star, henceforth you shall be called the morning star and you shall herald the approach of day. You shall reign queen of the sky at this hour.”

Then she called all the birds about her and said to them, “O, wonderful, sweet singing birds, henceforth I command you to sing your sweetest songs at this hour to herald the approach of day.” The cock was standing by her side. “You,” she said to him, “shall be appointed the watchman of the night. Your voice shall mark the watches of the night and shall warn the others that the madrugada comes.” To this very day in Brazil we call the early morning the madrugada. The cock announces its approach to the waiting birds. The birds sing their sweetest songs at that hour and the morning star reigns in the sky as queen of the madrugada.

When it was daylight again the three slaves crept home through the forests and jungles with their empty bag.

“O, faithless slaves,” said their master, “why did you not obey the voice of the Great Sea Serpent and open the bag only in the presence of his daughter, your mistress? Because of your disobedience I shall change you into monkeys. Henceforth you shall live in the trees. Your lips shall always bear the mark of the sealing wax which sealed the bag full of night.”

To this very day one sees the mark upon the monkeys’ lips, where they bit off the wax which sealed the bag; and in Brazil night leaps out quickly upon the earth just as it leapt quickly out of the bag in those days at the beginning of time. And all the night beasts and night birds and night insects give a sunset chorus in the jungles at nightfall.

O três escravos foram desobedientes, abriram o pacote com a noite e foram castigo pelo mestre, que os transformou em macados. Agora quando você vê macacos fazendo bagunça, vai lembrar de se comportar

Versão em português:

Como A Noite Surgiu

Anos e anos atrás, no começo dos tempos, quando o mundo tinha acabado de ser feito, não havia noite. Era dia o tempo todo. Ninguém nunca tinha ouvido falar do nascer ou pôr do sol, a luz das estrelas ou luar. Não havia pássaros da noite, nem bestas noturnase, nem as flores da noite. Não havia sombras, nem ar suave da noite, carregado de perfume.

Naqueles dias, a filha da Grande Serpente Marinha, que habitava nas profundezas dos mares, casou-se com um dos filhos da grande raça grande terrena conhecida como Homem. Ela deixou sua casa entre as sombras das águas profundas e foi morar com o marido na da luz do dia. Seus olhos ficaram cansados da luz do sol brilhante e sua beleza desvanecida. Seu marido a olhava com olhos tristes, mas ele não sabia o que fazer para ajudá-la.

“Oh, se a noite viesse”, ela gemeu como enquanto se jogava pesadamente em seu sofá. “Aqui é sempre dia, mas no reino de meu Pai há muitas sombras. Ó, o que daria por um pouco da escuridão da noite! ”

Seu marido ouvia seus lamentos. “O que é noite?”, Perguntou a ela. “Fale-me sobre isso e talvez eu possa arranjar um pouco dela para você.”

“Noite”, disse a filha da Grande Serpente Marinha”é o nome que damos para as sombras pesadas que escurecem o reino de meu pai nas profundezas dos mares. Eu amo a luz do sol de sua terra, mas estou muito cansada deles. Se pudéssemos ter apenas um pouco da escuridão do reino do meu pai para que pudesse descansar meus olhos por um tempo. ”

O marido de pronto chamou três escravos fiéis. “Eu estou a ponto de enviar-lhes em uma viagem”, disse-lhes. “Vocês tem que ir para o reino da Grande Serpente Marinha que habita nas profundezas dos mares, para pedir-lhe para lhes dar um pouco das trevas da noite porque senão sua filha vai morrer aqui no meio da luz do sol de nossa terra”.

Os três escravos foram para o reino da Grande Serpente do Mar. Após uma viagem longa e perigosa, eles chegaram no reino dele, nas profundezas dos mares e pediram-lhe para dar-lhes algumas das sombras da noite para levar de volta à terra. A Grande Serpente lhes deu um grande saco cheio. Ele fechou bem e advertiu-lhes para não abri-lo, até que estivessem mais uma vez na presença de sua amada filha.

Os três escravos voltaram, com o grande saco cheio de noite sobre as suas cabeças. Logo eles ouviram sons estranhos dentro do saco. Era o som das vozes de todos os animais da noite, todas as aves da noite, e todos os insetos da noite. Se você já ouviu o coro da noite de florestas nas margens dos rios você vai saber como soava. Os três escravos nunca tinha ouvido sons como esses em toda a sua vida. Estavam terrivelmente assustados.

“Vamos largar o saco cheio de noite aqui mesmo onde estamos e vamos fugir o mais rápido que pudermos”, disse o primeiro escravo.

“Nós pereceremos. Vamos morrer, não importa o que fizermos “, exclamou o segundo escravo.

“Se vamos perecer de qualquer jeito, então eu vou abrir o saco e ver o que está fazendo todos esses sons terríveis”, disse o terceiro escravo.

Assim que colocou a sacola no chão e abriu, todos os animais da noite, todas as aves da noite e todos os insetos da noite saíram e se afastaram em uma grande nuvem negra da noite. Os escravos se assustaram mais do que nunca no escuro e fugiram para a selva.

A filha da Grande Serpente do Mar estava esperando ansiosamente pelo retorno dos escravos com a sacola cheia de noite. Desde que tinham começado a sua viagem tinha aguardado o seu regresso, protegendo os olhos com a mão e olhando lá longe, no horizonte, esperando com todo seu coração que trouxessem logo a  noite. Nessa posição, ela estava de pé sob uma palmeira real, quando os três escravos abriu o saco e deixaram escapar a noite. “A noite veio. A noite chegou, finalmente, “ela chorou, quando viu as nuvens noturnas no horizonte. Então ela fechou os olhos e foi dormir lá debaixo da palmeira real.

Quando ela acordou ela sentiu muito descansada. Ela se tornou mais uma vez, a princesa feliz que havia deixado o reino de seu pai nas profundezas dos granes mares para vir para a terra. Ela já estava pronta para ver o dia outra vez. Ela olhou para a estrela brilhando acima da palmeira real e disse: “Ó, linda estrela brilhante, agora você será chamado a estrela da manhã e você deverá anunciar a chegada do dia. Você deve reinar como rainha do céu nesta hora. ”

Então ela chamou todos os pássaros à sua presença e disse-lhes: “Ó, maravilhosos pássaros que cantam docemente, agora eu ordeno que você cantem sua música mais doce nessa hora para anunciar a aproximação do dia.” O galo estava de pé ao lado dela. “Você”, ela disse , “será nomeado o vigia da noite. Sua voz marcará todos relógios da noite, e deverá avisar a todos a madrugada chegou. “Desse dia em diante, aqui no Brasil, chamaremos a chegada da manhã de madrugada. O galo anunciará a sua chegada às aves que estarão esperando. Os pássaros cantarão suas mais doces canções nessa  hora da manhã e a estrela da manhã reinará no céu como rainha da madrugada.

Quando amanheceu novamente os três escravos entraram em casa através das florestas e selvas com o seu saco vazio.

“Ó escravos infieis”, disse o mestre, “por que você não obedeceram a ordem da Grande Serpente Marinha e abriram o saco apenas na presença de sua amada filha? Por causa de sua desobediência vou transformá-lo em macacos. A partir de agora você devem viver nas árvores. Seus lábios devem ter sempre a marca do lacre, que selou o saco cheio de noite. ”

Desde esse dia, se vê a marca em cima os lábios dos macacos, onde eles morderam para arrancar o lacre de cera do saco, e  no Brasil a noite salta tão rapidamente sobre a terra, como no dia em que ela saltou para fora do saco, no início dos tempos. E todos os animais, aves e insetos da noite fazem um coro para o pôr-do-sol  na selva ao anoitecer.

Source (tradução literal):

EELLS, Elsie Spicer. Fairy Tales from Brazil – How and Why Tales from Brazilian Folk-Lore. Cadmus Book. 1917.

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em junho 15, 2010, em Brasil, brazilian legends and stories e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: