O vôo

Indo Para o Outro Mundo

Hoje só um post rápido, talvez eu chegue a escrever mais sobre isso. Como estive surfando na net, acabei dando de cara com “O Paciente Inglês”. Talvez alguns já tenham visto o filme.

É uma estória que se passa na Segunda Guerra, homem totalmente desfigurado por queimaduras vai para em um hospital dos Aliados. Como ninguém descobre o nome dele, anotam na ficha médica que ele é o “paciente inglês” . O pelotão atravessa a Itália rumo a algum lugar, que não me lembro agora e o paciente é obrigado a ficar em um mosteiro abandonado junto com uma enfermeira canadense, Hanna. Isso porquê ele está doente demais para continuar a viagem.

Hanna e Kip

O caminho desse dois se cruzam com o de um ladrão, Caravaggio, e um sikh, de nome Kip. Enquanto no mosteiro, o paciente começa a contar sua estória em flashback, a estória de como ele se apaixonou e de como essa paixão se tornou sua perdição e a dela. Paralelo a isso, Hanna se apaixona por Kip.

Mas já contei muito do filme e talvez alguém queira ver ou ler o livro. Bem, mas o quero contar é de como a cena final do filme me emocionou e até hoje me faz lembrar de uma crença arquetípica.

No final, o paciente morre e tem uma visão final, uma lembrança na verdade, onde ele recorda que carregara Katherine morta em seus braços até o avião. Então vemos eles partindo para um vôo sobre o deserto. O avião plana mansamente para uma viagem que parece que não terá fim.

O Paciente Inglês carregando sua amada

Interpretei essa cena como uma metáfora da morte, e o avião representaria o mensageiro, aquele que carrega a alma dos mortos para o outro mundo. No lugar de um passáro que levaria a alma, temos um avião que o leva junto com sua amada para Outro Mundo.

Os passáros são creditados como mensageiros do outro plano, o que implica que eles também tem poder para transportar a alma dos mortos em sua jornada desse para o mundo espiritual.

Alguns acreditam que a alma migra de um corpo para outro e que muitas vezes um humano pode ter habitado anteriormente o corpo de uma passáro. Além disso, alguns acreditam que eles trazem algum tipo de presságio e muitas vezes, um mau presságio.

Gaivota do Pacífico

Gaivota do Pacífico

Um exemplo desse mau presságio seria o pio do passáro chamado storm petrel ( Hydrobates pelagicus ). Segundo a wikipedia, é chamada de “painho“, mas também somente de petrel. No original em inglês, ele é chamado de petrel da tempestade, porque os marinheiros acreditavam que ver um deles significava um sinal de grande tempestade se aproximando uma espécie.  Atirar num deles daria azar. Alguns também acreditavam que não deveriam ser feridos porque dentro deles estaria a alma de marinheiros mortos.

Assim também aconteceria com as gaivotas, que seriam sinal de tempestade e seus gritos seria sinal de que alguma desgraça iria acontecer e que almas de marinheiros e pescadores habitariam o corpo das gaivotas, especialmente se um deles tivesse morrido afogado.

Isso me lembra um quadrinhos do Hellboy. O quadrinhos “Hellboy – Paragens Exóticas”, mostra o personagem no fundo do mar. Ele encontra com diversos personagens, mas logo no começo da estória ele luta com uma bruxa do mar e consegue libertar a alma de marinheiros que serviam de fonte de poder para ela. Se não em engano, estavam presas em ânforas (tenho de rever o quadrinho…). De qualquer forma, após as almas serem libertadas do feitiço, elas voam para a liberdade em forma de passáro… Interessante referência à crença de que os passáros “retém” almas dos mortos.

Outras passáros também seriam hospedeiros de almas como acreditam os pescadores de uma região da Inglaterra, chamada East Anglian. Para eles, o ganso patola ( Morus bassanus ) é um deles.

Nos Estados Unidos, dizem que um homem atirou em três patos e quando foi procurar os corpos não os encontrou. Após isso uma cotovia piou por três dias. Quando ela parou, ele foi ao pântano e encontrou o corpo de três marinheiros.

Enquanto isso, na Europa os corvos sempre foram mensageiros de mau presságio. Alguns diziam que eles eram bispos maléficos que ao morrer, viravam corvos (porque usavam vestimentas pretas). Ouvir um pio de corvo significava que algo ruim iria acontecer. Almas de crianças não batizadas também poderiam virar corvos.

Outras lendas conectam o corvo com o Rei Artur. Alguns dizem que o rei foi transportado para Avalon. Outros que ele dorme em uma caverna em algum lugar da Grã Bretanha. Mas o escritor espanhol Julian del Castillo deu outra explicação, que foi logo assimilada pelos ingleses, a de que Artur foi encantando em um corvo, e que um dia reinará de novo e para provar isso, ele diz: será que algum inglês matou um corvo depois disso?

Torre de Londres

Até o século 18 matar um corvo era um tabu na Inglaterra. A idéia do corvo associada ao rei parece explicar porque sempre são mantidos seis corvos na Torre de Londres.

Os corvos são uma espécie de protetores da Inglaterra, porque são associados ao rei Artur. Imagine o desespero que tomou conta da Inglaterra quando, durante a Segunda Guerra mundial, os corvos ficaram em silêncio durante cinco dias? Muitos imaginariam que a Grã Bretanha iria desaparecer.

Referências:

http://www.mythencyclopedia.com/Be-Ca/Birds-in-Mythology.html

http://www.deathreference.com/Sh-Sy/Soul-Birds.html

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em maio 4, 2010, em estados unidos, europa, filmes, Inglaterra, itália, lendas, Segunda Guerra Mundial e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: