A colonia perdida: Croatoan

Antes da partida de White, os índios Croatoan visitaram a ilha de Roanoke e convidaram os colonos a morarem com eles. Os colonos aceitaram a proposta e disseram a white. Então combinaram o seguinte: se eles tivessem de partir escreveriam a palavra CROATOAN em uma árvore e se por acaso, a partida fosse feita sob condições hostis e adversas, escreveriam uma cruz acima de CROATOAN (portanto, não há nada de misterioso nessa palavra, mas com certeza a venda de livros aumenta se semear o mistério).

Em 27 de agosto de 1590, ele partiu e encontrou um cenário de guerra na Inglaterra. Todos foram convocadas para a defesa da Inglaterra. E sob o comando de Raleigh, a Armada Formidável da Espanha foi derrotada.

Em 22 de abril de 1588, White retornou para o Novo Mundo, mas no caminho foi orbigado a retornar devido a um embate com navios de guerra. Nenhuma nova tentativa foi feita até 20 de março de 1590, quando eles voltaram con três veleiros. Eles só alcançaram Roanoke em agosto.

Agora, de acordo com o relatórios da viagem, escrita pelo escritor Richard Hakluyt, “durante a tarde de 15 de agosto eles ancoraram em * Hattorask, a uma profunidade de 9,15 metros longe da margem. Assim que eles aportaram, White viu uma grande coluna de fumaça vinda do lugar onde ele deixou a colônia em 1587. Na manhão seguinte, dois botes com White e os capitães Cook e Spicer foram à terra. Ele deu instruções ao mestre canhonheiro para deixar prontos dois * minions e um falcão para disparar, dentro de um certo espaço de tempo entre um tiro e outro, assim avisando aos remanescentes da colônia que eles estavam chegando.

Eles rumaram com os botes na direção da grande fogueira, até que eles resolveram soltar a âncora próximo da praia. Então eles chamaram, tocaram trombetas, cantaram e nada de resposta.

Quando amanheceu eles ancoraram e encontraram grama e árvores queimadas de onde vinha a luz. Continuaram até Dasamonguepeuk, caminhando próximo à praia, até o lado norte da ilha. Durante todo o caminho eles viram pegadas de nativos, de dois ou três tipos.

Quando eles atingiram um banco de areia, encotraram misteriosas palavras romanas escritas na árvore, C.R.O., de acordo com um código secreto entre eles e o governador, assim ele saberia que eles se mudaram para um local cinquenta milhas longe dali. Ele ficou preocupado, mas como não encontrou nenhuma cruz acima das siglas, então eles tinham partid sem maiores problemas. Rumando para o vilarejo, ele encotrou as casas demolidas e tudo  cercado por uma grande paliçada, como se fosse uma fortaleza. E em um dos troncos usados na paliçada, encontraram a palavra CROATOAN. Feito isso, entraram no lugar, onde encontraram diversos objetos e barras de metal espalhados pelo chão, quase cobertos por grama e ervas daninhas.

E apesar dele ter ficado desgostoso “com toda a mercadoria espalhada por ai”, ele se alegrou que eles tivessem se dirigido para Croatoan, que era o lugar onde Manteo tinha nascido e onde eles tinham amigos.

Um tempo ruim obrigou-os a voltar para o veleiro e devido a perda de três âncoras, fora uma eles decidiram abandonar a idéia de ira naquele instante para Croatoan e foram para a ilha de Saint John. Então passaram o inverno nas Índias Ocidentais e depois rumaram para Croatoan. Um dos veleiros voltou para a Inglaterra, pois estava em péssimas condições.

Os outro dois veleiros ficaram um tempo procurando saquear navios espanhóis, até que em voltaram para a Inglaterra e aportaram em Plymouth em 24 de outubro de 1590.

* Alguns estudiosos dizem que Croatoan era o nome do lugar, e que os ingleses deram esse nome depois aos índios que lá moravvam.  O verdadeiro nome da tribo seria Hatteras (ou Hattorask, como chamam os croatoans.) Esses índios estavam em Roanoke quando a colônio aportou. Os indios não moravam na ilha, na verdade lá seria um acampamento de caça e pesca ou talvez um local mais fresco para ficarem durante o verão.

Minion e Falcão – dois tipos de canhões do século 15 e 17.

Dasamonguepeuk, no lado ocidental de Croatoan, parece ser o condado de Dare hoje em dia. Era possivelmente a sede da tribo de Roanoke, os quais devem ter uma vaga conexão com Chowanoke e Secotan.

Leia mais em:

https://casadecha.wordpress.com/category/a-colonia-perdida-de-sir-walter-raleigh/

https://casadecha.wordpress.com/2009/11/10/a-colonia-perdida-de-raleigh/

https://casadecha.wordpress.com/2010/06/07/a-colonia-perdida-de-sir-walter-raleigh-capituloii/

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em junho 8, 2009, em A Colônia Perdida de Sir Walter Raleigh, contos, estados unidos, Inglaterra, lendas e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: