As crianças golfinho

Brincando no mar

Brincando no mar

O dia estava tão quente que todos estavam desanimados e as atividades diárias se tornaram praticamente impossível. Então a tribo decidiu sair do campo e ir para a costa. Sua jornada seria difícil tanto para as crianças quanto para idosos, mas os filhos mais velhos viram tudo como uma aventura emocionante.  Eles acharam que era uma oportunidade para aproveitar ao máximo. Por causa da empolgação, logo eles foram alertados a permanecer perto.

Finalmente, quando o sol desapareceu sob a terra, eles chegaram ao mar e acamparam perto de uma fonte de água doce. Começaram a encher os recipientes de água e preparar uma refeição antes de parar para um merecido descanso.

No entanto, três dos filhos mais velhos estavam faltando. Assim que a tribou notou o desaparecimento, foi organizado um grupo de busca antes que ficasse muito escuro para encontrá-los.  Os homens descobriram os rastros deles e descobriram que tinham ido explorar por conta própria sem permissão de seus pais, e isso era imperdoável, porque eles sabiam que era proibido e perigoso.

A trilha os levou a uma saliência rochosa e terminou abruptamente. Os homens esperavam vê-los, quer na parte rasa ou mesmo nadando.  Mas não havia local para pisar. A borda era de pura rocha cercada de águas profundas. Então onde estavam as crianças?

Assim como as pessoas que chegaram à costa, as três crianças correram para a saliência rochosa olhando com admiração o mar pela primeira vez. Mas para eles não era nada mais do que uma lagoa grande, então eles fizeram o que sempre fez em um dia quente, simplesmente pularam nele.

Ao boiar na água, eles perceberam que estavam em apuros porque a corrente provocada pelas ondas batendo nas rochas começou a levá-los para longe  no mar, e os seus pedidos de ajuda foram em vão.

Então Boomali, um espírito do mar veio em seu auxílio. Sabia que as crianças trouxeram aquele perigo sobre eles próprios, ignorando deliberadamente tudo o que tinha sido ensinado, somente porque queria se divertir, então que assim seja.

Ele os transformou em golfinhos, condenados a brincar no mar para o resto de suas vidas sem ver seus entes queridos novamente.

Notas:

1) Uma das poucas menções ao clã Burramadagal foi no site 2nd International Mush Conference, que fala sobre arte aborígene australiana, C. Dan Purches (nome tribal Naiura), conta que aprendeu arte com sua mãe e sua avó materna era membro do clã Burramadagal, da tribo Dharrug.

2) No site,  History of Penrith South Public School, é mencionado que a tribo vivia nas cercanias de Sidney.

Fonte:

http://www.artistwd.com/joyzine/australia/dreaming/dolphin_children.php

Links:

http://www.angelfire.com/nt/winternats/bound.html

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em maio 21, 2010, em austrália, contos e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: