A chegada da tribo Thurrawal

 A chegada da tribo Thurrawal

Há muito tempo, num passado distante todos os animais que estão agora na Austrália eram humanos e viviam em outra terra, muito além do mar. Um dia eles se reuniram e decidiram partir em canoas, a fim de encontrar melhores campos para caça no outro lado do mar. A baleia, que era muito maior do que qualquer um deles, tinha uma canoa de casca de árvore de grandes dimensões, mas na qual não iriam caber os outros. Como as canoas dos outros animais não era adequadas para uso em mar aberto, eles vigiavam todo dia na esperança de que a baleia deixasse o seu barco, para que eles pudessem pegá-lo e iniciar a sua longa viagem. A baleia, porém, sempre vigiava de perto, e nunca abaixava sua guarda.

A estrela-do-mar, uma amiga próxima da baleia, bolou um plano com as outras pessoas para chamar a atenção da baleia para longe da canoa, e assim dar-lhes uma chance de roubá-la. Um dia, a estrela-do-mar disse à baleia:

– Você tem um grande número piolhos em sua cabeça, deixe-me pega-los e matá-los para você.

A baleia, que tinha sido muito chateada por parasitas, prontamente concordou com a oferta de sua amiguinha, e, prendendo a sua canoa a um rochedo, eles sentaram. A estrela-do-mar imediatamente deu o sinal para os outros, que estavam de prontidão para pegar sorrateiramente a canoa, logo que a baleia estivesse distraída.

Ela descansou a cabeça da baleia no seu colo e começou a matar os piolhos. A baleia estava tão tranqüila e nem notou os outros rapidamente chegarem em sua canoa e empurrem para longe da praia. De vem em quando ela perguntava:

– Está tudo bem com a minha canoa?

Ela em resposta pegou um casca de árvore solta próxima à perna dela e em seguida bateu na casca e disse:

– Sim, essa é que é que estou tocando com a minha mão – e vigorosamente bateu na água perto das orelhas da baleia para que ele pensasse ouvir salpicos de remos. Isto continuou até que a canoa estava quase fora da vista, quando de repente a baleia ficou agitada e levantou-se. Vendo a canoa desaparecer na distância, ficou furiosa com a traição da estrela-do-mar e bateu nela sem piedade. Saltando para a água, a baleia então nadou atrás de sua canoa.

Vendo a canoa desaparecer na distância, ficou furiosa com a traição da estrela-do-mar e bateu nela sem piedade. Saltando para a água, a baleia então nadou atrás de sua canoa.

A estrela-do-mar, mutilada e dilacerada, rolou ao largo da rocha sobre a qual eles estavam sentados, caiu na água, e deitou sobre a areia no fundo. Foi o terrível ataque da baleia que deu a ela sua aparência rugosa e seu hábito de ficar parada no fundo do mar.

A baleia, esgotada de tanto nadar, ficou nadando ao longo da costa. Ainda hoje, ele nada lá com seus descendentes, espirrando água furiosamente através do furo na sua cabeça.

A baleia furiosa perseguiu a canoa, jorrando água no ar pela ferida que ganhou na cabeça durante a sua luta com a estrela-do-mar, uma prática que ela manteve desde então. Apesar da baleia ser ótima nadadora, os antebraços do coala puxaram os remos com grande força por muitos dias e noites, até que finalmente avistaram terra e chegaram a uma praia segura. O brolga (garça australiana), no entanto, não conseguia ficar parada e batia com seus pés para cima e para baixo e acabou fazendo dois grandes buracos na canoa. Como já não era útil para eles, foi empurrado um pouco além da saída para o mar onde parou e se tornou a pequena ilha conhecida como o homem Gan-gang perto da entrada para o oceano no Lago de Illawarra.

A baleia, esgotada de tanto nadar, ficou nadando ao longo da costa. Ainda hoje, ele nada lá com seus descendentes, espirrando água furiosamente através do furo na sua cabeça.

Notas:

1) A tribo Thurrawal tem nomes alternativos: Tharawal (Darawal, Carawal, Turawal, Thurawal, Thurrawal, Thurrawall, Turuwal, Turuwul, Turrubul, Tutuwull, Ta-ga-ry, Five Islands).

O povo Tharawal (ou Dharawal) habitavam o sudeste de Sydney e a região de Illawarra, quando chegaram os primeiros colonos europeus. Viviam em áreas do sul de Botany Bay até Porto Hacking do norte do rio Shoalhaven e no interior de Campbelltown e Camden. Eles falam a língua Tharawal.

A arte desse povo é evidente em diversas gravuras rupestres localizados em Jibbon.

Comumente acreditava que não havia mais descendentes do povo Tharawal, porém após o veredicto de Mabo pela reinvidicação de sua terra nativa, há vários processos em que pessoas afirmam ser descendentes dessa tribo.

2) Queensland x Mabo.

Em 1985 o governo de Queensland aboliu todos os direitos nativos sobre as ilhas Murray, agindo de maneira retroativa. Em 1988, o povo Meriam, principalmente, Eddie Mabo, contestaram o Ato Declaratório das Ilhas Costeiras de Queensland alegando que a lei era racista.

Sobre shironaya

web 2.0 addict, crazy about legends, stories, drawing, cinema, painting. adoro web 2.0, lendas, estórias, desenho, cinema, pintura.

Publicado em setembro 16, 2008, em austrália, contos, lendas e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: